47 anos de­pois che­ga Maya An­ge­lou

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ela não con­se­guia lem­brar­se do res­to do po­e­ma; dois ver­sos e mais na­da. E o es­que­ci­men­to não me­lho­ra­va quan­do ou­via o ri­so dos co­le­gas da Igre­ja Me­to­dis­ta Epis­co­pal de Pes­so­as de Cor. Ela era as­sim, es­que­cia-se mui­to e es­ta­va en­ver­go­nha­da no seu ves­ti­do no­vo de ta­fe­tá, feio, que an­tes acha­ra bo­ni­to e viu co­mo um meio pa­ra a sua re­den­ção pes­so­al. “En­quan­to ob­ser­va­va a Mãe­zi­nha a pôr fo­lhos na bai­nha e umas pre­gui­nhas bo­ni­tas na cin­tu­ra, sou­be que, as­sim que o ves­tis­se, iria pa­re­cer uma es­tre­la de ci­ne­ma. (Era de se­da, o que com­pen­sa­va a cor hor­ro­ro­sa.) Eu ia pa­re­cer uma da­que­las me­ni­nas bran­cas e gra­ci­o­sas, que en­car­na­vam tu­do o que ha­via de bom no mun­do, o ide­al de to­da a gen­te. De­li­ca­da­men­te pou­sa­do em ci­ma da má­qui­na de cos­tu­ra Sin­ger pre­ta, o ves­ti­do era má­gi­co, e, quan­do as pes­so­as me vis­sem com ele, vi­ri­am ter co­mi­go a cor­rer e di­ri­am: ‘Mar­gue­ri­te [...] por fa­vor per­doa-nos, não sa­bía­mos quem eras’, e eu res­pon­de­ria, ge­ne­ro­sa­men­te: ‘Não, não po­di­am sa­ber. É cla­ro que vos per­doo.’” Ela é a per­so­na­gem cen­tral do ro­man­ce au­to­bi­o­grá­fi­co Sei Por­que Can­ta o Pás­sa­ro, de Maya An­ge­lou, que a An­tí­go­na faz che­gar à edi­ção por­tu­gue­sa es­te Se­tem­bro quan­do pas­sam 47 anos da pu­bli­ca­ção ori­gi­nal.

O vo­lu­me con­ta os pri­mei­ros 17 anos da vi­da de Maya An­ge­lou, no­me li­te­rá­rio de Mar­gue­ri­te Ann John­son, ro­man­cis­ta, po­e­ta e ac­ti­vis­ta que in­te­grou o mo­vi­men­to dos di­rei­tos ci­vis na Amé­ri­ca ao lado de Mar­tin Luther King. Al­guém que an­tes de ser es­cri­to­ra fez de qua­se tu­do pa­ra so­bre­vi­ver. Foi co­zi­nhei­ra, pros­ti­tu­ta, até se for­mar em es­tu­dos ame­ri­ca­nos na Uni­ver­si­da­de da Ca­ro­li­na do Nor­te em 1982. Em 1993, de­cla­mou o seu po­e­ma On The Pul­se of Mor­ning na ce­ri­mó­nia de to­ma­da de pos­se de Bill Clin­ton. Mor­reu em 2014, aos 86 anos, con­si­de­ra­da um dos no­mes fun­da­men­tais da li­te­ra­tu­ra nor­te-ame­ri­ca­na, mas per­ma­ne­ce qua­se des­co­nhe­ci­da em Por­tu­gal. O li­vro é um dos des­ta­ques des­te mês que mar­cam o iní­cio da ren­trée li­te­rá­ria em Por­tu­gal.

É tempo de no­vi­da­des, al­gu­mas es­pe­ra­das. Che­ga o ro­man­ce ven­ce­dor do Pu­lit­zer de fic­ção em 2016, A Es­tra­da Sub­ter­râ­nea, de Col­son Whi­tehe­ad (Al­fa­gua­ra), nar­ra­ti­va que re­cons­ti­tui os anos de es­cra­va­tu­ra nos EUA; a Re­ló­gio d’Água pu­bli­ca Um Deus em Ruí­nas, da bri­tâ­ni­ca Ka­te At­kin­son (Cos­ta Award, 2015); Ho­mens Sem Mu­lhe­res, con­tos de Ha­ru­ki Mu­ra­ka­mi (Ca­sa das Le­tras) che­ga a 19, o mes­mo dia da pri­mei­ra edi­ção em por­tu­guês de O Es­cri­tor Fan­tas­ma, de Phi­lip Roth (D. Qui­xo­te), ro­man­ce de 1979, o pri­mei­ro da sé­rie que o es­cri­tor de­di­cou a um dos seus al­ter-egos, Nathan Zuc­ker­man. Ain­da na D. Qui­xo­te, vol­ta Lis­beth Sa­lan­der em O Ho­mem que Per­se­guia a sua Som­bra, de Da­vid La­ger­crantz, quin­to vo­lu­me da sa­ga Mil­len­nium, ini­ci­a­da por Sti­eg Lars­son. José Ro­dri­gues dos Santos tem no­vo li­vro, a 23, O Rei­no do Meio, úl­ti­mo li­vro da Tri­lo­gia do Ló­tus. Ain­da a con­ti­nu­a­ção da pu­bli­ca­ção da obra de Edu­ar­do Ga­le­a­no pe­la An­tí­go­na, com O Ca­ça­dor de His­tó­ri­as, e, na Qu­et­zal, O Ca­mi­nho Im­per­fei­to, li­vro de vi­a­gens de José Luís Pei­xo­to.

Sur­pre­sa de sau­dar é a pu­bli­ca­ção de Um Amor Fe­liz, do ale­mão Hu­bert Fi­ch­te, pe­la Co­to­via, nu­ma tra­du­ção de José Vi­ei­ra Men­des. É a vi­a­gem de dois ir­mãos, em 1964, a um país go­ver­na­do por um di­ta­dor. Es­se país é Por­tu­gal. Des­ta­que ain­da em Se­tem­bro pa­ra Oc­ta­e­dro, de Ju­lio Cor­tá­zar, O Ga­lo de Ou­ro, de Ju­an Rul­fo, e A Por­ta, de Mag­da Sza­bó (Ca­va­lo de Fer­ro); Ra­paz, Ne­ve, Ave, de He­len Oyeye­mi (El­si­no­re), a re­e­di­ção de Éba­no, de Rys­zard Ka­pus­cins­ki (Li­vros do Bra­sil). En­tre os aguar­da­dos por mui­tos lei­to­res está Es­cu­tai as Nos­sas Der­ro­tas, do fran­cês Lau­rent Gau­dé (Sex­tan­te), ro­man­ce cen­tra­do na gu­er­ra co­mo uma cons­tan­te ci­vi­li­za­ci­o­nal ao lon­go dos tem­pos.

Co­mo acon­te­ce qua­se to­dos os anos, em Ou­tu­bro há um no­vo ro­man­ce de An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes. Cha­ma-se Até que as Pe­dras se Tor­nem Mais Le­ves que a Água (D. Qui­xo­te). Tam­bém em por­tu­guês, sa­li­en­te-se a pu­bli­ca­ção pe­la Co­to­via do ro­man­ce Tempo de Es­pa­lhar Pe­dras, de Es­te­vão Aze­ve­do, um re­tra­to pun­gen­te da de­su­ma­ni­za­ção no Bra­sil ac­tu­al; e de Es­pa­nha che­ga Bai­le e So­nho, se­gun­do vo­lu­me da tri­lo­gia O Teu Ros­to Ama­nhã, uma das obras mai­o­res de Ja­vi­er Ma­rías (Al­fa­gua­ra). O ter­cei­ro, Ve­ne­no e Som­bra, tem saí­da agen­da­da pa­ra No­vem­bro. Da es­co­ce­sa Ali Smith che­ga How to Be Both (ain­da sem tí­tu­lo em por­tu­guês), li­vro que na ver­da­de é um ro­man­ce em du­as ver­sões e foi fi­na­lis­ta de vá­ri­os pré­mi­os, en­tre eles o Man Bo­o­ker, e ven­ceu o Cos­ta Award em 2014. É nar­ra­da na pers­pec­ti­va de um es­tu­dan­te uni­ver­si­tá­rio ac­tu­al e de um jo­vem re­nas­cen­tis­ta. Mais um no­tá­vel exem­plo da ca­pa­ci­da­de nar­ra­ti­va de Smith.

Tam­bém em Ou­tu­bro, o mês com mais lan­ça­men­tos agen­da­dos, além do ter­cei­ro vo­lu­me das obras de Ga­le­a­no, Mu­lhe­res, An­tí­go­na pu­bli­ca Ba­leia, uma no­ve­la de Paul Ga­den­ne, e Eu­ro­pe­a­na, Uma Bre­ve His­tó­ria do Sé­cu­lo XX, de Pa­trik Ou­red­nik. E su­bli­nhe-se um tí­tu­lo da Qu­et­zal: O Li­vro de Em­ma Reyes - Me­mó­ria por Cor­res­pon­dên­cia, da pin­to­ra co­lom­bi­a­na Em­ma Reyes (1919-2003). Um li­vro que que­bra as re­gras da me­mó­ria con­ven­ci­o­nal pa­ra se con­tar o que des­cre­ve co­mo um ta­len­to aci­den­tal.

Outro des­ta­que é o li­vro do fran­cês Em­ma­nu­el Bo­ve (18981945), Os Meus Ami­gos (Co­to­via), e da Ar­gen­ti­na che­ga Dis­tân­cia de Se­gu­ran­ça, da es­cri­to­ra Sa­man­ta Schwe­blin (El­si­no­re). O No­bel ja­po­nês Ken­za­bu­ro Oe sur­ge com uma his­tó­ria au­to­bi­o­grá­fi­ca, Mor­te pe­la Água (Li­vros do Bra­sil), e, na Dom Qui­xo­te, há o mais re­cen­te tí­tu­lo de John Le Car­ré, Um Le­ga­do de Es­piões, que mar­ca o re­gres­so do agen­te Smi­ley; Is­so Não Po­de Acon­te­cer Aqui, do No­bel Sin­clair Lewis, e Con­tos, de Lam­pe­du­sa. A Asa traz um no­vo de Ar­tu­ro Pé­rezRe­ver­te, Fal­có, e um dos li­vros do mês da Re­ló­gio d’Água é A Au­to­bi­o­gra­fia de Ali­ce B. To­klas, de Ger­tru­de Stein (tam­bém pu­bli­ca­da pe­la Pon­to de Fu­ga, es­te Se­tem­bro). É uma me­mó­ria da

No­vos ro­man­ces de Hé­lia Cor­reia, Dul­ce

M. Car­do­so, An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes e Má­rio

re­la­ção da es­cri­to­ra ame­ri­ca­na com a sua com­pa­nhei­ra de to­da a vi­da. Ro­sa Man­te­ro tem um ro­man­ce no­vo na Por­to Edi­to­ra, A Car­ne, e de outro es­pa­nhol, Ja­vi­er Cer­cas, te­mos O Mo­nar­ca das Som­bras (As­sí­rio & Al­vim). Cer­cas pe­ga nu­ma his­tó­ria fa­mi­li­ar pa­ra ir até à Gu­er­ra Ci­vil Es­pa­nho­la.

Pa­ra No­vem­bro re­ser­vam-se al­gu­mas das obras mais aguar­da­das em por­tu­guês des­ta ren­trée. Na Tin­ta-da-chi­na, o no­vo ro­man­ce de Dul­ce Ma­ria Car­do­so — com tí­tu­lo por re­ve­lar. É o pri­mei­ro da es­cri­to­ra de­pois do ce­le­bra­do O Re­tor­no (2012). Tam­bém Hé­lia Cor­reia tem um ro­man­ce pa­ra pu­bli­car: Um Bai­la­ri­no na Ba­ta­lha é o re­gres­so da ven­ce­do­ra do pré­mio Ca­mões ao gran­de for­ma­to des­de 2010, ano em que pu­bli­cou Ado­e­cer. Sai na Re­ló­gio d’Água.

Ka­laf Epa­lan­ga, no­me do co­nhe­ci­do can­tor do gru­po Bu­ra­ka Som Sis­te­ma, te­rá um ro­man­ce na Ca­mi­nho, com tí­tu­lo ain­da por co­nhe­cer, e, na mes­ma chan­ce­la, San­dro Wil­li­am Jun­quei­ra pu­bli­ca Quan­do as Gi­ra­fas Bai­xam o Pes­co­ço, es­pé­cie de fá­bu­la ci­ta­di­na. En­tre­tan­to, a Qu­et­zal con­ti­nua a re­pu­bli­car a obra de José Edu­ar­do Agua­lu­sa, a Re­ló­gio d’Água a de Agus­ti­na Bes­sa-Luís e a Por­to Edi­to­ra a de José Sa­ra­ma­go. A Tin­ta-da-chi­na anun­cia um no­vo li­vro de Ri­car­do Araú­jo Pe­rei­ra.

Um dos des­ta­ques de No­vem­bro vai jus­ta­men­te pa­ra a Tin­ta-da­chi­na: na sua co­lec­ção de vi­a­gens pu­bli­ca Cons­tan­ti­no­pla, de Ed­mon­do de Ami­cis. Se­rá a pri­mei­ra edi­ção in­te­gral em Por­tu­gal des­te clás­si­co do sé­cu­lo XIX, nu­ma tra­du­ção de Mar­ga­ri­da Pe­ri­qui­to a par­tir do ita­li­a­no. É o mes­mo mês em que che­ga A Se­de, do no­ru­e­guês Jo Nes­bo, e A Tré­gua, de Pri­mo Le­vi (Dom Qui­xo­te). A El­si­no­re traz ro­man­ce de Paul Be­atty que an­te­ce­deu O Ven­di­do. Cha­ma-se A Dan­ça do Ra­paz Bran­co. Na Por­to Edi­to­ra, há Isa­bel Al­len­de, Pa­ra lá do In­ver­no, e Ve­ra­cruz, de Oli­vi­er Ro­land, na Sex­tan­te. E em De­zem­bro sai na Re­ló­gio d’Água o mais re­cen­te e ce­le­bra­do li­vro de Ka­mi­la Sham­sie. O tí­tu­lo ori­gi­nal é Ho­me Fi­re eé uma ac­tu­a­li­za­ção da An­tí­go­na, de Só­fo­cles. As re­la­ções so­ci­ais, fa­mi­li­a­res e de fé no mun­do con­tem­po­râ­neo.

E, não é no­vo, mas a tra­du­ção é uma no­vi­da­de: Os De­tec­ti­ves Sel­va­gens, de Roberto Bo­laño, sa­em nu­ma edi­ção es­pe­ci­al, re­vis­ta, au­men­ta­da, na Qu­et­zal.

de Car­va­lho mar­cam a fic­ção na­ci­o­nal.

Che­ga a Por­tu­gal uma gran­de me­mo­ri­a­lis­ta:

Maya An­ge­lou. Por Isa­bel Lu­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.