Vi­a­jar sem sair do mes

Publico - Ipsilon - - Sumário - Sér­gio B. Go­mes

Em Ori­en­ta­lism and Re­ver­se, Ta­ti­a­na Ma­ce­do pro­põe vá­ri­os olha­res em ri­co­che­te. Em Xan­gai, as ja­ne­las dos au­to­car­ros in­ter­pe­la­ram-na mais por aqui­lo que não con­se­guem mos­trar. Na Ga­le­ria Car­los Car­va­lho, em Lis­boa, es­ta vi­a­gem tem o con­dão de não pre­ten­der le­var-nos a lu­gar ne­nhum.

Na tran­si­ção do mi­lé­nio, di­zia-se que era pre­ci­so al­te­rar o ma­pa de Xan­gai de três em três me­ses. A mo­der­ni­za­ção e a ve­lo­ci­da­de do pro­gres­so obri­ga­vam a re­con­fi­gu­ra­ções cons­tan­tes do es­pa­ço; o con­tex­to ur­ba­no era o de uma mu­dan­ça in­cri­vel­men­te rá­pi­da, vo­raz, im­pa­rá­vel e in­cle­men­te. A im­po­nên­cia des­ta me­ga­ló­po­le, a mai­or ci­da­de da Chi­na e uma das mai­o­res áre­as me­tro­po­li­ta­nas do mun­do, gal­gou ter­re­no até trans­for­mar os si­nais do mun­do ve­lho em zo­nas ca­ri­ca­tu­rais, jar­dins ale­gó­ri­cos, re­pre­sen­ta­ções de um quo­ti­di­a­no es­ma­ga­do; es­pa­ços tor­na­dos fei­ras de an­ti­gui­da­des; lu­ga­res vi­si­tá­veis com o en­go­do do ar­cai­co, do an­ces­tral ou do ma­tri­ci­al.

Quan­do a ar­tis­ta Ta­ti­a­na Ma­ce­do ater­rou em Xan­gai pe­la pri­mei­ra vez, em 2008, im­pres­si­o­nou-a a mas­sa de au­to­car­ros que cir­cu­la­vam pe­la ci­da­de. E, den­tro de­les, a quan­ti­da­de de pes­so­as que, com o ho­ri­zon­te blo­que­a­do, pro­cu­ra­va apon­tar o olhar pa­ra ci­ma, vi­si­tan­tes es­pan­ta­dos e à pro­cu­ra dos li­mi­tes da cons­tru­ção hu­ma­na. Fi­cou des­per­ta pa­ra o ras­to des­tes “ob­ser­va­do­res das al­tu­ras” até que per­ce­beu que mui­tas des­sas “la­gar­tas me­câ­ni­cas” ti­nham co­mo des­ti­no zo­nas da ci­da­de on­de per­ma­ne­cem os res­tos de um pa­no­ra­ma tor­na­do exó­ti­co.

Mo­vi­da por es­ta re­ve­la­ção nu­ma ci­da­de em cons­tan­te mu­dan­ça, des­co­briu em Pu­dong (cen­tro fi­nan­cei­ro e co­mer­ci­al da Chi­na) um des­cam­pa­do em ter­ra ba­ti­da trans­for­ma­do em par­que de es­ta­ci­o­na­men­to, uma es­pé­cie de ter­ra de nin­guém tran­si­tó­ria aon­de re­gres­sou vá­ri­as ve­zes e a par­tir da qual se mo­vi­men­ta­vam gru­pos de chi­ne­ses an­si­o­sos por co­nhe­cer o que ain­da res­ta da “ci­da­de ve­lha”. Foi aí, num bal­dio que pro­va­vel­men­te já não exis­te, que apon­tou a câ­ma­ra pa­ra as ja­ne­las de au­to­car­ros, não pa­ra en­con­trar os tu­ris­tas chi­ne­ses que olha­vam pa­ra ci­ma, mas pa­ra ob­ser­var a ri­que­za plás­ti­ca des­tas cáp­su­las au­to­mó­veis de cor­ti­nas dra­pe­a­das e a con­tra­di­ção sim­bó­li­ca po­ten­ci­a­da pe­la imo­bi­li­da­de de um meio cu­ja exis­tên­cia se jus­ti­fi­ca ape­nas pe­lo mo­vi­men­to que, ilu­so­ri­a­men­te, lhes per­mi­te vi­a­jar no tem­po e os co­lo­ca no meio de dois mun­dos de­si­guais e em cho­que.

Xan­gai é uma ci­da­de on­de os con­tras­tes se no­tam a ca­da pas­so, não se can­sou de di­zer Ta­ti­a­na Ma­ce­do em con­ver­sa com o Íp­si­lon, no meio de uma sa­la com uma dú­zia de fo­to­gra­fi­as que, à pri­mei­ra vis­ta, pa­re­cem con­tra­ri­ar aqui­lo que afir­ma (não têm con­tex­to, mos­tram um te­ma re­pe­ti­ti­vo, pon­tos de vis­ta mui­to pa­re­ci­dos.). “A ex­pe­ri­ên­cia de es­tar na Chi­na, nu­ma ci­da­de co­mo es­ta, fez-me sen­tir es­se enor­me con­tras­te en­tre a an­ti­gui­da­de e a mo­der­ni­da­de. Ape­sar de to­da a os­ten­ta­ção, os há­bi­tos quo­ti­di­a­nos ain­da têm mui­to de ru­di­men­tar; à noi­te, as pes­so­as an­dam de pi­ja­ma na rua e fa­zem uma vi­da co­mo se es­ti­ves­sem nu­ma al­deia ou num sí­tio mais pe­que­no. No en­tan­to, a for­ça do pro­gres­so é tão gran­de que es­te ti­po de vi­vên­cia aca­ba por ser es­ma­ga­da. É im­por­tan­te, no en­tan­to, per­ce­ber que há sem­pre alguém que re­sis­te a tu­do is­to.”

A ar­tis­ta ex­pli­ca que lu­ga­res co­mo es­te em Xan­gai são “al­ta­men­te tu­rís­ti­cos” e são so­bre­tu­do pro­cu­ra­dos por chi­ne­ses vin­dos de to­das as re­giões do país. Ou se­ja, “olha­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.