A voz dos Ore­lha Ne­gra é ca­da vez mais au­dí­vel

Publico - Ipsilon - - Sumário - Ví­tor Be­lan­ci­a­no

Não é um pro­ces­so rá­pi­do mas os Ore­lha Ne­gra não pres­cin­dem de­le. O pri­mei­ro ál­bum foi lan­ça­do em 2010, de­pois de um con­cer­to no Mu­sicBox em Lis­boa e, o se­gun­do, em 2012, de­pois de um es­pec­tá­cu­lo no Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém. Ou se­ja, op­tam por fa­zer con­cer­tos de apre­sen­ta­ção dos dis­cos ain­da an­tes des­tes es­ta­rem fi­na­li­za­dos. O mes­mo acon­te­ceu com o no­vo, edi­ta­do ho­je, e que tal co­mo os ou­tros é ho­mó­ni­mo.

Em Ja­nei­ro do ano pas­sa­do, de­ram dois con­cer­tos (Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém em Lis­boa e Hard-Club no Por­to), on­de já to­ca­ram os te­mas ago­ra dis­po­ní­veis, em­bo­ra com rou­pa­gens e op­ções so­no­ras di­fe­ren­tes. Ago­ra, fi­nal­men­te, eis o ter­cei­ro ál­bum fi­na­li­za­do. “Foi um pro­ces­so mais de­mo­ra­do do que es­tá­va­mos à es­pe­ra, por­que ini­ci­al­men­te não ha­via edi­to­ras en­vol­vi­das nem pra­zos. Tam­bém por ou­tras cir­cuns­tân­ci­as, co­mo a mor­te de du­as pes­so­as que nos eram pró­xi­mas, além dos afa­ze­res de ca­da um. As coi­sas fo­ram-se atra­san­do, mas fi­ze­mos tu­do com a cal­ma ne­ces­sá­ria, o que aca­bou por ser bom”, es­cla­re­ce Fred Fer­rei­ra.

Es­ta sex­ta-fei­ra, no festival Imi­nen­te de Oei­ras (que de­cor­re até do­min­go, com ar­te ur­ba­na e, en­tre ou­tros, com ses­sões DJ e con­cer­tos de Slow J, Scú­ru Fit­chá­du, Th­ro­es + Shi­ne, Ca­pi­tão Faus­to, Bran­ko, Mar­fox, Xi­no­bi + Moul­li­nex, Bru­no Per­na­das, Ca­pi­cua, Car­mi­nho, Chul­la­ge, Rocky Mar­si­a­no, DJ Ri­de ou Hal­lowe­en), lá es­ta­rão Fred Fer­rei­ra (ba­te­ria), João Go­mes (te­clas), Fran­cis­co Re­be­lo (bai­xo), Sam The Kid (sam­ples, sin­te­ti­za­do­res) e Cruz­fa­der ( gi­ra-dis­cos) pa­ra to­car o no­vo dis­co e não só.

Dir-se-ia que na mú­si­ca do gru­po exis­te re­cri­a­ção do pas­sa­do, mas não ape­nas pa­ra o ce­le­bra­rem, trans­for­man­do-o nu­ma ex­ci­tan­te aven­tu­ra no pre­sen­te, nu­ma al­tu­ra em que a mú­si­ca fei­ta em Por­tu­gal já não é do­mi­na­da de for­ma he­ge­mó­ni­ca pe­lo rock. Os efei­tos glo­bais da cul­tu­ra hip-hop e R&B e as su­ces­si­vas va­gas de mis­ci­ge­na­ção so­no­ra (do ku­du­ro ao afro-hou­se) dos úl­ti­mos dez anos vi­e­ram al­te­rar pro­fun­da­men­te o pa­no­ra­ma, co­mo se cons­ta­ta aliás pe­la com­po­si­ção do car­taz do festival Imi­nen­te, com cu­ra­do­ria do ar­tis­ta Ale­xan­dre Far­to (Vhils).

“O que va­mos apre­sen­tar no festival está mais de acor­do com o no­vo dis­co, num con­cer­to de mú­si­cas no­vas, an­ti­gas e me­dleys, mas ain­da não se­rá o acres­cen­to fi­nal que só ire­mos dar a co­nhe­cer nos pró­xi­mos me­ses, até por­que a par­te vi­su­al, tal co­mo a so­no­ra, se­rá um pou­co di­fe­ren­te no fi­nal do ano.” Ou se­ja, é co­mo se o gru­po es­ti­ves­se a tra­ba­lhar em per­ma­nên­cia os no­vos te­mas, num tra­ba­lho que pa­re­ce nun­ca ter fim.

Fred Fer­rei­ra ri-se. “Pa­ra nós aca­ba por ser con­for­tá­vel es­sa for­ma de ope­rar. Agra­da-nos mar­car um con­cer­to de apre­sen­ta­ção com 90% das mú­si­cas fei­tas e de­pois ir pa­ra es­tú­dio com­por com tu­do o que achá­va­mos que era ne­ces­sá­rio, da mes­ma for­ma que es­ta­mos con­for­tá­veis em to­car de­pois as mú­si­cas mais de acor­do com o re­sul­ta­do fi­na­li­za­do em dis­co.”

O pro­ces­so in­te­res­sa, mas o que con­ta no fim de con­tas é o re­sul­ta­do. E nes­te ca­so é mais do que con­vin­cen­te, com o quin­te­to a de­vol­ver­nos mais uma mão cheia de bons te­mas ins­tru­men­tais, com mo­ti­vos vo­cais, al­guns de­les não mui­to dis­tan­tes da es­tru­tu­ra de can­ção. Há frag­men­tos vo­cais de soul, ar­ran­jos lu­mi­no­sos que nos trans­por­tam pa­ra a épo­ca dou­ra­da do funk e um en­vol­vi­men­to so­no­ro glo­bal on­de as téc­ni­cas de cor­te-e-co­la do hiphop se mis­tu­ram com um edi­fí­cio só­ni­co or­gâ­ni­co que por ve­zes é en­vol­ven­te, ou­tras cós­mi­co e ou­tras avi­zi­nhan­do-se do épi­co.

Por nor­ma o que de­sen­ca­deia a fei­tu­ra dos te­mas é um mo­ti­vo so­no­ro ou vo­cal, em for­ma de sam­ple, sen­do a par­tir daí que o edi­fí­cio se vai pro­du­zin­do. Daí po­dem re­sul­tar te­mas que pa­re­cem cap­tar o es­pí­ri­to “dis­co” dos anos 1970 ( Sky­lab, Ost), ou pro­cu­rar cru­za­men­tos de hip-hop com rock ( A som­bra, Par­te de mim) ou blu­es ( Re­ady), ou até evo­car mo­men­tos de in­ti­mi­da­de ( Clai­re, San­ta ela), e tu­do de­sem­bo­car nu­ma can­ção clás­si­ca soul-funk de be­lo efei­to ( Úl­ti­ma vol­ta). “To­das as nos­sas pes­qui­sas vão no sen­ti­do do hip-hop e da soul, por­que es­sa aca­ba por ser a iden­ti­da­de, mas tam­bém exis­tem re­fe­rên­ci­as do rock, prin­ci­pal­men­te dos anos 70 e 80”, ex­pli­ca Fred. “Nes­te dis­co acon­te­ceu jun­tar­mos idei­as de mú­si­cas di­fe­ren­tes nu­ma só. Ou se­ja, pe­gar em sam­ples de mú­si­cas dis­tin­tas em que ha­vía­mos tra­ba­lha­do e jun­tar tu­do nu­ma só.”

To­dos os in­ter­ve­ni­en­tes no pro­jec­to têm ou­tros afa­ze­res. Sam e Cruz­fa­der têm os seus per­cur­sos so­li­tá­ri­os, além de se­rem al­vo de mui­tas co­la­bo­ra­ções. Fred to­ca com Slow J, in­te­gra a Ban­da do Mar, além de ter es­tú­dio e edi­to­ra pró­pria, pro­du­zin­do vá­ri­os no­mes. João e Fran­cis­co já se en­con­tra­ram nos Co­ol Hip­noi­se, fa­zen­do ho­je par­te de vá­ri­as for­ma­ções, co­mo os Cais do So­dré Funk Con­nec­ti­on ou Fo­go-Fo­go.

No en­tan­to, quan­do se jun­tam é co­mo se as su­as iden­ti­da­des se di­luís­sem pa­ra fa­zer so­bres­sair a ideia Ore­lha Ne­gra, daí que, das fo­to­gra­fi­as à mú­si­ca, fi­zes­sem ques­tão de vin­car que o que in­te­res­sa é o co­lec­ti­vo. No no­vo dis­co, mais uma vez, al­guns apon­ta­men­tos vo­cais que se ou­vem são re­pes­ca­dos de dis­cos obs­cu­ros. Mas des­ta fei­ta es­sas vo­zes pa­re­cem ga­nhar um no­vo sig­ni­fi­ca­do, apro­xi­man­do a mú­si­ca do gru­po, mais do que nun­ca, do sen­ti­do clás­si­co da can­ção, em­bo­ra a com­bus­tão con­ti­nua a ser a mes­ma de sem­pre, com ele­men­tos sol­tos de funk, jazz, soul e hip-hop, a ali­a­rem-se pa­ra com­po­rem uma má­qui­na de rit­mos e am­bi­en­tes con­tem­po­râ­ne­os atin­gi­dos pe­la me­mó­ria da mú­si­ca ne­gra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.