A vi­da de An­ne Frank con­tra tem­pos som­bri­os

Publico - Ipsilon - - Sumário - José Mar­me­lei­ra, em Pa­ris

Uma adap­ta­ção fi­el ao li­vro. Des­cre­va-se as­sim a ver­são em ban­da de­se­nha­da de O Diá­rio de An­ne Frank, re­a­li­za­da pe­lo ci­ne­as­ta Ari Fol­man e o ilus­tra­dor Da­vid Po­lonsky, que no pró­xi­mo dia 21 che­ga às li­vra­ri­as por­tu­gue­sas com o se­lo da Por­to Edi­to­ra. Não aguar­dem os lei­to­res gran­des ex­pe­ri­men­ta­ções em ter­mos te­má­ti­cos ou for­mais. As sequên­ci­as, o es­ti­lo de de­se­nho, as vi­nhe­tas e os ba­lões ade­quam-se à lei­tu­ra tra­di­ci­o­nal de um li­vro de BD, pro­cu­ram ilus­trar, so­bre o pa­pel, aqui­lo que a jo­vem An­ne Frank es­cre­veu, num pe­que­no ca­der­no, en­tre 12 de Ju­nho de 1942 e 1 de Agos­to de 1944. Não há des­vi­os, omis­sões ou no­vi­da­des nes­ta ver­são, a pri­mei­ra em ban­da de­se­nha­da au­to­ri­za­da pe­la Fun­da­ção An­ne Frank. Nas su­as pá­gi­nas, es­tão re­pre­sen­ta­dos o quo­ti­di­a­no no ane­xo se­cre­to de Ames­ter­dão, as re­la­ções da jo­vem com os pais, os pri­mei­ros ar­rou­bos da ado­les­cên­cia, o hu­mor, o me­do, a gu­er­ra e a ame­a­ça da mor­te. Re­cor­ren­do à lin­gua­gem da ban­da de­se­nha­da, os dois ar­tis­tas con­ser­va­ram o re­tra­to da in­ti­mi­da­de de uma ra­pa­ri­ga ju­dia sob a es­cu­ri­dão da Eu­ro­pa. A fim de a vol­tar a lem­brar.

O re­en­con­tro de Ari Fol­man e Da­vid Po­lonksy com O Diá­rio de An­ne Frank não se deu sem dú­vi­das e re­des­co­ber­tas, co­mo am­bos re­ve­la­ram na apre­sen­ta­ção do li­vro em Pa­ris, na Mai­son de la Poé­sie no iní­cio do mês. A du­pla, que já se reu­ni­ra em Val­sa com Bashir (2008) e em O Con­gres­so (2013) — Po­lonk­si foi res­pon­sá­vel pe­la di­rec­ção ar­tís­ti­ca dos dois fil­mes de Fol­man — co­me­çou por re­jei­tar o de­sa­fio da fun­da­ção. A abun­dân­cia de adap­ta­ções (al­gu­mas pou­co re­co­men­dá­veis), a po­pu­la­ri­da­de do diá­rio, a pre­sen­ça icó­ni­ca de An­ne Frank, a sua apro­pri­a­ção pe­la cul­tu­ra pop de­sa­con­se­lha­vam a aven­tu­ra que pre­via, tam­bém, a

Con­ce­bi­da por Ari Fol­man e Da­vid Po­lonsky, a mais re­cen­te adap­ta­ção em BD de O Diá­rio de An­ne Frank põe as ima­gens em diá­lo­go com as pa­la­vras, pa­ra ofe­re­cer o re­tra­to de um quo­ti­di­a­no mar­ca­do pe­lo de­ses­pe­ro, o hu­mor, a iro­nia e o gos­to pe­la be­le­za.

pro­du­ção de um fil­me de ani­ma­ção.

Aos pou­cos fo­ram re­con­si­de­ran­do. “Par­ti­lhei as dú­vi­das com a mi­nha mãe. Ela tem 95 anos e dis­se-me que ia vi­ver mais uns anos só pa­ra as­sis­tir à es­treia nas sa­las de ci­ne­ma”, con­tou Fol­man. “So­bre­vi­veu ao Ho­lo­caus­to, tal co­mo o meu pai. É um acon­te­ci­men­to que faz par­te da his­tó­ria da mi­nha fa­mí­lia, está en­tra­nha­do meu ADN. Aca­bei por acei­tar. Não re­sis­ti.” Po­lonsky en­trou em sin­to­nia com ami­go, ain­da que por ou­tras ra­zões. “Nas­ci na an­ti­ga URSS, a mi­nha fa­mí­lia não se con­fron­tou com o na­zis­mo, mas os tó­pi­cos abor­da­dos por An­ne Frank con­ti­nu­am a ser mui­to im­por­tan­tes e quis ver até on­de po­día­mos ir na sua tra­du­ção pa­ra ou­tras lin­gua­gens. Por outro lado, es­tou cer­to que se não fôs­se­mos nós, ou­tros aca­ba­ri­am por abra­çar o pro­jec­to”.

A be­le­za con­tra o ter­ror

Em Pa­ris, Fol­man in­sis­tiu vá­ri­as ve­zes na pa­la­vra mis­são. Que­ria tra­du­zir gra­fi­ca­men­te O Diá­rio de An­ne Frank e le­vá-lo aos lei­to­res mais jo­vens. Pa­ra que fi­cas­sem a co­nhe­cer o con­tex­to po­lí­ti­co e histórico em que o diá­rio foi es­cri­to, pa­ra que se con­fron­tas­sem com as per­se­gui­ções na­zis, com o Ho­lo­caus­to, o ter­ror da gu­er­ra, a fo­me e a vi­o­lên­cia na Eu­ro­pa. Não fal­tam pran­chas que ilus­tram es­tas re­a­li­da­des co­mo An­ne Frank as ima­gi­nou e re­la­tou nos anos que vi­veu se­pa­ra­da do mun­do, em re­clu­são no ane­xo que o seu pai, Ot­to Frank, cons­truiu. Acon­te­ce que nes­ta adap­ta­ção, os dois ar­tis­tas de­ci­di­ram res­sal­tar os pen­sa­men­tos, o hu­mor, a re­bel­dia da jo­vem (no seu in­con­for­mis­mo pres­sen­te-se já a in­qui­e­ta­ção que nos anos 60 agi­ta­ria a ju­ven­tu­de da Eu­ro­pa e dos EUA). Pa­ra tal, uma das es­tra­té­gi­as pas­sou por pre­ser­var, com frequên­cia, as pa­la­vras, co­mo aque­las que po­de­mos ler na pá­gi­na 113, a pro­pó­si­to da per­ma­nên­cia da be­le­za con­tra a des­gra­ça e a mor­te. Diá­rio de An­ne Frank Ari Fol­man e Da­vid Po­lonsky (Trad. El­sa T.S. Vi­ei­ra) Por­to Edi­to­ra Ou­se-se, en­tão, a per­gun­ta: re­flec­ti­rá es­te li­vro a con­cep­ção que An­ne Frank nos dei­xou da be­le­za?

“Es­pe­ro que sim”, diz Ari Fol­man. “Pen­so, por ve­zes, que a per­cep­ção ge­ral das pes­so­as em re­la­ção à Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al e ao Ho­lo­caus­to é a de que nes­ses tem­pos não ha­via vi­da. Quan­do pen­sa­mos na vi­da nos gue­tos ju­deus, só a con­ce­be­mos par­tir de ima­gens de cor­pos nas ru­as ou da fo­to­gra­fia da cri­an­ça de bra­ços no ar no gue­to de Var­só­via. Sa­be co­mo os meus pais se co­nhe­ce­ram? A mi­nha mãe vi­via no gue­to de Lodz [na Po­ló­nia], ti­nha 16 anos, quan­do re­pa­rou num jo­vem que aca­ba­ra de en­trar com a sua fa­mí­lia. Sa­be porquê? Por­que ele, além de ser bo­ni­to [ri­sos], car­re­ga­va a sua ca­ma com a aju­da do por­tei­ro. Ela te­rá di­to a uma ami­ga al­go co­mo ‘es­te ho­mem tem a co­ra­gem de tra­zer a sua ca­ma pa­ra o gue­to! Hei-de ca­sar com ele!’ E, qua­tro anos de­pois, ca­sou. No Diá­rio de An­ne Frank a vi­da tam­bém está re­pre­sen­ta­da e é mui­to bo­ni­to o mo­do co­mo a An­ne Frank a ob­ser­va. Pen­so que nos en­vol­ve­mos mui­to com es­se lado, aten­tos as con­jun­to das per­so­na­gens, ao mo­do co­mo se ves­ti­am, àqui­lo que sen­ti­am, às su­as idi­os­sin­cra­si­as. Nor­mal­men­te, quan­do se lê o li­vro, não se pen­sa nis­to, mas no ini­mi­go que aguar­da lá fo­ra. E so­mos mui­to in­flu­en­ci­a­dos pe­lo fac­to de sa­ber­mos co­mo a his­tó­ria aca­ba.”

A vi­da de An­ne Frank no diá­rio grá­fi­co de Ari Fol­man e Da­vid Po­lonksy aco­lhe os an­sei­os, as es­pe­ran­ças e me­dos dos ha­bi­tan­tes do ane­xo (a ir­mã e os pais de An­ne, a fa­mí­lia van Da­am, o den­tis­ta Al­bert Dus­sel), ilus­tra os de­sen­ten­di­men­tos do­més­ti­cos, as pe­ri­pé­ci­as pro­vo­ca­das pe­la fal­ta de ali­men­tos ou pe­la ame­a­ça dos la­drões e das de­nún­ci­as. Che­ga mes­mo a en­fa­ti­zar a di­fi­cul­da­de das re­la­ções in­ter­pes­so­ais, o su­fo­co a que a vi­da pri­va­da é su­jei­ta sem a li­ber­da­de de uma vi­da pú­bli­ca (as per­so­na­gens vi­vem sem espaço en­tre elas). O li­vro não se fur­ta ao de­ses­pe­ro, mas con­tra­ria-o, ilus­tran­do o hu­mor e a iro­nia da pró­pria An­ne Frank, hu­ma­ni­zan­do o dra­ma das fa­mí­li­as (ve­jam-se as pá­gi­nas 80-81 ou 127). E pa­ra o equi­lí­brio des­ta re­la­ção, mui­to con­tri­buiu a sen­si­bi­li­da­de de Fol­man e de Po­lonsky à es­cri­ta da jo­vem.

En­tre as pa­la­vras e as ima­gens

“En­quan­to re­lía­mos o diá­rio, fo­mos re­pa­ran­do na qua­li­da­de da es­cri­ta. Era boa li­te­ra­tu­ra”, con­ta Da­vid Po­lonsky. “Co­mo ilus­tra­dor, te­nho uma re­gra. Quan­do o tex­to é bom, não se de­se­nha. Por is­so, o leitor en­con­tra tan­tas ma­chas de tex­to. Uma das ra­ras oca­siões em que não se­gui a re­gra acon­te­ceu quan­do a An­ne Frank usa a me­tá­fo­ra pa­ra des­cre­ver o iso­la­men­to no ane­xo [pá­gi­nas 86-87]. É

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.