Mo­net, um co­lec­ci­o­na­dor de men­te aber­ta

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Quem, pe­las pró­xi­mas se­ma­nas, se des­lo­car ao Mu­seu Mar­mot­tan Mo­net, em Pa­ris, não vai po­der ad­mi­rar a te­la Im­pres­são, nas­cer do sol ( Im­pres­si­on, so­leil le­vant, 1872), com que Clau­de Mo­net (1840-1926) fez nas­cer o mo­vi­men­to mais tar­de de­sig­na­do im­pres­si­o­nis­mo. Es­ta obra se­mi­nal en­con­tra-se em ex­po­si­ção, até 8 de Ou­tu­bro, no Mu­seu de Ar­te Mo­der­na An­dré Mal­raux (MuMa) em Le Ha­vre, a ci­da­de na foz do Se­na on­de pre­ci­sa­men­te Mo­net se ins­pi­rou pa­ra pin­tar o seu fa­mo­so quadro — du­ran­te cer­ca de um mês, o MuMa co­lo­ca Im­pres­si­on, so­leil le­vant em diá­lo­go com inú­me­ras ou­tras re­pre­sen­ta­ções do sol, na mos­tra Im­pres­si­on(s), so­leil, ini­ci­a­ti­va in­te­gra­da na co­me­mo­ra­ção do 5.º cen­te­ná­rio da­que­la ci­da­de por­tuá­ria. Em contrapartida, o Mar­mot­tan Mo­net, que é mai­or de­po­si­tá­rio de obras do pin­tor fran­cês, mos­tra ago­ra — e até 14 de Ja­nei­ro — uma fa­ce­ta bem me­nos co­nhe­ci­da do au­tor dos ne­nú­fa­res: a de co­lec­ci­o­na­dor. Mo­net. Col­lec­ti­on­neur, inau­gu­ra­da es­ta quin­ta-fei­ra, des­ven­da mais de se­te de­ze­nas de pin­tu­ras, agua­re­las e es­cul­tu­ras, além da co­lec­ção de gra­vu­ras ja­po­ne­sas, que o pin­tor foi reu­nin­do ao lon­go de gran­de par­te da sua vi­da. Se a ad­mi­ra­ção que Mo­net dis­pen­sa­va à ar­te ja­po­ne­sa é um da­do co­nhe­ci­do da sua bi­o­gra­fia, já a de co­lec­ci­o­na­dor de obras dos ar­tis­tas seus con­tem­po­râ­ne­os, mui­tos de­les ami­gos pes­so­ais, per­ma­ne­ceu du­ran­te lon­go tempo se­cre­to. Um se­gre­do que o Mu­seu Mar­mot­tan Mo­net de­ci­diu ago­ra des­ven­dar, após uma in­ves­ti­ga­ção que qua­se te­ve con­tor­nos “po­li­ci­ais”, co­mo dis­se à im­pren­sa a cu­ra­do­ra da ex­po­si­ção, Ma­ri­an­ne Mathi­eu, da equi­pa do Mu­seu d’Or­say — o outro “tem­plo” pa­ri­si­en­se da pin­tu­ra im­pres­si­o­nis­ta. “Mo­net não fa­la­va da sua vi­da pri­va­da. A sua co­lec­ção de ar­te, co­mo a sua vi­da fa­mi­li­ar, man­te­ve­as sem­pre pro­fun­da­men­te pri­va­das”, dis­se a co­mis­sá­ria, ci­ta­da pe­lo New York Ti­mes, que tam­bém ou­viu a cu­ra­do­ra da Royal Aca­demy of Arts, de Lon­dres, Ann Du­mas, re­al­çar a im­por­tân­cia da nova ex­po­si­ção em Pa­ris. “Há uma di­fe­ren­ça mui­to gran­de en­tre ser um ar­tis­ta ou ser um ho­mem ri­co a co­lec­ci­o­nar ar­te”, diz es­ta cu­ra­do­ra. E no­ta que era en­tão “mui­to ra­ro ar­tis­tas com­pra­rem ar­te co­mo um investimento”. “A sua prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção era ver o que outro ar­tis­ta ti­nha fei­to. Mui­tas ve­zes, eles ad­mi­ra­vam re­al­men­te o tra­ba­lho dos ou­tros ar­tis­tas e usa­vam-no co­mo uma ins­pi­ra­ção. Era al­go mui­to mais pes­so­al, e que es­ta­va li­ga­do ao seu pró­prio pro­ces­so cri­a­ti­vo”, acres­cen­ta Ann Du­mas, ci­tan­do o ca­so de Ed­gar De­gas (1834-1917), outro gran­de pin­tor-co­lec­ci­o­na­dor da épo­ca. No ca­so de Mo­net, o pin­tor co­me­çou a ad­qui­rir te­las de ami­gos — al­gu­mas de­las, re­sul­ta­do de ofer­tas pes­so­ais — quan­do era ain­da jo­vem. O quadro mais an­ti­go na ex­po­si­ção Mo­net. Col­lec­ti­on­neur é uma ca­ri­ca­tu­ra sua fei­ta no fi­nal da dé­ca­da de 1850 pe­lo seu ami­go Char­les Lhuil­li­er. Édou­ard Ma­net (1832-1883) e Je­an-Pi­er­re Re­noir (1841-1919) tor­na­ram-se tam­bém ami­gos che­ga­dos de Mo­net des­de que ele se fi­xou em Pa­ris. Uma das obras-pri­mas da mos­tra é, de res­to, a te­la em que Ma­net pin­tou o ca­sal Clau­de-Ca­mil­le Mo­net, em 1874, no seu bar­co-es­tú­dio. E en­tre os vá­ri­os re­tra­tos in­di­vi­du­ais e fa­mi­li­a­res que Re­noir lhe de­di­cou — e ofe­re­ceu — está Ma­da­me Mo­net e o seu fi­lho, tam­bém de 1874 (uma obra de Re­noir que, no en­tan­to, não está na ex­po­si­ção é Re­tra­to de Ma­da­me Clau­de Mo­net, de 1872-74, da Co­lec­ção Gul­ben­ki­an, e que foi ad­qui­ri­da por Ca­lous­te Gul­ben­ki­an em 1937 ao fi­lho do pin­tor, Mi­chel Mo­net) . Além des­tes no­mes, há obras de De­la­croix, Co­rot, Bou­din, Cé­zan­ne, Mo­ri­sot, Pis­sar­ro, Sig­nac, Tou­lou­seLau­trec e tam­bém Ro­din — uma re­la­ção que na ex­po­si­ção no Mu­seu Mar­mot­tan Mo­net está do­cu­men­ta­da com o bron­ze Jo­vem mãe na gru­ta e com um ges­so re­pre­sen­tan­do Ba­can­tes abra­ça­das, com a se­guin­te de­di­ca­tó­ria na ba­se: “Ao gran­de mes­tre C. Mo­net, do seu ami­go Ro­din”. “A co­lec­ção pa­re­ce-se com o pró­prio Mo­net: é o seu olhar, a sua se­lec­ção”, diz Ma­ri­an­ne Mathi­eu, acres­cen­tan­do que es­ta co­lec­ção — que o Mar­mot­tan reu­niu com em­prés­ti­mos dos prin­ci­pais mu­seus in­ter­na­ci­o­nais e tam­bém de acer­vos pri­va­dos — “re­ve­la um ar­tis­ta com uma men­te mui­to aber­ta”. Sér­gio C. An­dra­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.