O trau­ma e o te­a­tro vis­tos por den­tro

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ra­chel, 8 anos: “Acho que to­da a gen­te me­re­ce o seu lu­gar no pal­co, por­que de ou­tra for­ma não é jus­to.” Pe­ter, o úni­co adul­to em ce­na: “Mas o te­a­tro não é jus­to, é cru­el.”

Is­to é Mi­lo Rau a olhar-se ao es­pe­lho. E é Mi­lo Rau a re­su­mir aqui­lo que an­da a fa­zer des­de 2007, ano em que fun­dou a com­pa­nhia de te­a­tro do­cu­men­tal e ci­ne­ma IIPM In­ter­na­ti­o­nal Ins­ti­tu­te of Po­li­ti­cal Mur­der, com a qual tem cons­truí­do es­pec­tá­cu­los no mí­ni­mo des­con­for­tá­veis, no má­xi­mo frac­tu­ran­tes, a par­tir de acon­te­ci­men­tos e tes­te­mu­nhos re­ais, se­me­an­do vá­ri­os ad­mi­ra­do­res e de­trac­to­res pe­lo ca­mi­nho. “Acho que o te­a­tro é al­go que acon­te­ce atra­vés da cru­el­da­de do re­al. Po­de mos­trar co­mo atra­ves­sar es­sa in­jus­ti­ça e che­gar até al­go que se­ja, de al­gu­ma for­ma, mais jus­to, no sen­ti­do de se per­ce­ber o que acon­te­ceu e co­mo se po­de fa­zer di­fe­ren­te”, diz ao Íp­si­lon, nu­ma con­ver­sa cur­tís­si­ma, o en­ce­na­dor, en­saís­ta e re­a­li­za­dor suí­ço.

Pa­ra ele, “is­to é o te­a­tro” — e é, so­bre­tu­do, Fi­ve Easy Pi­e­ces, “pe­ça jus­ta on­de o jus­to é mui­to cru­el”, que traz es­te sá­ba­do e do­min­go ao Te­a­tro Ma­ria Ma­tos, em Lis­boa, su­bin­do de­pois ao Te­a­tro Cam­po Ale­gre, Por­to, nos di­as 22 e 23. Es­te es­pec­tá­cu­lo, pro­ta­go­ni­za­do por cri­an­ças e ado­les­cen­tes en­tre os oi­to e os 13 anos e por um adul­to, é uma exu­ma­ção do ca­so do pe­dó­fi­lo e as­sas­si­no bel­ga Marc Du­troux, que nos anos 90 pôs a Bél­gi­ca e ou­tros paí­ses da Eu­ro­pa em so­bres­sal­to, co­la­dos à te­le­vi­são. Mi­lo Rau tam­bém es­ta­va lá. “Eu era ado­les­cen­te na al­tu­ra. Há uma ge­ra­ção de uma par­te da Eu­ro­pa que cres­ceu com es­te ca­so”, con­ta o en­ce­na­dor. “Lem­bro-me de que era o iní­cio da pa­ra­nóia pe­dó­fi­la tra­zi­da a pú­bli­co e, ao mes­mo tempo, o co­me­ço de uma cer­ta fi­lo­so­fia an­ti-eli­tis­ta. No ca­so do Du­troux as pes­so­as vi­ram que ha­via uma re­de in­fil­tra­da no go­ver­no e cor­rup­ção na po­lí­cia.”

Há mui­to que Mi­lo Rau, so­ció­lo­go fei­to en­ce­na­dor, que­ria pe­gar nes­ta “his­tó­ria trau­má­ti­ca”. O pas­so foi da­do fi­nal­men­te a con­vi­te do cen­tro de ar­tes bel­ga CAM­PO, no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.