Le­ar O rei que foi ve­lho an­tes de sá­bio

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Fro­ta

A11 de Fe­ve­rei­ro de 2013, nu­ma reu­nião com de­ze­nas de car­de­ais com vis­ta à apro­va­ção da ca­no­ni­za­ção de três be­a­tos um dia cor­ri­quei­ro no Va­ti­ca­no -, Ben­to XVI apre­sen­tou de sur­pre­sa a sua re­nún­cia ao pon­ti­fi­ca­do. An­tes de Ben­to XVI, é pre­ci­so re­cu­ar 598 anos pa­ra en­con­trar o Pa­pa an­te­ri­or (Gre­gó­rio XII) a ter ab­di­ca­do do lu­gar má­xi­mo da Igre­ja Ca­tó­li­ca. Jo­seph Rat­zin­ger, fa­zen­do uso do seu la­tim, con­fes­sou-se can­sa­do e sem for­ças pa­ra pros­se­guir com aque­la mis­são aos 85 anos. O fu­mo bran­co veio de­pois com Fran­cis­co.

É em Ben­to XVI que o en­ce­na­dor Bru­no Bra­vo, da com­pa­nhia Pri­mei­ros Sin­to­mas, pen­sa ine­vi­ta­vel­men­te ao ver-se di­an­te do Rei Le­ar que Sha­kes­pe­a­re es­cre­veu em 1606. Bas­ta­ri­am al­gu­mas das su­as pri­mei­ras pa­la­vras “(.) e é nos­so fir­me in­ten­to sa­cu­dir / da nos­sa ida­de afa­ze­res e cui­da­dos / pa­ra ou­tor­gá-los a for­ças mais jo­vens / en­quan­to, ali­vi­a­dos, ras­te­ja­mos / pa­ra a mor­te” pa­ra fa­zer res­so­ar es­sa me­mó­ria re­cen­te de um Pa­pa que não es­pe­rou pe­la mor­te pa­ra pa­rar. Al­guém que ab­di­ca do tro­no e des­ce vo­lun­ta­ri­a­men­te, es­co­lhen­do o seu su­ces­sor, no ca­so de Le­ar. Pa­ra Bra­vo, “é uma coi­sa sem pre­ce­den­tes, mui­to mo­der­na e mui­to bo­ni­ta, de um rei que quer lar­gar o rei­no, um rei que quer ser ho­mem por­que um rei nun­ca é um ho­mem”.

No pro­ces­so de es­co­lha do su­ces­sor, que faz tam­bém pen­sar na pre­pa­ra­ção da pas­sa­gem de tes­te­mu­nho den­tro dos gran­des gru­pos eco­nó­mi­cos ou em re­gi­mes au­to­crá­ti­cos, Le­ar pe­de às su­as três fi­lhas uma de­cla­ra­ção do seu amor por ele, pro­me­ten­do com­pen­sar aque­la que mais o amar. E é aí, lo­go nos pri­mei­ros mi­nu­tos do clás­si­co de Sha­kes­pe­a­re, que o seu tex­to de­vas­ta­dor so­bre o po­der co- me­ça a mi­nar a na­tu­re­za hu­ma­na. O rei quer an­tes de mais pro­vas de adu­la­ção e não de fi­el­da­de ou de ver­da­dei­ro amor. Na ver­da­de, nem exi­ge pro­vas, mas ape­nas pa­la­vras que lhe in­chem a vai­da­de. Di­an­te de tal pe­di­do, Go­ne­ril (a mais ve­lha) ju­ra amá­lo “não me­nos do que a vi­da, a gra­ça, a hon­ra e a be­le­za, e a saú­de, tan­to quan­to um fi­lho amou ja­mais ou pai sen­tiu”; Re­gan (a do meio) pro­fes­sa­se “hos­til a qu­al­quer go­zo, outro” e diz en­con­trar “fe­li­ci­da­de uni­ca­men­te em amar [sua] Al­te­za”; Cor­dé­lia (a mais nova), pe­lo con­trá­rio, di­na­mi­ta a sua resposta ao cin­gi-la a um “na­da”, afir­man­do-se in­ca­paz de “ele­var o co­ra­ção até à bo­ca”.

As du­as pri­mei­ras se­rão com­pen­sa­das por Le­ar com ter­ras e bens, Cor­dé­lia se­rá cas­ti­ga­da por di­zer a ver­da­de, por acre­di­tar que, ao con­trá­rio das su­as ir­mãs ca­sa­das, an­te­ci­pa um fu­tu­ro em que di­vi­di­rá o seu amor com quem vi­er a par­ti­lhar o seu lei­to, e não ado­ça as pa­la­vras, fin­gin­do que não ha­ve­rá outro ho­mem dig­no do seu amor se­não o pai. A ho­nes­ti­da­de va­le-lhe ser de­ser­da­da e pros­cri­ta, al­go que o en­ce­na­dor re­su­me a uma ideia de que “a ver­da­de, no sen­ti­do mais pu­ro, mais ino­cen­te e mais ra­zoá­vel é uma zo­na que não tem lu­gar na so­ci­e­da­de e nas re­la­ções hu­ma­nas”. Pa­ra Bru­no Bra­vo, a em­pa­tia ime­di­a­ta ge­ra­da por Cor­dé­lia de­cor­re, no en­tan­to, de uma pos­tu­ra al­go des­pro­po­si­ta­da, vin­da de al­guém que “diz o que lhe vai na ca­be­ça e is­so é al­go que não se po­de fa­zer”.

A par­tir de Sha­kes­pe­a­re, Bru­no Bra­vo e os Pri­mei­ros Sin­to­mas le­vam Le­ar ao Te­a­tro Na­ci­o­nal D. Ma­ria II. Uma pe­ça jo­ga­da no ta­bu­lei­ro do po­der, in­fil­tra­da pe­la de­mên­cia, pe­las trai­ções fi­li­ais e por uma re­la­ção con­fli­tu­o­sa com a ver­da­de.

Nem dés­po­ta nem coi­ta­do

Há al­go de pro­fun­da­men­te in­si­di­o­so nis­to que Sha­kes­pe­a­re, qua­tro sé­cu­los an­tes, nos pro­põe: se a em­pa­tia com Cor­dé­lia é ine­vi­tá­vel e ins­tan­tâ­nea pe­la re­cu­sa em jo­gar o jo­go da adu­la­ção e em ou­sar ver­ba­li­zar a ver-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.