Co­mo se re­co­nhe­ce um fas­cis­ta

Publico - Ipsilon - - Sumário -

No nos­so tempo, não é fá­cil re­co­nhe­cer um fas­cis­ta: por­que eles não ou­sam di­zer o seu no­me ou nem se­quer sa­bem que o são; por­que um an­ti­fas­cis­mo de­ma­si­a­do es­pon­tâ­neo pro­vo­cou uma in­fla­ção de­ma­gó­gi­ca des­sa clas­si­fi­ca­ção e re­ti­rou-lhe to­do o ri­gor. Com al­gu­mas pre­cau­ções, con­fir­mei na se­ma­na pas­sa­da a exis­tên­cia de um exem­plar da es­pé­cie: cha­ma-se Hen­ri­que Ra­po­so e é cro­nis­ta do Ex­pres­so. Na sua co­lu­na, co­me­ça­va por glo­ri­fi­car a ca­ça co­mo ri­tu­al de fei­ção mís­ti­ca, re­me­ten­do a mor­te do ani­mal pa­ra a es­fe­ra da ce­ri­mó­nia sa­cri­fi­ci­al, im­preg­na­da de ele­men­tos cul­tu­ais. Es­te dis­cur­so é aque­le que ser­viu o cul­to da gu­er­ra. En­ri­que­ci­da com ele­men­tos de um ero­tis­mo negro, a ce­ri­mó­nia sa­cri­fi­ci­al da mor­te es­te­ve no cen­tro de uma es­tra­nha co­mu­ni­da­de on­de se en­con­tra­ram nos anos 30 do sé­cu­lo pas­sa­do, em tor­no de uma re­vis­ta cha­ma­da Acépha­le, no­mes im­por­tan­tes da li­te­ra­tu­ra fran­ce­sa: Ba­tail­le, Lei­ris, Cail­lois, Klos­sows­ki e ou­tros. Se­gun­do o tes­te­mu­nho des­te úl­ti­mo, Wal­ter Ben­ja­min, que ti­nha aca­ba­do de che­gar ao exí­lio pa­ri­si­en­se, as­sis­tiu a uma des­sas reu­niões do gru­po e co­men­tou: “Vous tra­vail­lez pour le fas­cis­me.” Na ver­são kits­ch e pin­dé­ri­ca de Hen­ri­que Ra­po­so (mas não é o kits­ch ide­o­ló­gi­co uma ca­rac­te­rís­ti­ca do fas­cis­mo?) o cul­to da mor­te ex­pri­me-se des­ta ma­nei­ra: “Há qu­al­quer coi­sa de be­lo num ti­ro que é o en­con­tro en­tre a tra­jec­tó­ria da ba­la e a tra­jec­tó­ria da pre­sa; co­lo­car a ba­la ou chum­bo na­que­le mi­li­o­né­si­mo de se­gun­do em que as du­as li­nhas, a do ti­ro e a da pre­sa, se en­con­tram é um de­sa­fio be­lo”. O cri­té­rio de re­co­nhe­ci­men­to do fas­cis­mo, dis­se uma vez De­leu­ze, é es­te: “Al­guém que diz ‘vi­va a mor­te!’ é um fas­cis­ta.” Ra­po­so não sa­tis­faz to­dos os cri­té­ri­os de de­fi­ni­ção de um fas­cis­ta, mas está do­ta­do do afec­to fas­cis­ta que en­con­tra be­le­za na mor­te. É ver­da­de que se tra­ta da mor­te de ani­mais e não de ho­mens, mas a má­qui­na an­tro­po­ló­gi­ca do hu­ma­nis­mo (que Ra­po­so de­fen­de de ma­nei­ra acér­ri­ma), aque­la que exa­cer­ba a di­fe­ren­ça zoo-an­tro­po­ló­gi­ca, é exac­ta­men­te o mes­mo dis­po­si­ti­vo que ser­viu pa­ra ex­ter­mi­nar os ju­deus.

O me­lhor vem a se­guir. Hen­ri­que Ra­po­so de­sen­vol­ve a sua ideia de uma mís­ti­ca da ca­ça e da mor­te do ani­mal co­mo um sa­cri­fí­cio on­de se ma­ni­fes­ta a ca­te­go­ria es­té­ti­ca da be­le­za. E fa­zen­do o elo­gio de umas de­cla­ra­ções do co­zi­nhei­ro Ljub­mir Sta­ni­sic, sen­ten­cia: “Ljub­mir Sta­ni­sic e Anthony Bour­dain [são] co­zi­nhei­ros que não pe­dem des­cul­pa por se­rem ho­mens, he­te­ros­se­xu­ais e car­ní­vo­ros.” Na sequên­cia ló­gi­ca do gri­to ne­cró­fi­lo vem a vi­ri­li­da­de os­ten­si­va, a afec­ção fas­cis­ta do pen­sa­men­to vi­ril. O fas­cis­ta “tem co­lhões” e gos­ta de os mos­trar. Is­to é su­fi­ci­en­te pa­ra de­fi­nir um pe­que­no fas­cis­ta. Ele só se tor­na um pou­co mai­or quan­do usa con­ti­nu­a­da­men­te a es­tra­té­gia do es­pan­ta­lho uni­ver­sal, is­to é, a es­tra­té­gia que con­sis­te em fun­dir as gran­des ques­tões po­lí­ti­cas, so­ci­ais e mo­rais (o fas­cis­ta é sem­pre hi­per­mo­ral) nos pro­ble­mas pri­va­dos e da vi­zi­nhan­ça. Tra­ta-se de ca­te­go­ri­zar os gran­des su­jei­tos co­lec­ti­vos a par­tir de pes­so­as sin­gu­la­res. Cha­ma-se a is­to o pathos da to­ta­li­da­de. Uma pe­que­na vi­la do Alen­te­jo, uma pe­ri­fe­ria ur­ba­na ou o se­nhor José da ofi­ci­na for­ne­cem en­tão a Hen­ri­que Ra­po­so a uni­ver­sa­li­da­de de uma vi­são do mun­do. E só não di­go Wel­tans­chau­ung por­que é uma pa­la­vra de­ma­si­a­do fas­cis­ta pa­ra o nos­so pe­que­no fas­cis­ta, que co­me­çou a se­ma­na a fa­zer um mea cul­pa por cau­sa de na se­ma­na an­te­ri­or ter le­va­do de­ma­si­a­do lon­ge a sua es­tra­té­gia do es­pan­ta­lho uni­ver­sal da pe­do­fi­lia (o es­pan­ta­lho eram, en­tão, os edu­ca­do­res de in­fân­cia mas­cu­li­nos). Ora, um fas­cis­ta, ao con­trá­rio do pe­que­no fas­cis­ta que apre­sen­ta al­gu­mas afec­ções da es­tru­tu­ra psi­co­ló­gi­ca do fas­cis­mo, nun­ca se ar­re­pen­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.