Al Ber­to Si­nes não es­ta­va pre­pa

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Num Por­tu­gal em pol­vo­ro­sa em Novembro de 1974, Al­ber­to Ra­po­so Pidwell Ta­va­res, pin­tor, 27 anos, ini­cia o seu “Pro­ces­so Re­vo­lu­ci­o­ná­rio em Cur­so”. Re­gres­sa a Si­nes de­pois de uma dé­ca­da de exí­lio (in­te­lec­tu­al e po­lí­ti­co) em Bru­xe­las, on­de es­tu­dou Be­las Ar­tes. Mas Si­nes não é já a ter­ra de pescadores e ma­ri­nhei­ros que o viu cres­cer — ti­nham co­me­ça­do as obras do com­ple­xo in­dus­tri­al, da re­fi­na­ria, as ex­pro­pri­a­ções do Ga­bi­ne­te da Área de Si­nes. O fas­cis­mo aca­ba­ra, o Alen­te­jo cres­cia, mo­der­ni­za­do pe­las es­tra­das e ci­da­des ras­ga­das pe­lo Ga­bi­ne­te, a re­vo­lu­ção avan­ça­va. aqui es­tá a imo­bi­li­da­de aquá­ti­ca do meu país, o oceâ­ni­co abis­mo com chei­ro a ci­da­des por so­nhar. in­va­de­me a von­ta­de de per­ma­ne­cer aqui, pa­ra sem­pre, à ja­ne­la, ou par­tir com as ma­rés e ja­mais vol­tar...*

Si­nes é a ci­da­de por so­nhar que Al­ber­to re­en­con­tra. Mas Si­nes não es­ta­va pre­pa­ra­da pa­ra ele. Nem pa­ra a ci­são do no­me — Al Ber­to — que vai ocor­rer nes­ta al­tu­ra, o pin­tor tor­na­do po­e­ta, nu­ma “de­ri­va pe­la in­só­nia de quem se man­tém vi­vo num tú­nel da noi­te. os cor­pos de Al­ber­to e Al Ber­to ver­ga­dos à coin­ci­dên­cia sui­ci­dá­ria das ci­da­des”. Ex­pli­cou nu­ma en­tre­vis­ta (1987) a ne­ces­si­da­de “de abrir a bre­cha com Vicente Al­ves do Ó só per­ce­beu que ti­nha “um ma­nan­ci­al ina­cre­di­tá­vel” pa­ra fa­lar de Al Ber­to após a mor­te do seu ir­mão, João Ma­ria, em 2010. O es­pó­lio de João Ma­ria (foto de bai­xo: pri­mei­ro à es­quer­da) é im­pres­si­o­nan­te: fo­tos, cartas, po­e­mas, diá­ri­os, de­se­nhos, li­vros por edi­tar, “uma vi­da in­tei­ra de li­te­ra­tu­ra que o João Ma­ria se re­cu­sou sem­pre a pu­bli­car, acho, por cau­sa da his­tó­ria que con­to no fil­me, com o Al Ber­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.