Rir com a ar­te con­tem­po­râ­nea

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Com Mi­mic Gim­mick - Playing ‘Air Gui­tar’ to De­rek Bai­ley, uma cri­a­ção de 2008, o mú­si­co e ar­tis­ta vi­su­al João Pau­lo Fe­li­ci­a­no mar­ca a pre­sen­ça por­tu­gue­sa na ex­po­si­ção co­lec­ti­va O Ri­sí­vel Enig­ma da Vi­da Nor­mal, com que o Ar­qui­pé­la­go Cen­tro de Ar­tes Con­tem­po­râ­ne­as, na ilha de São Mi­guel, nos Aço­res, as­si­na­la a sua ren­trée cul­tu­ral. Nes­te ví­deo, Fe­li­ci­a­no ho­me­na­geia o gran­de gui­tar­ris­ta bri­tâ­ni­co De­rek Bai­ley (1930-2005), um dos no­mes do free jazz, mi­man­do-o na in­ter­pre­ta­ção de uma pe­ça ao lon­go de cer­ca de cin­co mi­nu­tos. É uma das mais de meia cen­te­na de obras que vão po­der ser vis­tas a par­tir des­ta sex­ta-fei­ra (inau­gu­ra­ção às 18h), nu­ma mos­tra co­lec­ti­va co­mis­sa­ri­a­da pe­los bri­tâ­ni­cos Da­vid Camp­bell e Mark Dur­den. “O Ri­sí­vel Enig­ma da Vi­da Nor­mal ex­plo­ra a im­por­tân­cia da co­mé­dia na nos­sa for­ma de dar sen­ti­do às coi­sas, aju­dan­do-nos a na­ve­gar atra­vés das di­fi­cul­da­des da vi­da quo­ti­di­a­na. As coi­sas a que acha­mos pi­a­da po­dem ser cruéis e odi­o­sas, es­ta­be­le­cen­do fron­tei­ras sim­bó­li­cas que di­vi­dem as pes­so­as em gru­pos dis­tin­tos, co­lo­can­do aque­les que têm po­der con­tra os que não têm e vi­ce­ver­sa. Mas a co­mé­dia é tam­bém uma for­ma de unir as pes­so­as: dan­do-lhes con­so­lo, a sen­sa­ção de uma vi­vên­cia par­ti­lha­da e uma po­de­ro­sa ar­ma de re­sis­tên­cia”, es­cre­vem os cu­ra­do­res na apre­sen­ta­ção da mos­tra, que vai po­der ser vi­si­ta­da até 31 de Ja­nei­ro. Além de cu­ra­do­res, Camp­bell e Dur­den são tam­bém ar­tis­tas re­pre­sen­ta­dos na ex­po­si­ção atra­vés de du­as cri­a­ções do co­lec­ti­vo Com­mon Cul­tu­re (que par­ti­lham com Ian Brown): os ví­de­os The New El Do­ra­do (2010), uma en­co­men­da pa­ra a bi­e­nal es­pa­nho­la Ma­ni­fes­ta, re­a­li­za­da em Múr­cia, a pa­ro­di­ar os cha­ma­dos ar­tis­tas “pa­ra­que­dis­tas” com pre­ten­sões de co­mu­ni­ca­rem com cul­tu­ras alhei­as; e Tri­al by Me­dia, uma nova cri­a­ção com can­ções po­pu­la­res a co­re­o­gra­far “mo­vi­men­tos de dan­ça pa­ra mú­si­cas com le­tras ba­se­a­das nas vi­das nar­ci­sis­tas e in­dul­gen­tes das ce­le­bri­da­des con­tem­po­râ­ne­as”. Mui­tas ou­tras for­mas de rir, e de in­ter­vir po­lí­ti­ca e so­ci­al­men­te atra­vés da co­mé­dia, fa­zem o ca­tá­lo­go de O Ri­sí­vel Enig­ma da Vi­da Nor­mal, que con­tém cri­a­ções de outro co­lec­ti­vo bri­tâ­ni­co, Bank, e ou­tras de ar­tis­tas pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­os paí­ses: Car­la Gar­las­chi (Chi­le), Da­vid Sher­ry (Ir­lan­da), Eri­ca Ey­res (Ca­na­dá), Gem­ma Mar­ma­la­de (Rei­no Uni­do), Gil­li­am We­a­ring (Rei­no Uni­do), Jo­a­chim Sch­mid (Ale­ma­nha), John Smith (Rei­no Uni­do), Ka­ra He­arn (EUA), Mau­ri­ce Doherty (Ir­lan­da), Olav Westpha­len (Ale­ma­nha), Paul McCarthy (EUA), Pe­ter Fin­ne­mo­re (Rei­no Uni­do), Pil­vi Ta­ka­la (Fin­lân­dia), Ri­chard Hughes (Rei­no Uni­do), Ri­chard Wentworth (Rei­no Uni­do) e Tho­mas Gei­ger (Ale­ma­nha).

Bos­ton, Mas­sa­chu­setts (1985) e co­lec­ci­o­na obras em que eles se in­ter­sec­tam. “Thin­king Ma­chi­nes re­en­qua­dra uma cor­ren­te de re­la­ções es­té­ti­cas e cul­tu­rais” que sim­bo­li­za em par­te a era que se se­guiu à II Gu­er­ra Mun­di­al, diz o mu­seu na no­ta que anun­cia a ex­po­si­ção, que in­clui obras pro­du­zi­das en­tre 1959 e 1989. Ha­ve­rá exem­plos da Ar­te Pro­gram­ma­ta ita­li­a­na, obras ci­né­ti­cas, cla­ro, so­bre­po­si­ções en­tre a ar­te con­cep­tu­al e a ar­te fei­ta com com­pu­ta­do­res. E um ví­deo cen­tral, de Beryl Ko­rot, Text and Com­men­tary (1976-77), em que a ar­tis­ta te­ce num te­ar — a nor­te­a­me­ri­ca­na con­si­de­ra mes­mo que o te­ar é “o pri­mei­ro com­pu­ta­dor à fa­ce da Ter­ra” — que a ins­ta­la­ção ilus­tra co­mo par­te da in­trin­ca­da in­fluên­cia da com­pu­ta­ção na his­tó­ria e nas ar­tes. O uso da com­pu­ta­ção, se­ja da sua prá­ti­ca se­ja do seu pen­sa­men­to, re­po­si­ci­o­nou “a pro­du­ção ar­tís­ti­ca, in­dus­tri­al e eco­nó­mi­ca”, com ar­tis­tas co­mo Ve­ra Mol­nár, Le­ja­ren Hil­ler ou Stan VanDerBe­ek a ex­plo­rar o seu po­ten­ci­al atra­vés de par­ce­ri­as com uni­da­des de in­ves­ti­ga­ção ou em­pre­sas do sec­tor. Co­mo a su­ges­ti­va Thin­king Ma­chi­nes Cor­po­ra­ti­on ou a Uni­ver­si­da­de de Il­li­nois, que lhes de­ram aces­so a má­qui­nas es­pe­ci­ais ou à pon­ta da lan­ça do de­sen­vol­vi­men­to da tec­no­lo­gia. Foi com es­ta úl­ti­ma que John Ca­ge e Le­ja­ren Hil­ler fi­ze­ram a obra HPSCHD (1967); o ar­tis­ta Ri­chard Ha­mil­ton cri­ou um com­pu­ta­dor em si mes­mo, o DIAB DS-101 (198589). Thin­king Ma­chi­nes é co­mis­sa­ri­a­da por Se­an An­der­son, do De­part­men­to de Ar­qui­tec­tu­ra e De­sign, e Gi­am­pa­o­lo Bi­an­co­ni, do De­part­men­to de Mé­dia e Ar­tes Per­for­ma­ti­vas do MoMA, e quer mos­trar “co­mo os com­pu­ta­do­res trans­for­ma­ram as hi­e­rar­qui­as es­té­ti­cas” mas tam­bém con­tar um pou­co da his­tó­ria da pró­pria evo­lu­ção des­ta ma­qui­na­ria e da for­ma co­mo nós, que pu­se­mos o “pes­so­al” no “com­pu­ta­dor pes­so­al”, mu­dá­mos com ela. Um aba­lo tec­tó­ni­co re­tra­ta­do por Fri­e­dlan­der na sua sé­rie At Work, fo­to­gra­fi­as de uma Amé­ri­ca na fá­bri­ca, na pa­da­ria, na for­ja me­câ­ni­ca, mas tam­bém no es­cri­tó­rio, co­mo uma sequên­cia de ros­tos con­ge­la­dos, e al­go so­rum­bá­ti­cos, fren­te a um ecrã. Jo­a­na Ama­ral Car­do­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.