Le­van­ta­do do chão

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Me­nos 40% de pe­so, con­se­gui­do atra­vés do uso de be­tão com cor­ti­ça, a no­va ga­re de Lis­boa é um pon­to de che­ga­da na obra de Car­ri­lho da Gra­ça.

evan­ta­do do Chão”, uma ex­pres­são rou­ba­da ao tí­tu­lo de um ro­man­ce de Jo­sé Sa­ra­ma­go, é o que cha­ma­mos aqui ao Ter­mi­nal de Cru­zei­ros, o no­vo e icó­ni­co edi­fí­cio de João Luís Car­ri­lho da Gra­ça em Lis­boa, que tem o pri­vi­lé­gio de es­tar im­plan­ta­do num sí­tio lin­dís­si­mo e é um pon­to de che­ga­da na sua obra. Tal­vez a con­ta­mi­na­ção li­te­rá­ria ve­nha do fac­to do ar­qui­tec­to es­tar igual­men­te a aca­bar a sua obra de re­qua­li­fi­ca­ção do es­pa­ço pú­bli­co do Cam­po das Ce­bo­las, mes­mo ao la­do do ter­mi­nal, on­de fi­ca a Fun­da­ção Sa­ra­ma­go na Ca­sa dos Bi­cos.

Va­mos tam­bém ao en­con­tro da­qui­lo que Car­ri­lho da Gra­ça de­fen­de na en­tre­vis­ta ao Íp­si­lon: a ar­qui­tec­tu­ra po­de atre­ver-se a con­vo­car a re­a­li­da­de — o rio, o mar, a ci­da­de, as pes­so­as (nós acres­cen­ta­mos: a li­te­ra­tu­ra) —, in­te­gran­do-a na lin­gua­gem ar­qui­tec­tó­ni­ca sem a re­pre­sen­tar di­rec­ta­men­te.

“Le­van­ta­do do chão” não ex­pres­sa ape­nas os 40% de pe­so que con­se­guiu ti­rar ao edi­fí­cio ao usar be­tão com cor­ti­ça, mas tam­bém um de­se­jo plás­ti­co que mos­tra um ar­qui­tec­to com um ges­to mais li­vre, cons­truin­do um pa­vi­lhão que flu­tua e tra­ba­lha de­ta­lha­da­men­te a ge­o­me­tria dos pla­nos que­bra­dos.

De­sa­fi­an­te, “ubí­quo”, co­mo nos apon­ta João Go­mes da Sil­va, o ar­qui­tec­to pai­sa­gis­ta que de­se­nhou o no­vo par­que on­de o ter­mi­nal se in­se­re, o edi­fí­cio pa­re­ce ser mui­tas coi­sas ao mes­mo tem­po.

No con­tex­to da obra de Car­ri­lho da Gra­ça — au­tor de pro­jec­tos co­mo o Pa­vi­lhão do Co­nhe­ci­men­to (1998), o Cen­tro de Do­cu­men­ta­ção do Pa­lá­cio de Be­lém (2002), a Pra­ça No­va do Cas­te­lo de São Jor­ge (2010), o Te­a­tro de Poi­ti­ers (2008) ou o Mu­seu do Ori­en­te (2008) —, o pai­sa­gis­ta apon­ta que o pro­jec­to con­se­gue, com mui­ta efi­cá­cia, “con­fi­gu­rar a so­bre­po­si­ção en­tre du­as ci­da­des, a ci­da­de de Lis­boa e a ci­da­de por­tuá­ria”, pro­pon­do um con­tra an­fi­te­a­tro ao an­fi­te­a­tro na­tu­ral que Al­fa­ma de­se­nha. “E pa­re­ce-me ma­ra­vi­lho­so que se pos­sa de­se­nhar um dis­po­si­ti­vo de fron­tei­ra de uma ma­nei­ra tão ligeira, tão le­ve, tão in­se­ri­da no te­ci­do ur­ba­no e na ma­lha por­tuá­ria.” Além dis­so, é o re­tor­no do tra­ba­lho de ar­qui­tec­tu­ra à ti­po­lo­gia da ga­re, su­bli­nhan­do-se o va­lor cul­tu­ral des­tes es­pa­ços.

Qu­an­to à sua in­ser­ção na cul­tu­ra ar­qui­tec­tó­ni­ca da ci­da­de, João Go­mes da Sil­va apon­ta a gran­de plas­ti­ci­da­de da sua for­ma, qua­se uma es­cul­tu­ra, sem uma lin­gua­gem ar­qui­tec­tó­ni­ca tra­di­ci­o­nal: “O edi­fí­cio co­mu­ni­ca for­mal­men­te um dis­po­si­ti­vo mui­to di­fe­ren­te, uma cas­ca de ca­ran­gue­jo sem ja­ne­las ou por­tas.” Sem vãos nas fa­cha­das, aber­to nos to­pos, pas­sa­mos por de­bai­xo da cas­ca pa­ra en­trar, des­co­brin­do um es­pa­ço mui­to fun­ci­o­nal. “Há uma enor­me efi­cá­cia na lin­gua­gem, por­que o edi­fí­cio é le­gí­vel de um la­do, do ou­tro, do rio, de ter­ra. É mais ou me­nos ubí­quo, por­que olha­mos pa­ra ele de vá­ri­os la­dos e tem vá­ri­as for­mas.”

Se o pro­jec­to ten­tou con­tra­ba­lan­çar os efei­tos ne­ga­ti­vos da pre­sen­ça de cru­zei­ros gi­gan­tes em Lis­boa — o par­que vai au­men­tar em 3,5 hec­ta­res o es­pa­ço pú­bli­co em Al­fa­ma —, va­mos ago­ra ver quão aces­sí­vel o Por­to de Lis­boa con­se­gue man­ter a no­va ga­re. Além de podermos su­bir à co­ber­tu­ra­mi­ra­dou­ro, o que es­tá pre­vis­to, era in­te­res­san­te pas­se­ar so­bre a lon­ga pas­se­rel­le e des­co­brir co­mo os na­vi­os vêem afi­nal Lis­boa. I.S.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.