O bar­ro­co é mui­to hot

Publico - Ipsilon - - Sumário - Isa­bel Sa­le­ma (texto) Nu­no Ferreira San­tos (fo­tos)

Paulo Pires do Va­le que­ria uma sur­pre­sa no iní­cio da ex­po­si­ção de­di­ca­da a Ana Hatherly, uma das mais in­clas­si­fi­cá­veis ar­tis­tas por­tu­gue­sas, de­sa­pa­re­ci­da há dois anos. Há que con­ti­nu­ar o “jo­go”, um ter­mo que o co­mis­sá­rio há­de usar mui­to na vi­si­ta gui­a­da que nos faz à ex­po­si­ção Ana Hatherly e o Bar­ro­co, num Jar­dim Fei­to de Tin­ta, que abre ho­je na Fun­da­ção Gul­ben­ki­an, e a sur­pre­sa não dei­xa de ser “uma tác­ti­ca bar­ro­ca”.

Por isso, en­tre a cen­te­na de pe­ças saí­das da mão de Ana Hatherly que po­de­mos ver na Ga­le­ria do Pi­so In­fe­ri­or, só a sur­pre­sa é que não es­tá guar­da­da na Co­lec­ção Mo­der­na da Gul­ben­ki­an e aca­ba de che­gar do Museu de Ser­ral­ves. É uma vis­to­sa es­cul­tu­ra em ple­xi­glass, in­ti­tu­la­da Lo­om, um su­por­te “ra­ro”, qua­se des­co­nhe­ci­do, nes­ta ar­tis­ta plás­ti­ca.

“L-u-m-e”, pro­nun­cia Paulo Pires do Va­le, su­bli­nhan­do o jo­go com a pa­la­vra por­tu­gue­sa ho­mó­fo­na, aqui­lo, afi­nal, que Ana Hatherly que­ria que ou­vís­se­mos, pen­sás­se­mos ou lês­se­mos quan­do olha­mos pa­ra esta cha­ma abs­trac­ti­za­da. O co­mis­sá­rio de­fen­de nes­ta ex­po­si­ção-en­saio que Ana Hatherly — que nas su­as mui­tas vi­das foi pro­fes­so­ra uni­ver­si­tá­ria de Li­te­ra­tu­ra e um no­me li­ga­do à van­guar­da da po­e­sia vi­su-

Ana Hatherly, ar­tis­ta e aca­dé­mi­ca, nun­ca dei­xou de olhar pa­ra o bar­ro­co, e de­pois de­la o pró­prio bar­ro­co nun­ca mais foi o mes­mo. Uma am­bi­ci­o­sa ex­po­si­ção na Gul­ben­ki­an mos­tra as su­as al­mas gé­me­as do sé­cu­lo XVIII, en­tre la­bi­rin­tos e se­tas em cha­mas. A tra­di­ção es­tá sem­pre a ser rein­ven­ta­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.