Luís Fi­li­pe Ro­cha mos­tra as Ro­sas de Er­me­ra que Zeca nun­ca viu

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Em 1939, os ir­mãos João e Jo­sé Afonso dos San­tos vão de Mo­çam­bi­que pa­ra Coim­bra pa­ra aí re­a­li­za­rem os seus es­tu­dos, en­quan­to os pais, o juíz Jo­sé Ne­po­mu­ce­no Afonso e Ma­ria das Do­res, e a fi­lha mais no­va, Ma­ria, vi­a­jam pa­ra Ti­mor-Les­te on­de o pai ha­via si­do co­lo­ca­do. A eclo­são da Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al vi­rá se­pa­rar a família du­ran­te al­guns anos, com os pais e Ma­ria a se­rem even­tu­al­men­te in­ter­na­dos nos cam­pos de con­cen­tra­ção cri­a­dos pe­los ja­po­ne­ses em Ti­mor-Les­te. É uma pe­que­na his­tó­ria “per­di­da” na gran­de his­tó­ria da re­la­ção en­tre Por­tu­gal e Ti­mor, que Luís Fi­li­pe Ro­cha ( Cer­ro­mai­or, A Pas­sa­gem da Noi­te, Cin­zen­to e Ne­gro) con­ta no do­cu­men­tá­rio Ro­sas de Er­me­ra, cu­jo título vem das ro­sas da­que­la lo­ca­li­da­de ti­mo­ren­se. É, tam­bém, uma his­tó­ria es­que­ci­da da vi­da do íco­ne da mú­si­ca por­tu­gue­sa Jo­sé Afonso (1929-1987), o mes­mo Jo­sé Afonso dos San­tos que es­ta­va em Coim­bra e não te­ve no­tí­ci­as dos pais du­ran­te três anos. Pro­du­zi­do pe­la Fa­do Fil­mes de Luís Gal­vão Te­les e es­tre­a­do na úl­ti­ma edi­ção do In­di­eLis­boa, Ro­sas de Er­me­ra che­ga ago­ra ao cir­cui­to co­mer­ci­al de sa­las atra­vés da Le­o­par­do Fil­mes, num pro­gra­ma de ses­sões es­pe­ci­ais acom­pa­nha­das por Luís Fi­li­pe Ro­cha du­ran­te o mês de No­vem­bro. O re­a­li­za­dor es­ta­rá pre­sen­te em to­das as pro­jec­ções pa­ra con­ver­sar com o pú­bli­co e com con­vi­da­dos pon­tu­ais. O ar­ran­que é já dia 11 no Mo­nu­men­tal, em Lis­boa, com a pre­sen­ça de João Afonso, com uma se­gun­da ses­são lis­bo­e­ta a 14 com a jor­na­lis­ta Ana Sou­sa Di­as. Es­tão igual­men­te anun­ci­a­das

Ch­ro­ni­que d’un été (1961, di­ri­gi­do com Ed­gar Mo­rin)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.