A ti­ra­nia da luz

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um lon­go e in­te­res­san­te ar­ti­go do as­tro­fí­si­co Raul Cer­vei­ra Li­ma, “Dei­xem a Noi­te Ser Noi­te”, pu­bli­ca­do nes­te jor­nal no do­min­go pas­sa­do, faz-nos per­ce­ber, com eloquên­cia ana­lí­ti­ca, um ti­po de po­lui­ção que se es­con­de no seu ex­ces­so de vi­si­bi­li­da­de: a po­lui­ção lu­mi­no­sa. É ho­je di­fí­cil, mes­mo em zo­nas do Alentejo in­te­ri­or, diz Raul Cer­vei­ra Li­ma, en­con­trar con­di­ções pa­ra con­tem­plar o es­plen­dor da noi­te por­que a luz ar­ti­fi­ci­al das ci­da­des e das vi­las pro­pa­ga-se a to­do o la­do. Até nos cam­pos, on­de quer que exis­ta uma ca­sa, fo­ram dis­se­mi­na­dos pos­tos pú­bli­cos de luz. Es­ta­mos sub­me­ti­dos a uma ti­ra­nia da luz, mas es­sa ti­ra­nia não co­me­çou no nos­so tem­po nem é ex­pli­cá­vel ape­nas co­mo um re­sul­ta­do da ur­ba­ni­za­ção ge­ne­ra­li­za­da e da co­lo­ni­za­ção tec­no­ló­gi­ca: ela tem atrás de si uma lon­ga his­tó­ria fi­lo­só­fi­ca, cul­tu­ral e po­lí­ti­ca. Go­ethe, ao mor­rer, pe­diu mais luz, “mehr Li­cht”. E es­sa exi­gên­cia, que po­de­ria ser ape­nas a re­sis­tên­cia de um ho­mem de mui­ta ida­de à ex­tin­ção, ga­nhou uma ou­tra dimensão. No pen­sa­men­to oci­den­tal, um tra­ço fun­da­men­tal é a re­la­ção en­tre a luz e a ra­zão, e en­tre a som­bras e o ir­ra­ci­o­nal. Daí que se te­nha con­si­de­ra­do a luz, en­quan­to me­tá­fo­ra da ver­da­de, uma “me­tá­fo­ra ab­so­lu­ta”, ins­tru­men­to de or­ga­ni­za­ção do nos­so mun­do, co­mo se po­de per­ce­ber nas pa­la­vras e ex­pres­sões que ser­vi­ram par de­sig­nar cer­tas épo­cas: a Ida­de Mé­dia foi de­sig­na­da du­ran­te sé­cu­los co­mo Ida­de das Tre­vas por se en­ten­der que não pro­cu­ra­va a cla­ri­da­de ra­ci­o­nal. E o Ilu­mi­nis­mo, ou Ida­de das Lu­zes, foi a de­sig­na­ção me­ta­fó­ri­ca pa­ra uma épo­ca que inau­gu­ra a ra­zão crí­ti­ca mo­der­na, com a sua ideia de se­cu­la­ri­za­ção, de pro­gres­so his­tó­ri­co e de eman­ci­pa­ção atra­vés do sa­ber. Na ba­se da ti­ra­nia da luz, de que so­fre­mos ho­je, es­tá evi­den­te­men­te o “ocu­lar­cen­tris­mo”, um con­cei­to que de­sig­na o pri­vi­lé­gio epis­te­mo­ló­gi­co con­ce­di­do à vi­são: ver é o fim — o ob­jec­ti­vo — e o cri­té­rio do pen­sa­men­to.

Im­pe­dir que a noi­te se­ja noi­te tem si­do o de­síg­nio al­can­ça­do com gran­de efi­ci­ên­cia pe­lo ca­pi­ta­lis­mo con­tem­po­râ­neo. Des­sa con­quis­ta, tra­tou um en­saís­ta e crí­ti­co de ar­te ame­ri­ca­no, cha­ma­do Jo­nathan Crary, num li­vro de 2013 in­ti­tu­la­do 24/7. La­te Ca­pi­ta­lism and the Ends of Sle­ep. Crary des­cre­ve e ana­li­sa es­te mun­do que per­ma­ne­ce em fun­ci­o­na­men­to vin­te e qua­tro ho­ras du­ran­te os se­te di­as da se­ma­na, pa­ra que a pro­du­ção e o con­su­mo não te­nham in­ter­rup­ções. Pa­ra con­quis­tar o tem­po inú­til do so­no, pa­ra er­ra­di­car o shab­bath e im­por um tem­po ho­mo­gé­neo sem fe­ri­a­dos nem di­as fes­ti­vos, impôs à noi­te lu­zes ca­da vez mais for­tes. A ex­tin­ção da noi­te é um fe­nó­me­no das gran­des me­tró­po­les, co­mo No­va Ior­que, di­fun­di­do co­mo uma ten­dên­cia uni­ver­sal. Quem pri­mei­ro in­tuiu o que se es­ta­va a pas­sar foi Pa­so­li­ni, que num cé­le­bre tex­to de Fe­ve­rei­ro de 1975, pu­bli­ca­do no Cor­ri­e­re del­la Se­ra, atri­buiu um sig­ni­fi­ca­do apo­ca­líp­ti­co ao de­sa­pa­re­ci­men­to dos pi­ri­lam­pos por cau­sa da po­lui­ção quí­mi­ca e da po­lui­ção lu­mi­no­sa (a cla­ri­da­de dos “fe­ro­zes pro­jec­to­res”): tra­ta­va-se, nas pa­la­vras de Pa­so­li­ni, da con­su­ma­ção de um “ge­no­cí­dio cul­tu­ral”. Ho­je po­de­mos per­ce­ber que a ti­ra­nia da luz é uma ne­ces­si­da­de bá­si­ca da so­ci­e­da­de da aten­ção e da mo­bi­li­za­ção per­ma­nen­tes. O es­ta­do de vi­gi­lân­cia (fo­men­ta­do e ga­ran­ti­do por um Es­ta­do vi­gi­lan­te e pe­la go­ver­na­men­ta­li­da­de que lhe cor­res­pon­de) e a exi­gên­cia se­cu­ri­tá­ria im­pu­se­ram-se co­mo im­pe­ra­ti­vos aos in­di­ví­du­os e às instituições. E is­so re­quer luz, ca­da vez mais luz. É preciso que to­dos es­te­ja­mos acor­da­dos e, além dis­so, não nos po­nha­mos a olhar pa­ra as es­tre­las, per­den­do o pé na su­per­fí­cie aci­den­ta­da da ter­ra, co­mo acon­te­ceu ao dis­traí­do as­tró­no­mo e pro­to­fi­ló­so­fo Ta­les de Mi­le­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.