Uma uto­pia vi­va cha­ma­da Träd, Gräs och Ste­nar

Publico - Ipsilon - - Sumário - Pedro Ri­os

Nos con­cer­tos dos Träd, Gräs och Ste­nar não ha­via au­di­ên­cia nem ha­via ban­da. Qual­quer pes­soa po­dia su­bir ao pal­co e to­car com eles, le­van­do a im­pro­vi­sa­ção a lu­ga­res ain­da mais des­co­nhe­ci­dos. “Era mui­to co­mum: al­guém che­ga­va e ia to­car flau­ta, can­tar, to­car pan­dei­re­ta ou coi­sas des­se gé­ne­ro. Pes­so­as que não co­nhe­cía­mos”, con­ta o gui­tar­ris­ta Ja­kob Sjöholm, ao te­le­fo­ne a par­tir da Sué­cia.

Quan­do se jun­tou à ce­na de on­de nas­ce­ri­am os Träd, Gräs och Ste­nar (Ár­vo­res, Er­va e Pe­dras, em por­tu­guês), Ja­kob não sa­bia que aca­ba­ria por fa­zer mú­si­ca. Es­ta­va mais in­te­res­sa­do em fo­to­gra­far, era o seu “con­tri­bu­to” àque­le mo­vi­men­to que cru­za­va ar­tes e po­lí­ti­cas de es­quer­da na ca­pi­tal su­e­ca. “Era um gru­po de 20 ou 25 pes­so­as em Es­to­col­mo que es­ta­vam a fa­zer coi­sas di­fe­ren­tes. Al­guns eram es­cri­to­res, ou­tros pin­to­res, coi­sas des­te gé­ne­ro”, des­cre­ve. “Ha­via con­cer­tos com pes­so­as a ler po­e­sia.”

O mun­do ia no ano 1966 e os ares de mu­dan­ça me­ti­am-se em to­do o la­do. Es­tes ar­tis­tas de Es­to­col­mo pre­o­cu­pa­vam-se com o avan­ço do ca­pi­ta­lis­mo e da­qui­lo que clas­si­fi­ca­vam co­mo o im­pe­ri­a­lis­mo ame­ri­ca­no, vi­sí­vel, por exem­plo, na guer­ra do Vi­et­na­me, as­sus­ta­vam-se com a ame­a­ça nu­cle­ar e vi­am par­tes da ci­da­de se­rem ras­ga­das pa­ra abrir es­pa­ço pa­ra cons­truir ar­ra­nha-céus. “Éra­mos de es­quer­da, mas mais anar­quis­tas”, diz Ja­kob, en­tre ri­sos. “In­te­res­sa­vá­mo-nos mui­to pe­los te­mas am­bi­en­tais. Di­zi­am que não éra­mos uma boa ban­da po­lí­ti­ca por­que fa­lá­va­mos mui­to de na­tu­re­za e não can­tá­va­mos os slo­gans po­lí­ti­cos.”

Em 1967, Ter­ry Ri­ley, co-in­ven­tor do mi­ni­ma­lis­mo, le­vou à Sué­cia a sua pe­ça In C e re­cru­tou mú­si­cos lo­cais co­mo Bo An­ders Pers­son. A re­pe­ti­ção, os sons con­tí­nu­os e a ex­plo­ra­ção de lo­ops em fi­ta que o com­po­si­tor nor­te-ame­ri­ca­no pu­nha na sua mú­si­ca en­tu­si­as­ma­ram o jo­vem su­e­co e, no Ve­rão de 1967, nas­ci­am os Pär­son Sound. Du­ran­te a cur­ta vi­da, o gru­po não lan­çou ne­nhum dis­co, mas as gra­va­ções fo­ram edi­ta­das mais tar­de. Em 1968, os Pär­son Sound trans­for­mam-se nos In­ter­na­ti­o­nal Har­ves­ter, mais tar­de Har­ves­ter (mais do que uma ban­da, eram um co­lec­ti­vo que in­cluía tam­bém hap­pe­nings, ar­te e te­a­tro). Os Har­ves­ter ti­nham co­mo me­ta “fa­zer um som tão gran­de que qual­quer pes­soa” po­dia “en­con­trar um lo­cal pa­ra si den­tro de­le”. Fi­nal­men­te, em 1969, das cin­zas dos Har­ves­ter for­mam-se os Träd, Gräs och Ste­nar, que lan­çam em 1970 o pri­mei­ro ál­bum - obra pi­o­nei­ra de riffs pe­sa­dos, de­ri­vas xa­mâ­ni­cas de flau­tas e pal­mas, in­cur­sões pe­lo Ori­en­te e trans­for­ma­ções ra­di­cais de All along the wat­ch­tower, de Bob Dy­lan, e (I can’t get no) Sa­tis­fac­ti­on, dos Rol­ling Sto­nes.

O fo­tó­gra­fo Ja­kob fez-se mú­si­co. En­trou pa­ra os Träd, Gräs och Ste­nar em 1971, ape­sar de pou­co do­mi­nar a gui­tar­ra. “Era mui­to ino­cen­te. Quan­do co­me­cei, não sa­bia to­car mui­to bem, mas is­so era mui­to in­te­res­san­te. Não éra­mos vir­tu­o­sos tec­ni­ca­men­te, mas tí­nha­mos uma coi­sa em que éra­mos bons: usá­va­mos os ou­vi­dos. Ten­tá­va­mo-nos ou­vir, éra­mos mui­tos bons a ou­vir­mo-nos uns aos ou­tros e a ou­vir­mos a mú­si­ca co­mo um to­do, em vez de ca­da um ou­vir ape­nas o que es­ta­va a fa­zer. Is­so fez com que a mú­si­ca so­as­se co­mo soa.”

Se­jam li­vres

Os con­cer­tos dos Träd, Gräs och Ste­nar eram, mais do que me­ros es­pec­tá­cu­los, mo­men­tos de en­con­tro de uma co­mu­ni­da­de: ha­via mú­si­ca e ou­tras ar­tes, po­lí­ti­ca, co­mi­da bi­o­ló­gi­ca, con­ver­sas. Na pri­mei­ra en­car­na­ção da ban­da, to­ca­ram em to­do o la­do: ca­fés obs­cu­ros em re­mo­tas ter­ras su­e­cas; uma pis­ta de um ae­ro­por­to; um pra­do no rio Vin­del, du­ran­te o sol da meia-noi­te; em Ch­ris­ti­a­nia, uma an­ti­ga zo­na mi­li­tar de Co­pe­nha­ga trans­for­ma­da em co­mu­ni­da­de anar­quis­ta.

Em Djun­gelns Lag (1971), ou­vi­mo­los ele­va­rem os blu­es aos céus, gra­ças a do­ses ge­ne­ro­sas de dis­tor­ção, e a in­ven­ta­rem uma folk li­vre, aber­ta a to­dos os ca­mi­nhos. Mors Mors (1972) re­ve­la uma ban­da ca­da vez mais à von­ta­de e solta, com co­mu­ni­ca­ção te­le­pá­ti­ca en­tre os seus mem­bros. Es­cre­ve­ram nu­ma re­e­di­ção re­cen­te: “A nossa mú­si­ca era uma es­pé­cie de gri­to de guer­ra ri­tu­a­lis­ta, um ape­lo às pes­so­as pa­ra que se­jam li­vres, pa­ra que si­gam o seu pró­prio rit­mo, a sua pró­pria har­mo­nia.”

Ao mes­mo tem­po, ban­das ale­mãs co­mo os Can e os Amon Düül tam­bém tes­ta­vam os li­mi­tes do rock, fa­zen­do de­le uma mú­si­ca qua­se sa­gra­da e ce­ri­mo­ni­al. Mas, com ex­cep­ção de al­gum rock dos Es­ta­dos Uni­dos (“eles con­se­guem sem­pre co­mu­ni­car o que fa­zem”, brin­ca Ja­kob), os Träd, Gräs och Ste­nar des­co­nhe­ci­am es­tas mo­vi­men­ta­ções. “Acho que a mes­ma coi­sa es­ta­va a acon­te­cer em to­do o mun­do, em di­fe­ren­tes sí­ti­os. É uma coi­sa má­gi­ca. Cla­ro que ou­vía­mos Vel­vet Un­der­ground, mas não fa­zía­mos ideia do que acon­te­cia na Eu­ro­pa”, con­ta Ja­kob. Além do rock e de ou­tra mú­si­ca oci­den­tal, ou­vi­am “mú­si­ca in­di­a­na, ga­me­lão, aqui­lo a que se cha­ma ho­je world mu­sic”.

A ban­da aca­bou em 1972, reu­nin­do-se por pou­co tem­po em 1980. Em 1995, vol­tou à vi­da. Es­te ano, a edi­to­ra su­e­ca Su­bli­mi­nal Sounds lan­çou Tack för Kaf­fet, ál­bum gra­va­do nu­ma ofi­ci­na ru­ral, no velho es­pí­ri­to da ban­da, e que re­ve­la um co­lec­ti­vo tão apu­ra­do co­mo o de há 45 anos (ou­ça­se E-moll slow, mons­tro de percussão es­par­sa, jazzy, e gui­tar­ras tac­te­an­do a noi­te, à pro­cu­ra de uma har­mo­nia qual­quer).

Em Tack för Kaf­fet ain­da ou­vi­mos Torbjörn Abel­li e Tho­mas Me­ra Gartz, dois mem­bros fun­da­do­res fa­le­ci­dos re­cen­te­men­te. Ja­kob Sjöholm é ho­je o úni­co so­bre­vi­ven­te dos pri­mei­ros tem­pos dos Träd, Gräs och Ste­nar. É uma ban­da re­no­va­da que se apre­sen­ta no sá­ba­do no Fes­ti­val Re­ve­ren­ce, ago­ra no Par­que da Ri­bei­ra de San­ta­rém (co­me­ça sex­ta com ban­das co­mo Amen­ra, Oath­bre­a­ker, Bo Nin­gen e Mo­ons­pell; aca­ba no sá­ba­do com Mo­no e Gang of Four em des­ta­que).

“Quan­do os ou­tros mor­re­ram e eu tor­nei-me no úni­co so­bre­vi­ven­te des­sa ban­da, pen­sei ini­ci­al­men­te que se­ria im­pos­sí­vel vol­tar a to­car”, re­co­nhe­ce Ja­kob. “Mas en­con­trá­mos uma for­ma de con­ti­nu­ar a to­car. Não soa exac­ta­men­te co­mo era dan­tes, mas é o mes­mo es­pí­ri­to e a mes­ma for­ma de ou­vir a mú­si­ca e ver a vi­da. É a mes­ma coi­sa, é o mes­mo es­pí­ri­to. Pa­re­ce mui­to na­tu­ral con­ti­nu­ar a to­car. Pen­so que é por­que a nossa mú­si­ca é tão im­pro­vi­sa­da.”

Na Sué­cia dos anos 1970, os Träd, Gräs och Ste­nar fa­zi­am do rock ex­pe­ri­ên­cia co­mu­nal, protesto e fes­ta. Es­sa ban­da re­sis­tiu: a vi­a­gem é no sá­ba­do, em San­ta­rém, no fes­ti­val Re­ve­ren­ce.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.