O mai­or elo­gio é ig­no­rar a sua pre­sen­ça

Publico - Ipsilon - - Sumário -

So­pro foi cons­truí­do pa­ra co­lo­car no cen­tro Cristina Vi­dal, pon­to do Te­a­tro Na­ci­o­nal. Uma no­va “he­roí­na” fe­mi­ni­na pa­ra o te­a­tro de Ti­a­go Rodrigues.

Cristina Vi­dal fa­la sem que lhe oi­ça­mos a voz. Mas diz-nos, por exem­plo, co­mo foi ca­ti­va­da pa­ra So­pro, pa­ra su­bir a um pal­co, à vis­ta de to­dos, quan­do o mai­or elo­gio que se po­de fa­zer ao seu tra­ba­lho é ig­no­rar a sua pre­sen­ça. “A mi­nha gló­ria é nin­guém sa­ber que exis­to. Sou a úni­ca pes­soa do te­a­tro pa­ra quem re­ce­ber cum­pri­men­tos do pú­bli­co é um fra­cas­so”, revela atra­vés da es­cri­ta de Ti­a­go Rodrigues e da voz de Be­a­triz Brás du­ran­te a pe­ça que tro­ca por com­ple­to as vol­tas à pro­fis­são a que se de­di­ca há 39 anos — 25 dos quais no Te­a­tro Na­ci­o­nal Do­na Ma­ria II.

So­pro co­me­ça por re­gis­tar o pri­mei­ro en­con­tro en­tre Cristina Vi­dal e Ti­a­go Rodrigues, num ca­fé jun­to ao Do­na Ma­ria II, a fim de pu­xar o pú­bli­co pa­ra o iní­cio des­ta im­pro­vá­vel su­bi­da ao pal­co de quem se de­di­ca a uma pro­fis­são em vi­as de ex­tin­ção, uma ver­da­dei­ra ra­ri­da­de ho­je em ter­ri­tó­rio eu­ro­peu. Só de­pois des­sa dis­cus­são pré­via, he­si­tan­te ain­da sobre o ru­mo a dar ao es­pec­tá­cu­lo, as vi­a­gens no tem­po co­me­çam a to­mar con­ta da pe­ça, as me­mó­ri­as de Cristina a agi­tar-se e a ser re­cri­a­das co­mo se, no es­pa­ço da­que­las no­ve chá­ve­nas de ca­fé que le­va a ser con­ven­ci­da a en­trar em So­pro, a in­cer­te­za qu­an­to ao de­sa­fio que lhe é pro­pos­ta es­ti­ves­se sem­pre a ser atra­ves­sa­da por al­gu­mas das mais for­tes re­cor­da­ções que gu­ar­da des­te seu ofí­cio, em que di­vi­de a aten­ção en­tre o texto e o ac­tor / a ac­triz em ce­na.

“Acei­tei ime­di­a­ta­men­te, não fo­ram ne­ces­sá­ri­os os no­ve ca­fés”, ri-se a pon­to do Te­a­tro Na­ci­o­nal após a es­treia do es­pec­tá­cu­lo em Avig­non. “Mais tar­de ar­re­pen­di­me vá­ri­as ve­zes, por­que acha­va que não ia con­se­guir fa­zer aqui­lo que o Ti­a­go es­pe­ra­va de mim, por­que acha­va que as ex­pec­ta­ti­vas de­le iri­am fi­car go­ra­das e ti­nha mui­to me­do. Só que já ti­nha di­to que sim, e a pa­la­vra pa­ra mim é a coi­sa mais im­por­tan­te. Não há con­tra­tos es­cri­tos que va­lham tan­to qu­an­to di­zer sim.” Não po­de­ria, de fac­to, ser de ou­tra ma­nei­ra. A pa­la­vra é a ma­té­ria de tra­ba­lho de Cristina Vi­dal e o seu va­lor é al­go de in­vi­o­lá­vel.

Se So­pro as­sen­ta, nu­ma pri­mei­ra li­nha, na me­mó­ria da­qui­lo que acon­te­ceu — mais ou me­nos trans­for­ma­do pe­la es­cri­ta —, há tam­bém al­go de es­pe­ci­al­men­te be­lo pa­ra Ti­a­go Rodrigues na “me­mó­ria do que não acon­te­ceu”. “Es­te es­pec­tá­cu­lo é, de al­gu­ma for­ma, uma ten­ta­ti­va de com­ple­tar al­go que não acon­te­ceu.” Ti­a­go re­fe­re-se às fa­las que Cristina ale­ga­da­men­te nun­ca es­que­ceu (no ca­so de acei­tar­mos a ve­ra­ci­da­de da his­tó­ria), de uma ac­triz que não as con­se­guiu di­zer em pal­co, num sin­to­ma de um car­re­ga­do dra­ma pes­so­al, e que fi­ca­ram pa­ra sem­pre pen­du­ra­das na vi­da da pon­to, co­mo uma pe­ça fo­ra do sí­tio, uma cons­tan­te sen­sa­ção de al­go de­sar­ru­ma­do e, até ago­ra, im­pos­sí­vel de cor­ri­gir.

Es­sa ideia, no en­tan­to, lem­bra tam­bém o en­ce­na­dor da­qui­lo que acon­te­ce no fi­nal dos es­pec­tá­cu­los do Te­a­tro Na­ci­o­nal, de uma ima­gem que o co­mo­ve e a que as­sis­tiu em vá­ri­as oca­siões, quan­do Cristina Vi­dal ou João Co­e­lho (os dois pon­tos da ca­sa) se di­ri­gem aos ac­to­res pa­ra os “re­lem­brar da­qui­lo que não dis­se­ram, fa­zer-lhes a lis­ta das coi­sas que não acon­te­ce­ram na­que­la noi­te”. “Sem­pre achei que is­so ti­nha uma força poé­ti­ca mui­to gran­de”, ad­mi­te.

A des­lo­ca­ção de Cristina Vi­dal pe­lo pal­co, ‘pon­tan­do’ co­mo ha­bi­tu­al­men­te, mas à vis­ta do pú­bli­co, e di­ri­gin­do ca­da mar­ca­ção dos ac­to­res, faz com que a sua pre­sen­ça si­len­ci­o­sa, em­bo­ra or­bi­tan­do em tor­no dos ou­tros, se tor­ne al­go de cen­tral em So­pro. Daí que Ti­a­go Rodrigues se sin­ta ten­ta­do a co­lo­car es­ta pe­ça ao la­do de ou­tras co­mo By He­art, Ifi­gé­nia (a sua re­es­cri­ta do clás­si­co de Eu­rí­pe­des), Bo­vary ou Co­mo Ela Mor­re (a par­tir de An­na Ka­ré­ni­na, de Tols­toi) co­mo um texto que ele­ge uma fi­gu­ra fe­mi­ni­na co­mo “he­roí­na”, co­mo cen­tro ne­vrál­gi­co de to­da a ac­ção.

No ema­ra­nha­do de fac­tos e fic­ções, não é cla­ro, nem im­por­tan­te, per­ce­ber o que é re­al ou o que é fal­so. Tal­vez mui­tos mo­men­tos se­jam am­bos, em si­mul­tâ­neo. O que é ine­qui­vo­ca­men­te ver­da­de é que uma mu­lher que nun­ca te­ve o me­nor de­se­jo de es­tar em ce­na es­tá de fac­to a pi­sar as tá­bu­as do pal­co e a vi­ver um acon­te­ci­men­to bi­o­grá­fi­co. Es­sa par­te não é fal­sa. Es­tá mes­mo a acon­te­cer à nos­sa fren­te. G.F.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.