Es­plên­di­da!”

Publico - Ipsilon - - Sumário -

uma ilu­são — en­fim, uma ima­gem (mes­mo que em mo­vi­men­to). Ou se­ja, era já “o ci­ne­ma to­do”, ci­tan­do o re­a­li­za­dor fran­cês Ber­trand Ta­ver­ni­er, o ci­ne­ma em to­do o seu po­ten­ci­al que es­ta­va con­den­sa­do nes­ses pe­que­nos fil­mes de me­nos de um mi­nu­to de du­ra­ção e cap­ta­dos num só pla­no. Os Lu­miè­re não ti­nham in­ven­ta­do só o ci­ne­ma­tó­gra­fo, ti­nham in­ven­ta­do o ci­ne­ma.

O sé­cu­lo de todos os in­ven­tos

Mas vol­te­mos atrás no tem­po, pa­ra me­lhor en­qua­drar­mos o fei­to des­ta fa­mí­lia: o pai An­toi­ne (18401911), pin­tor e fotógrafo ama­dor que se tor­nou em­pre­sá­rio de ma­te­ri­al de fotografia; e os fi­lhos Au­gus­te (1862-1954) e Louis (18641948), fí­si­cos, quí­mi­cos, in­ven­to­res, ci­en­tis­tas. Ju­les Ma­rey, o pra­xi­nos­có­pio e o te­a­tro óp­ti­co do seu con­ter­râ­neo Émi­le Rey­naud (con­si­de­ra­do o pai do ci­ne­ma de ani­ma­ção), e o zo­o­pra­xi­nos­có­pio do in­glês Eadwe­ard Muy­brid­ge, todos eles a de­sen­vol­ver e a aper­fei­ço­ar a ani­ma­ção das imagens, sig­ni­fi­ca­ram pro­gres­sos con­si­de­rá­veis. Mas foi do outro la­do do Atlân­ti­co — on­de Muy­brid­ge, de res­to, se ti­nha ra­di­ca­do em me­a­dos do sé­cu­lo — que sur­giu o pas­so mais avan­ça­do nes­ta ca­mi­nha­da. E ca­be­ria a Tho­mas Edison (18471931), o en­tão já ce­le­bra­do in­ven­tor do fo­nó­gra­fo e da lâm­pa­da in­can­des­cen­te, e ao seu co­la­bo­ra­dor es­co­cês William Ken­nedy Dick­son, no iní­cio da dé­ca­da de 90, a in­ven­ção de um apa­re­lho pi­o­nei­ro, o ci­ne­tos­có­pio.

Tra­ta­va-se de uma câ­ma­ra que fa­zia a sín­te­se do mo­vi­men­to a partir de uma sé­rie de imagens fo­to­grá­fi­cas nu­ma pe­lí­cu­la de ce­lu­loi­de (que aca­ba­va de ser in­ven­ta­da por Ge­or­ge East­man). A sua pas­sa­gem fren­te a uma fon­te de luz den­tro de uma cai­xa es­cu­ra per­mi­tia vi­su­a­li­zar, atra­vés de um ócu­lo, o mo­vi­men­to das ce­nas e das vis­tas fo­to­gra­fa­das an­te­ri­or­men­te.

Com es­te in­ven­to, Edison cri­ou os nic­ke­lo­de­ons, apa­re­lhos que per­mi­ti­am o vi­si­o­na­men­to, in­di­vi­du­al, em re­cin­tos pú­bli­cos, des­sas imagens em mo­vi­men­to com a in­tro­du­ção de uma mo­e­da (um nic­kel) nu­ma ra­nhu­ra. Em 1894, Edison ini­ci­ou a co­mer­ci­a­li­za­ção dos ci­ne­tos­có­pi­os em No­va Ior­que, es­ten­den­do-a de­pois a ou­tras ci­da­des ame­ri­ca­nas. Ne­le se po­di­am ob­ser­var cur­tas ce­nas de te­a­tro e de vau­de­vil­le (por exem­plo, o pri­mei­ro bei­jo da his­tó­ria do ci­ne­ma pro­ta­go­ni­za­do pe­los ac­to­res de uma pe­ça en­tão em ce­na na Bro­adway, May Irwin e John C. Ri­ce), bo­xe e dan­ças exó­ti­cas. Mas uma ques­tão per­ma­ne­cia: além de de­ma­si­a­do pe­sa­das, as má­qui­nas ofe­re­ci­am imagens com fra­ca lu­mi­no­si­da­de e só po­di­am ser ace­di­das por uma pes­soa de ca­da vez.

“Edison e Dick­son che­ga­vam as­sim a um pas­so do ci­ne­ma, mas es­pan­to­sa­men­te não des­co­bri­ram a for­ma de pro­jec­tar os seus fil­mes, o que po­de­ri­am ter fei­to com meia ho­ra de re­fle­xão. As su­as ten­ta­ti­vas fa­lha­ram sem­pre por­que tal­vez não es­ti­ves­sem nisso ver­da­dei­ra­men­te em­pe­nha­dos”, es­cre­ve o his­to­ri­a­dor e crí­ti­co Hen­ri­que Alves Cos­ta em A Lon­ga Ca­mi­nha­da pa­ra a In­ven­ção do Ci­ne­ma­tó­gra­fo (ed. Ci­ne­clu­be do Por­to, 1988).

No fi­nal des­se ano de 1894, o ci­ne­tos­có­pio che­ga­va a Pa­ris, e en­tre os cu­ri­o­sos que não re­sis­ti­ram ao ape­lo da no­vi­da­de es­ta­va. An­toi­ne Lu­miè­re, que ti­nha si­do le­va­do a co­nhe­cê-lo por um ami­go pa­ri­si­en­se, Clé­ment Mau­ri­ce, que pos­suía um ate­li­er de fotografia na ci­da­de. An­toi­ne gos­tou do que viu, apres­sou-se a com­prar um des­ses apa­re­lhos e te­rá co­men­ta­do al­go do gé­ne­ro: “Os meus fi­lhos vão in­ven­tar a so­lu­ção”.

De re­gres­so a Lyon, in­cum­biu Louis e Au­gus­te de res­pon­de­rem ao de­sa­fio de, a partir da má­qui­na de Edison, cri­ar um apa­re­lho de pro­jec­ção em ecrã (co­mo acon­te­cia des­de o tem­po da lan­ter­na má­gi­ca) que des­se aces­so a es­sas imagens em mo­vi­men­to a uma pla­teia co­lec­ti­va.

De­pois de me­ses de es­tu­dos e ex­pe­ri­ên­ci­as — diz a len­da, apoi­a­da nu­ma de­cla­ra­ção pos­te­ri­or de Au­gus­te -, no es­cu­ro de uma noi­te de in­só­nia, Louis viu a luz do ci­ne­ma­tó­gra­fo. Ins­pi­ran­do-se no fun­ci­o­na­men­to das má­qui­nas de cos­tu­ra ima­gi­nou “um sis­te­ma de ar­ras­to in­ter­mi­ten­te da pe­lí­cu­la e o acer­to pre­ci­so das imagens”, atra­vés de um ino­va­dor es­que­ma de per­fu­ra­ção da ban­da de ce­lu­lói­de. “Nu­ma só noi­te, o meu ir­mão ti­nha in­ven­ta­do o ci­ne­ma­tó­gra­fo”, acres­cen­tou e re­su­miu Au­gus­te nu­ma en­tre­vis­ta em 1935.

Já o ir­mão Louis ti­nha ad­mi­ti­do que a in­ven­ção do ci­ne­ma­tó­gra­fo era al­go que “an­da­va no ar” há mui­to, co­mo atrás ilus­trá­mos. As van­ta­gens do ci­ne­ma­tó­gra­fo em re­la­ção aos apa­re­lhos “con­cor­ren­tes” à épo­ca eram evi­den­tes: era uma câ­ma­ra sim­ples e le­ve (pe­sa­va cer­ca de 5 qui­los), que não só per­mi­tia fil­mar co­mo de­pois pro­jec­tar as imagens em mo­vi­men­to.

No dia 13 de Fe­ve­rei­ro de 1895, os Lu­miè­re re­gis­ta­vam a patente do seu in­ven­to em Lyon; a 19 de Mar­ço, um domingo, Louis ro­da­va o pri­mei­ro fil­me, Saí­da dos Ope­rá­ri­os da Fá­bri­ca Lu­miè­re, e três dias de­pois exi­bia-o pe­la pri­mei­ra vez pe­ran­te uma pla­teia em Pa­ris, na So­ci­e­da­de de En­co­ra­ja­men­to pa­ra a In­dús­tria Na­ci­o­nal, acom­pa­nha­do de uma con­fe­rên­cia do in­ven­tor so­bre a in­dús­tria fo­to­grá­fi­ca e a fotografia a co­res, al­go de que já se ocu­pa­va na fá­bri­ca de Lyon.

O mo­vi­men­to cap­ta­do ao vi­vo

Se­gui­ram-se no­vas pro­jec­ções pri­va­das ao lon­go des­se ano — tem­po du­ran­te o qual os ir­mãos se apres­sa­ram a ro­dar de­ze­nas de ou­tros fil­mes na sua ci­da­de,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.