Ra en­go­lir e re­gur­gi­tar

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Foi o de­se­jo que pri­mei­ro lan­çou a co­reó­gra­fa Ta­ma­ra Cu­bas na di­rec­ção das três pe­ças que com­põem a sua Tri­lo­gia An­tro­po­fá­gi­ca. O de­se­jo por­que era um im­pe­ra­ti­vo fí­si­co de se en­vol­ver com as cri­a­ções de Mar­ta So­a­res, Mar­ce­lo Eve­lin e Lia Ro­dri­gues. Tan­to as­sim que a von­ta­de de Ta­ma­ra era co­mê-las. En­tre­gou-se tan­to a ca­da uma des­sas três pe­ças/ per­for­man­ces que que­ria tra­gá-las, car­re­gá-las con­si­go, que fi­zes­sem re­al­men­te par­te de si.

Es­se im­pul­so e o de­se­nho em bru­to do ges­to já lhe es­ta­vam en­tra­nha­dos no cor­po quan­do co­me­çou a pes­qui­sar as for­mas de apro­xi­ma­ção a Ves­tí­gi­os (Mar­ta So­a­res), Ma­ta­dou­ro (Mar­ce­lo Eve­lin) e Po­ro­ro­ca (Lia Ro­dri­gues). Já em Mul­ti­tud (2011) e em Pu­to Gal­lo Con­quis­ta­dor (2014), o olhar de Ta­ma­ra Cu­bas era atraí­do pe­la “re­la­ção com o po­der, a re­la­ção com o outro, a pos­si­bi­li­da­de de he­te­ro­ge­nei­da­de no co­lec­ti­vo”, a “de­so­ci­den­ta­li­za­ção” e o es­ca­ra­fun­char nas fe­ri­das do co­lo­ni­a­lis­mo. E an­da­va en­tão a ro­de­ar-se das pa­la­vras de Es­pi­no­sa e so­bre a ca­pa­ci­da­de de afec­tar o outro, a pri­mei­ra das pis­tas que que­ria de­sen­vol­ver na sua tri­lo­gia. Fal­ta­va-lhe, no en­tan­to, a por­ta de en­tra­da pa­ra as pe­ças, o mo­tor con­cep­tu­al que pu­des­se em­pres­tar uma for­ma e su­ge­rir um mé­to­do.

E foi es­sa por­ta de en­tra­da que des­co­briu nu­ma con­fe­rên­cia e no pos­te­ri­or con­tac­to com a in­ves­ti­ga­do­ra bra­si­lei­ra Su­ely Rol­nik. E foi pe­la mão de Rol­nik que Ta­ma­ra che­gou à bo­ca. Ou se­ja, atra­vés do tra­ba­lho da in­ves­ti­ga­do­ra, a co­reó­gra­fa foi em­pur­ra­da até es­bar­rar com a an­tro­po­fa­gia, tal co­mo re­cu­pe­ra­da pe­los ar­tis­tas bra­si­lei­ros que na dé­ca­da de 1920 se ena­mo­ra­ram com o mo­der­nis­mo e des­co­bri­ram nos ín­di­os tu­pi­nam­bás e nas su­as prá­ti­cas au­to­fá­gi­cas um mo­te teó­ri­co ca­paz de sus­ten­tar a ar­te que quei­ram pro­du­zir e lan­çar pa­ra o mun­do — ins­pi­ra­da no que acon­te­cia na Eu­ro­pa, mas en­go­lin­do-a e de­sen­vol­ven­do-a de acor­do com um con­tex­to lo­cal. “Su­ely plan­tou em mim as no­ções de an­tro­po­fa­gia co­mo uma so­lu­ção, co­mo um pon­to de vis­ta pa­ra pen­sar as re­la­ções en­tre as pes­so­as”, con­ta Ta­ma­ra Cu­bas ao Íp­si­lon. Em gran­de par­te por­que “os ín­di­os tu­pi­nam­bás têm uma re­la­ção mui­to in­te­res­san­te com a an­tro­po­fa­gia — eles co­mem o outro por­que re­co­nhe­cem que o outro po­de mo­di­fi­cá-lo, re­co­nhe­cem a qua­li­da­de de afec­ta­ção do outro em si”. “En­tão há uma re­la­ção com es­se outro, nor­mal­men­te o co­lo­ni­za­dor, mas em que há tam­bém uma re­la­ção de ad­mi­ra­ção ou que re­co­nhe­ce no outro al­go com po­ten­ci­al trans­for­ma­dor.”

Era pre­ci­sa­men­te dis­so que Ta­ma­ra an­da­va à pro­cu­ra. Não uma ins­pi­ra­ção pu­ra e sim­ples em cos­tu­mes ca­ni­bais, mas uma ri­tu­a­li­za­ção e uma for­ma de de­glu­tir três obras mar­can­tes na sua vi­da e per­mi­tir que vi­ves­sem den­tro de si, a trans­for­mas­sem, pas­sas­sem a cir­cu­lar no seu or­ga­nis­mo co­mo al­go seu, pa­ra de­pois se­rem de­vol­vi­das ao mun­do já di­ge­ri­das e ru­mi­na­das, al­te­ra­das, pro­va­vel­men­te ir­re­co­nhe­cí­veis. Daí a de­ci­são de avan­çar com uma tri­lo­gia. Uma úni­ca pe­ça não per­mi­ti­ria a Ta­ma­ra con­cluir se é, de fac­to, pos­sí­vel ser mo­di­fi­ca­do por outro de acor­do com o enun­ci­a­do ar­tís­ti­co que de­fi­niu. E daí que afir­me que “não tem tan­to que ver com as pe­ças em si”. Ca­da uma das três pa­ra­gens da Tri­lo­gia An­tro­po­fá­gi­ca é mais uma es­to­ca­da nes­sa in­ves­ti­ga­ção pes­so­al ain­da por ter­mi­nar. Não ar­ris­ca ain­da as­su­mir uma resposta fi­nal, em­bo­ra não es­con­da que a ten­ta­ção, an­tes de es­tre­ar em Lis­boa o ter­cei­ro e der­ra­dei­ro ob­jec­to de re­gur­gi­ta­ção ar­tís­ti­ca, é a de se de­cla­rar trans­for­ma­da pe­lo pro­ces­so. “Mas é ain­da uma es­pe­cu­la­ção”, res­sal­va.

Se­rá sem­pre uma es­pe­cu­la­ção até que Ta­ma­ra Cu­bas as­sis­ta ao ter­cei­ro ca­pí­tu­lo a acon­te­cer di­an­te do seu pú­bli­co. Por mui­to que, re­la­ta num por­tu­guês cheio de um ba­lan­ço apre­en­di­do em ter­ras bra­si­lei­ras, ao ter­mi­nar o úl­ti­mo en­saio da re­si­dên­cia em que fi­cou fe­cha­da a re­vi­si­ta­ção de Po­ro­ro­ca se te­nha es­pan­ta­do a pen­sar: “Nos­sa, co­mo é que a gen­te che­gou até aqui?” Co­mo se, sub­traí­do to­do o ca­mi­nho en­tre os dois pon­tos, olhan­do pa­ra a par­ti­da e a che­ga­da, fos­se im­pos­sí­vel re­la­ci­o­nar as du­as obras.

Zo­om out e rewind

A Tri­lo­gia An­tro­po­fá­gi­ca de Ta­ma­ra Cu­bas, di­vi­da em três ac­tos ( Per­ma­ne­cer, Re­sis­tir e Ocu­par), mar­ca a aber­tu­ra de tem­po­ra­da do Te­a­tro São Luiz, em Lis­boa, com as três pe­ças a se­rem apre­sen­ta­das de for­ma fa­se­a­da (15 e 16 de Se­tem­bro, 19 e 20, 23 e 24) e in­te­gra­das na pro­gra­ma­ção da Ca­pi­tal Ibe­ro-Ame­ri­ca­na 2017. E po­dem ser ob­ser­va­das a par­tir de dois mo­vi­men­tos dis­tin­tos: zo­om out e rewind. Zo­om out por­que o lu­gar des­ti­na­do ao es­pec­ta­dor se afas­ta ca­da vez mais do pal­co. Em Per­ma­ne­cer, pri­mei­ro ac­to cri­a­do a par­tir de Mar­ta So­a­res, a ins­ta­la­ção de­pen­de da pas­sa­gem dos es­pec­ta­do­res pe­lo ce­ná­rio. Em Mon­te­vi­deu, quan­do se es­tre­ou em Maio de 2016, du­ran­te as cin­co ho­ras em que o es­pec­tá­cu­lo acon­te­ce (sem qu­al­quer obri­ga­ção de “per­ma­ne­cer” na sa­la du­ran­te a to­ta­li­da­de da apre­sen­ta­ção), ca­da ele­men­to do pú­bli­co foi con­vi­da­do, à vez, a co­lo­car-se em fren­te à ban­ca­da e a dei­xar-se fi­car um pou­co na­que­le ter­ri­tó­rio, num jo­go de re­ve­la­ção mú­tua.

Em Re­sis­tir, a par­tir de Mar­ce­lo Eve­lin, Ta­ma­ra Cu­bas co­lo­ca em ce­na cin­co bai­la­ri­nos que se des­lo­cam so­bre um mon­te de tá­bu­as de ma­dei­ra es­pa­lha­das pe­lo chão, en­quan­to o pú­bli­co as­sis­te a par­tir da ban­ca­da mon­ta­da no pal­co mas não tem qu­al­quer in­ter­ven­ção di­rec­ta no es­pec­tá­cu­lo. No ter­cei­ro ac­to, ins­pi­ra­do por Lia Ro­dri­gues, os bai­la­ri­nos são já 11 e vêem-se di­an­te de um mu­ro, en­quan­to os es­pec­ta­do­res es­tão já nu­ma gran­de sa­la, num afas­ta­men­to pro­gres­si­vo do epi­cen­tro de ca­da obra. Por outro lado, o rewind acon­te­ce à bo­leia dos ma­te­ri­ais com que os in­tér­pre­tes cri­am uma re­la­ção em ca­da ac­to: se na úl­ti­ma pe­ça o mu­ro é a pre­sen­ça que me­deia to­dos os ges­tos, ao re­cu­ar-se pa­ra a eta­pa an­te­ri­or es­se mu­ro apa­re­ce des­truí­do, caí­do, re­du­zi­do a um amon­to­a­do de tá­bu­as, en­quan­to em Per­ma­ne­cer as tá­bu­as já não exis­tem, são subs­ti­tuí­das por um chão de car­vão que su­ge­re mais um pas­so na des­trui­ção. “De trás pa­ra a fren­te”, re­co­nhe­ce Ta­ma­ra, “há um pro­ces­so que vai de­sar­man­do espaço, es­tru­tu­ra e co­lec­ti­vo. Da fren­te pa­ra trás o co­lec­ti­vo vai cres­cen­do, mas aca­ba­mos por só po­der as­sis­tir de lon­ge ao cor­po em fú­ria de Ocu­par.”

Nes­sa pers­pec­ti­va de Ocu­par (ver­bo en­con­tra­do pa­ra tra­du­zir avas­sal­lar, que Ta­ma­ra des­cre­ve co­mo al­go que “tem que ver tam­bém com a ideia de um rio que gal­ga as su­as mar­gens e ar­ras­ta tu­do con­si­go”), o afas­ta­men­to sa­bo­ta a pos­si­bi­li­da­de de o pú­bli­co se dei­xar afec­tar por qu­al­quer fú­ria ou qu­al­quer ou­tra emo­ção. É co­mo “com os cor­pos que ve­mos na te­le­vi­são, do Mé­dio Ori­en­te, sem­pre lon­ge de mais”, diz a co­reó­gra­fa. O es­pan­to e o hor­ror po­dem até in­fil­trar-se na pe­le de quem as­sis­te, mas a pro­ba­bi­li­da­de de ser ver­da­dei­ra­men­te afec­ta­do por al­go que acon­te­ce “mui­to lon­ge de nós, cul­tu­ral e ge­o­gra­fi­ca­men­te”, é es­cas­sa. En­quan­to em Re­sis­tir a vi­bra­ção da­qui­lo que os per­for­mers fa­zem em pal­co é sen­ti­da fi­si­ca­men­te pe­los es­pec­ta­do­res e em Per­ma­ne­cer o es­pec­tá­cu­lo nun­ca exis­ti­rá se o pú­bli­co não cum­prir com a sua par­te.

Os ver­bos que Ta­ma­ra Cu­bas as­so­cia aos três mo­vi­men­tos da Tri­lo­gia An­tro­po­fá­gi­ca for­ne­cem uma ou­tra or­dem de pis­tas. Mas re­flec­tem so­bre­tu­do uma es­ca­la ín­ti­ma, da sua pró­pria re­la­ção com as três pe­ças ori­gi­nais, pe­las quais Ta­ma­ra Cu­bas diz ter um in­ten­so amor — sen­do que ca­da uma das cri­a­ções di­a­lo­ga tam­bém com o in­te­ri­or da tri­lo­gia. E dei­xam trans­pa­re­cer, por exem­plo, o quan­to Ta­ma­ra es­ta­va em­bre­nha­da na in­ves­ti­ga­ção ar­tís­ti­ca dos de­sa­pa­re­ci­dos du­ran­te a di­ta­du­ra no Uru­guai na al­tu­ra em que viu Ves­tí­gi­os pe­la pri­mei­ra vez. Per­ma­ne­cer, Re­sis­tir e Ocu­par são, por is­so, um mo­nó­lo­go de Ta­ma­ra Cu­bas com as ques­tões fun­da­men­tais que a pre­en­chem, um diá­lo­go co­lec­ti­vo que em­pre­en­de com os bai­la­ri­nos à pro­cu­ra da trans­for­ma­ção ope­ra­da por ca­da obra e uma ten­ta­ti­va de en­fi­ar pe­la go­e­la abai­xo do pú­bli­co uma obra que ca­da um di­ge­ri­rá por sua con­ta e ris­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.