O li­vro das mil e uma tra­du­ções

Publico - Ipsilon - - Sumário - Má­rio San­tos

Na pri­mei­ra tra­du­ção por­tu­gue­sa fei­ta a par­tir do ori­gi­nal ára­be, Xe­ra­za­de con­ti­nua vi­va, mas des­pe­diu Ala­di­no e o ma­ri­nhei­ro Sind­bad. Eis As Mil e Uma Noi­tes, se­gun­do Hu­go Maia.

Num en­saio fa­mo­so so­bre os pri­mei­ros tra­du­to­res eu­ro­peus de As Mil e uma Noi­tes — es­sa “di­nas­tia ini­mi­ga” com­pos­ta por Gal­land, Mar­drus, Bur­ton , La­ne, Litt­mann. —, Jor­ge Luís Bor­ges diz que ca­da um de­les tra­du­ziu “con­tra” al­gum dos seus an­te­ces­so­res. Se­ria ten­ta­dor di­zer­mos que o tra­du­tor por­tu­guês Hu­go Maia — au­tor de uma tra­du­ção cu­jo pri­mei­ro vo­lu­me aca­ba de ser pu­bli­ca­do pe­la E-Pri­ma­tur — não tra­du­ziu con­tra nin­guém, adu­zin­do, por exem­plo, a ra­zão sim­ples de a sua ser a pri­mei­ra tra­du­ção por­tu­gue­sa fei­ta a par­tir da lín­gua ára­be. Mas, co­mo tu­do qu­an­to diz res­pei­to ao mais cé­le­bre e des­co­nhe­ci­do clás­si­co ára­be da li­te­ra­tu­ra “uni­ver­sal”, não é exac­ta­men­te as­sim. Há cer­ca de dez anos, foi pu­bli­ca­da no Bra­sil a pri­mei­ra tra­du­ção em lín­gua por­tu­gue­sa fei­ta a par­tir do ára­be, por Ma­me­de Mus­ta­fa Ja­rou­che. Po­rém, o tra­du­tor por­tu­guês pre­fe­riu evi­tar es­te “inimigo” di­nás­ti­co (se­gun­do Bor­ges). E por bo­as ra­zões: “Só ti­ve aces­so a uma dú­zia de pá­gi­nas e es­sa dú­zia de pá­gi­nas deu pa­ra ver que é de fac­to uma boa tra­du­ção. Nun­ca há dois tra­du­to­res de acor­do, e há coi­sas que ele tra­duz com as quais eu não es­tou de acor­do, e te- nho a cer­te­za de que se ele les­se a mi­nha tra­du­ção tam­bém iria des­co­brir coi­sas que con­si­de­ra­ria er­ra­das. Mas eu pre­fe­ri não con­sul­tá-la, nem que­ro con­sul­tá-la en­quan­to não aca­bar a mi­nha tra­du­ção. A dú­zia de pá­gi­nas que con­sul­tei foi su­fi­ci­en­te pa­ra me aper­ce­ber de que cor­re­ria o ris­co de ser in­flu­en­ci­a­do por es­sa tra­du­ção e não que­ria que is­so acon­te­ces­se”, diz-nos Hu­go Maia. A “an­gús­tia da in­fluên­cia” nem é ex­clu­si­va dos po­e­tas nem foi in­ven­ta­da por Blo­om. Mas, co­mo nem sem­pre a au­sên­cia de uma tra­di­ção tra­du­to­ló­gi­ca sig­ni­fi­ca mai­or li­ber­da­de, o tra­du­tor não dei­xou de com­pul­sar edições fran­ce­sas e in­gle­sas. Com re­sul­ta­dos am­bí­guos: “Es­tou a lem­brar-me de uma tra­du­ção fran­ce­sa, de Re­né Khawam, tra­du­tor por quem sem­pre ti­ve um gran­de apre­ço por cau­sa de uma sé­rie de tra­ba­lhos que ele fez. Quan­do co­me­cei a ler a tra­du­ção de­le, fi­quei com os ca­be­los em pé e não quis acre­di­tar nas trans­for­ma­ções que ele ti­nha fei­to ao tex­to e, so­bre­tu­do, num tra­ba­lho de in­ves­ti­ga­ção qua­se ine­xis­ten­te. Em mui­tos dos po­e­mas, ele nem se­quer se aper­ce­be de mui­tas me­tá­fo­ras, nem se aper­ce­be do sig­ni­fi­ca­do de vá­ri­as pa­la­vras e ex­pres­sões.”

O in­te­res­se do tra­du­tor por­tu­guês

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.