As fá­bu­las da re­a­li­da­de: três cur­tas­me­tra­gens por­tu­gue­sas

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Três cur­tas-me­tra­gens por­tu­gue­sas, com pas­sa­gens mar­can­tes em fes­ti­vais in­ter­na­ci­o­nais, que ates­tam, atra­vés dos uni­ver­sos pes­so­ais dos seus au­to­res, a vi­ta­li­da­de e a di­ver­si­da­de da ci­ne­ma­to­gra­fia por­tu­gue­sa. Luís Mi­guel Oli­vei­ra Ci­da­de Pe­que­na De Di­o­go Cos­ta Ama­ran­te

Ci­da­de Pe­que­na, de Di­o­go Cos­ta Ama­ran­te, trou­xe um Ur­so de Ou­ro

Ci­da­de Pe­que­na é a his­tó­ria de um “be­lo ador­me­ci­do”, a cri­an­ça que co­me­ça­mos por ver dei­ta­da a to­da a ex­ten­são ho­ri­zon­tal do en­qua­dra­men­to e que vol­ta­re­mos a ver inú­me­ras ve­zes, qua­se sem­pre de olhos fe­cha­dos. Co­mo, por exem­plo, no mais no­tá­vel pla­no do fil­me de Cos­ta Ama­ran­te, es­pé­cie de bai­la­do fei­to de uma har­mo­nia en­tre hu­ma­nos e a na­tu­re­za, com a aju­da da ar­te do en­qua­dra­men­to que o ci­ne­ma tam­bém é (e que o re­a­li­za­dor do­mi­na mui­to bem): um in­te­ri­or dum car­ro, um es­pe­lho re­tro­vi­sor (no qual se re­flec­te o ros­to ador­me­ci­do da cri­an­ça, no ban­co de trás), à fren­te uma ár­vo­re, ve­ge­ta­ção, uma va­ca, uma mu­lher, e dois GNR que dan­çam ao som du­ma can­ção, Words (F.R. Da­vid), do prin­cí­pio dos anos 80. Se­rá a re­com­po­si­ção oní­ri­ca e obli­qua­men­te me­mo­ri­a­lis­ta (o tex­to da voz off, ou cer­tos frag­men­tos) da in­fân­cia nu­ma “ci­da­de pe­que­na” e nou­tro tempo, um in­te­ri­or por­tu­guês que o ci­ne­ma tem ten­dên­cia a des­co­brir co­mo um ca­lei­dos­có­pio feé­ri­co (ve­re­mos tam­bém car­ro­céis de fei­ra e fo­gue­tes a re­ben­ta­rem con­tra um céu noc­tur­no) e um re­ser­va­tó­rio ines­go­tá­vel de uma na­tu­re­za vi­ta­lis­ta (os mui­tos pla­nos com ani­mais e ani­mai­zi­nhos), an­tes de tu­do apa­ren­te­men­te vol­tar, em­bo­ra sem­pre sob o sig­no do son(h)o, à “ci­da­de gran­de”, na for­ma do edi­fí­cio mo­der­no que vem ocu­par os úl­ti­mos ins­tan­tes do fil­me. Mas a pre­sen­ça da na­tu­re­za, de res­to, vem re­for­çar a di­men­são sen­su­al de Ci­da­de Pe­que­na, so­bre­tu­do pe­la sua fin­ta a um “im­pres­si­o­nis­mo” mui­to par­tie de cam­pag­ne que nal­guns mo­men­tos (aque­les pla­nos com as ja­ne­las a cri­a­rem en­qua­dra­men­tos den­tro do en­qua­dra­men­to) pa­re­ce mes­mo uma vé­nia a Re­noir.

Em Co­e­lho Mau, que é por­ven­tu­ra o me­lhor fil­me de Car­los Con­cei­ção, mer­gu­lha- se ain­da mais num cli­ma oní­ri­co, ou pe­lo me­nos nu­ma or­dem de re­a­li­da­de sem­pre va­ci­lan­te, al­gu­res en­tre uns po­zi­nhos de Lyn­ch e al­gu­ma con­ti­gui­da­de com o uni­ver­so do re­a­li­za­dor por­tu­guês que pa­re­ce mais pró­xi­mo do ci­ne­ma de Con­cei­ção, João Pe­dro Ro­dri­gues (aliás, João Rui Gu­er­ra da Ma­ta, ha­bi­tu­al co­la­bo­ra­dor de João Pe­dro, é cre­di­ta­do co­mo res­pon­sá­vel pe­la di­rec­ção ar­tís­ti­ca). É um mun­do noc­tur­no, de con­to de fa­das pa­ra adul­tos mas de on­de ain­da não se ex­cluiu a pos­si­bi­li­da­de de uma for­ma de “ino­cên­cia”, com se­xo e más­ca­ras sa­do­ma­so, amor, vin­gan­ça e do­en­ça (mais más­ca­ras: a aju­da res­pi­ra­tó­ria da miú­da pro­ta­go­nis­ta), flo­res­tas e ca­sas na ár­vo­res, um bes­tiá­rio in­só­li­to (ou­tra más­ca­ra: a do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.