Mel­vil­le, ofí­cio de fil­mar

Publico - Ipsilon - - Sumário - Jor­ge Mou­ri­nha

Foi um dos mai­o­res es­ti­lis­tas do ci­ne­ma mo­der­no, ins­pi­ra­ção as­su­mi­da pa­ra Mann, Woo ou Ta­ran­ti­no. Em ano de cen­te­ná­rio do seu nas­ci­men­to, a sua obra é in­te­gral­men­te apre­sen­ta­da nu­ma im­per­dí­vel re­tros­pec­ti­va na Fes­ta do Ci­ne­ma Fran­cês.

Não é ape­nas um es­ti­lo de ci­ne­ma nem um no­me de um re­a­li­za­dor. Mel­vil­le é um uni­ver­so, in­tei­ro, con­ti­do em si pró­prio. Os fil­mes que fi­ze­ram o seu no­me — po­li­ci­ais ne­gros, se­cos, aus­te­ros, ten­sos, enér­gi­cos, ver­são ci­ne­ma­to­grá­fi­ca do gran­de fe­li­no que se pre­pa­ra pa­ra o ata­que — in­flu­en­ci­a­ram Mi­cha­el Mann, John Woo, Qu­en­tin Ta­ran­ti­no. No­me tão sin­gu­lar ou pes­so­al que se tor­na ir­re­pe­tí­vel, ini­mi­tá­vel, “Mel­vil­le” é igual a “Go­dard”, “Hit­ch­cock”, “Demy”, “Ford”. Um ape­li­do que con­tém em si to­da uma ideia de ci­ne­ma.

E, con­tu­do, em 1917, faz ago­ra cem anos, Je­an-Pi­er­re não nas­ceu Mel­vil­le. Nas­ceu Je­an-Pi­er­re Grum­ba­ch, e Mel­vil­le se­ria o seu no­me de có­di­go quan­do pas­sou à clan­des­ti­ni­da­de e se jun­tou à Re­sis­tên­cia Fran­ce­sa du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al. Não pe­lo ci­ne­ma (que já ama­va de pai­xão) mas pe­la li­te­ra­tu­ra — por Herman, o de Moby Dick, au­tor que di­zia ad­mi­rar mais do que qual­quer ou­tro. Quan­do de­ci­diu pas­sar de es­pec­ta­dor a ci­ne­as­ta, após a guer­ra, Grum­ba­ch as­su­miu-se Mel­vil­le, per­ma­nen­te­men­te. O no­me de có­di­go da re­sis­tên­cia tor­nar-se-ia num dos ape­li­dos mais re­ve­ren­ci­a­dos do ci- ne­ma mun­di­al — pos­to ain­da ho­je am­pli­fi­ca­do pe­la sua mor­te pre­ma­tu­ra (em 1973, aos 55 anos de ida­de) e por uma fil­mo­gra­fia de­ma­si­a­do cur­ta — 14 tí­tu­los ape­nas nos 25 anos que de­cor­re­ram en­tre 1946 e 1972.

Va­mos vê-los, to­dos, a par­tir de ama­nhã, na­que­la que é uma das re­tros­pec­ti­vas-cha­ve do ano ci­né­fi­lo, a de­cor­rer na Ci­ne­ma­te­ca até dia 18 de Ou­tu­bro, in­te­gra­da na Fes­ta do Ci­ne­ma Fran­cês mas tam­bém nas co­me­mo­ra­ções do cen­te­ná­rio do nas­ci­men­to do re­a­li­za­dor (ini­ci­a­das em Abril em Ha­va­na e Los An­ge­les). Vá­ri­os dos fil­mes se­rão exi­bi­dos em có­pi­as res­tau­ra­das. São obras imor­tais de um ci­ne­as­ta in­con­fun­dí­vel que nin­guém con­se­gue igua­lar (e mui­tos ten­ta­ram). E se Mel­vil­le é o que é, é-o por­que os seus fil­mes sur­gi­ram no tem­po cer­to — no pós-guer­ra aber­to a to­das as dú­vi­das e a to­dos os ques­ti­o­na­men­tos. Anthony La­ne, na New Yor­ker, ci­ta­va em Maio uma en­tre­vis­ta em que o re­a­li­za­dor di­zia não sa­ber o que se­ria fei­to dos seus fil­mes 50 anos mais tar­de. Lau­rent Grous­set, so­bri­nho e her­dei­ro (Mel­vil­le mor­reu sem fi­lhos), mos­tra-se fe­liz por o no­me ain­da di­zer tan­to a tan­ta gen­te, sur­pre­en­di­do até que em al­guns paí­ses ele ain­da se­ja re­cor­da­do — “nos EUA não,

Nas­ceu Je­an-Pi­er­re Grum­ba­ch, Mel­vil­le se­ria o seu no­me de có­di­go quan­do pas­sou à clan­des­ti­ni­da­de e se jun­tou à Re­sis­tên­cia Fran­ce­sa du­ran­te a Se­gun­da Guer­ra. Tor­nar-se-ia num dos ape­li­dos mais re­ve­ren­ci­a­dos do ci­ne­ma mun­di­al — pos­to ain­da ho­je am­pli­fi­ca­do pe­la sua mor­te pre­ma­tu­ra (em 1973, aos 55 anos) e por uma fil­mo­gra­fia de­ma­si­a­do cur­ta — 14 tí­tu­los nos 25 anos que de­cor­re­ram en­tre 1946 e 1972

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.