Ge­ra­ção per­di­da

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Vicente Al­ves do Ó quer fa­zer

tan­to fil­me de ge­ra­ção co­mo

re­tra­to de ar­tis­ta. Fi­ca-se pe­las

con­ven­ções no­ve­les­cas.

Por Jor­ge Mou­ri­nha

Que Vicente Al­ves do Ó tem um enor­me de­se­jo de ci­ne­ma não é no­vi­da­de ne­nhu­ma — o ar­gu­men­tis­ta e re­a­li­za­dor de Al Ber­to já con­vo­ca­va as su­as am­bi­ções es­té­ti­cas e vi­su­ais atra­vés das re­fe­rên­ci­as ci­né­fi­las que afo­ga­vam o de­sas­tro­so Quin­ze Pon­tos na Al­ma (2011) e das con­ven­ções me­lo­dra­má­ti­cas que per­di­am Flor­be­la (2012). Al Ber­to, quar­ta lon­ga e fil­me que se­rá por­ven­tu­ra o mais pes­so­al do re­a­li­za­dor (li­dan­do co­mo li­da com as­sun­tos que res­pei­tam di­rec­ta­men­te à sua fa­mí­lia, e à re­la­ção do po­e­ta Al Ber­to com seu meio-ir­mão João Ma­ria do Ó), in­sis­te nes­se de­se­jo. Fá-lo de ma­nei­ra igual­men­te ro­mân­ti­ca mas mais con­ti­da, pro­cu­ran­do cons­truir um fil­me­mo­sai­co “de ge­ra­ção” à vol­ta do re­gres­so a Si­nes do “fi­lho pró­di­go” de­pois do 25 de Abril, e da co­mu­ni­da­de ar­tís­ti­ca li­vre que ali o ro­de­ou du­ran­te al­guns anos.

Ora, o pri­mei­ro er­ro de Al Ber­to é cha­mar-se Al Ber­to. Al Ber­to a pes­soa po­de ser o “cen­tro de gra­vi­da­de” da his­tó­ria, mas o fil­me não se cen­tra ape­nas no po­e­ta nem con­ta ape­nas a sua his­tó­ria, pre­fe­rin­do an­tes cap­tar as es­pe­ran­ças de uma ge­ra­ção sô­fre­ga de li­ber­da­de nu­ma ci­da­de ain­da de­ma­si­a­do con­ser­va­do­ra e pre­sa ao an­ti­ga­men­te. O se­gun­do er­ro é que es­se fil­me de ge­ra­ção, on­de Al­ves do Ó as­si­na o que o fil­me tem de me­lhor, se di­lui de­ma­si­a­das ve­zes num sim­ples pa­no de fun­do pa­ra o ro­man­ce gay de Al Ber­to e João Ma­ria do Ó, con­ta­do em tom de Se­gre­do de Bro­ke­back Moun­tain alentejano. E es­sa con­fu­são re­flec­te o con­fli­to es­tru­tu­ral do pró­prio fil­me: in­de­ci­so en­tre o in­di­vi­du­al e o co­lec­ti­vo, en­tre o ro­mân­ti­co e o trá­gi­co, en­tre a uto­pia e a re­a­li­da­de, Vicente Al­ves do Ó não quer es­co­lher, con­ti­nua a que­rer fa­zer ex­plo­dir emo­ci­o­nal­men­te nar­ra­ti­vas a que nun­ca con­se­gue im­pri­mir ve­ro­si­mi­lhan­ça, fi­can­do-se sem­pre por con­ven­ções no­ve­les­cas, ar­ti­fi­ci­ais.

Nem a jus­te­za dos ac­to­res nem a fo­to­gra­fia pre­ci­sa de Rui Po­ças (mui­to pró­xi­ma do ar­re­ba­ta­men­to a que o re­a­li­za­dor as­pi­ra) com­pen­sam es­sas fra­que­zas, mes­mo que aqui es­te­ja a me­lhor das lon­gas de Vicente Al­ves do Ó. Mas quem vi­er à es­pe­ra de um fil­me bi­o­grá­fi­co de Al Ber­to, co­nhe­cen­do-o ou não, sai­rá cer­ta­men­te de­si­lu­di­do; Al Ber­to pa­re­ce ser um fil­me com um des­ti­na­tá­rio mui­to es­pe­ci­al — o pró­prio re­a­li­za­dor, que tan­to quer con­tar tu­do que aca­ba por não con­tar na­da que fa­le àque­les que não vi­ve­ram o mo­men­to que ele con­ta. Al Ber­to War Hor­se De Vicente Al­ves do Ó Com Ri­car­do Tei­xei­ra, João Pi­men­tão, Ra­quel Ro­cha Vi­ei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.