“Já não te­nho mui­ta pa­ci­ên­cia pa­ra fil­mar”

Publico - Ipsilon - - Sumário -

len­to do que eu a fil­mar, ele vai em 13 fil­mes e eu em 19”: “Há coi­sa de um ano, tal­vez mais, ele dis­se que ia dei­xar de fil­mar, e eu dis­se-lhe «se tu pa­ra­res de fil­mar eu tam­bém pá­ro, por­que dei­xo de ter ra­zão pa­ra con­ti­nu­ar». E de­pois sou­be que ele es­ta­va a fa­zer dois fil­mes [ Gim­me Dan­ger e Pa­ter­son]. E eu dis­se ‘Mer­da, ago­ra te­nho que fa­zer pe­lo me­nos mais um’.”

Ver­da­de ou men­ti­ra, ou ver­da­de e men­ti­ra? O sen­ti­do de hu­mor e a se­ri­e­da­de são equi­va­len­tes no pe­cu­li­ar uni­ver­so de Kau­rismä­ki, que gos­ta de fa­lar de coi­sas mui­to sé­ri­as com mui­ta gra­ça e de coi­sas mui­to en­gra­ça­das com mui­ta se­ri­e­da­de. E a con­ver­sa es­tá sem­pre a res­va­lar pa­ra ou­tros te­mas. Pa­ra o fu­te­bol, por exem­plo — às tan­tas fa­la-se do jo­go com que Por­tu­gal ga­nhou o Eu­ro 2016, que Kau­rismä­ki, que vi­ve des­de há 25 anos me­ta­de do ano em Vi­a­na do Cas­te­lo, viu na Fin­lân­dia. “É im­pos­sí­vel fa­zer um fil­me sobre o fu­te­bol,” diz, “por­que o desporto é al­go de mui­to com­pli­ca­do. Veja o ténis: uma coi­sa é ver ténis na te­le­vi­são, por­que há sus­pen­se em di­rec­to, mas ten­te lá fa­zer um fil­me de ficção sobre o ténis! Os ian­ques bem ten­tam, mas nun­ca con­se­guem. O úni­co fil­me bom que se fez sobre fu­te­bol na his­tó­ria da ci­ne­ma cha­ma-se Two Half-Ti­mes in Hell [Zol­tan Fa­bri, 1962], é um fil­me hún­ga­ro sobre um jo­go de fu­te­bol num cam­po de con­cen­tra­ção, en­tre os pri­si­o­nei­ros e os guar­das.”

Mais à fren­te, fa­la-se da he­ran­ça do ci­ne­ma clás­si­co que o ci­ne­ma de Kau­rismä­ki assume aber­ta­men­te: na con­fe­rên­cia de im­pren­sa, o fin­lan­dês evo­ca­ra A Gran­de Ilu­são (1937) de Je­an Re­noir co­mo “a ten­ta­ti­va de Re­noir de parar a Se­gun­da Gu­er­ra Mun­di­al”, du­ran­te a con­ver­sa evo­ca os co­me­di­an­tes Lau­rel & Hardy — Bu­cha & Es­ti­ca — fa­lan­do de Os Fi­lhos do De­ser­to (1933) e Ma­ri­nhei­ros à Força (1940) co­mo fil­mes que par­ti­lham te­mas “por­tuá­ri­os” com a su­pos­ta “tri­lo­gia dos por­tos”. “Os bar­cos sem­pre me fas­ci­na­ram, e os por­tos eram mui­to mais sim­pá­ti­cos do que os ae­ro­por­tos são ho­je em dia”, diz.

A re­fe­rên­cia a Lau­rel & Hardy não é, cla­ro, ca­su­al: é pre­ci­sa­men­te es­se hu­mor bur­les­co, se­co que Kau­rismä­ki man­tém vivo na sua con­ver­sa e no seu ci­ne­ma. Exem­plos pos­sí­veis ao lon­go de 30 mi­nu­tos com um jor­na­lis­ta por­tu­guês, um is­ra­e­li­ta e um po­la­co, num dos sa­lões do Sa­voy, pe­que­no ho­tel de bair­ro com um ar de Ber­lim pré-mu­ro. (É o ho­tel on­de Kau­rismä­ki fi­ca sem­pre em Ber­lim, pe­la con­ve­ni­ên­cia de es­tar si­tu­a­do mes­mo em fren­te ao ci­ne­ma Delphi, “cen­tro ne­vrál­gi­co” da sec­ção pa­ra­le­la Fo­rum, on­de o re­a­li­za­dor já foi se­lec­ci­o­na­do por no­ve ve­zes — O Ou­tro La­do da Es­pe­ran­ça foi o seu pri­mei­ro título na com­pe­ti­ção ofi­ci­al da Ber­li­na­le.)

Per­gun­ta: “Por­que é que fez ques­tão que o fil­me fos­se exi­bi­do em 35mm?”

Res­pos­ta: “Por­que não ti­ve di­nhei­ro pa­ra o fa­zer em 70mm.”

Per­gun­ta: “Por­que é que fil­ma tan­to em res­tau­ran­tes?”

Res­pos­ta: “Tal­vez por­que pas­sei a mi­nha vi­da adul­ta em ba­res e tas­cas.”

Per­gun­ta: “Uma vez dis­se que me­ta­de dos seus fil­mes eram fei­tos con­si­go bê­ba­do e me­ta­de con­si­go só­brio.”

Res­pos­ta: “É ver­da­de e é mui­to es­qui­si­to. Fiz os fil­mes mais in­te­li­gen­tes com­ple­ta­men­te bê­ba­do e os mais sen­sa­tos com­ple­ta­men­te só­brio. Não sei ex­pli­car. Mas pos­so re­a­li­zar em qual­quer con­di­ção.”

Per­gun­ta: “O seu sen­ti­do de hu­mor é mui­to par­ti­cu­lar.”

Res­pos­ta: “É o úni­co que te­nho e nas­ci com ele.”

Per­gun­ta: “Se es­te fil­me fos­se no­me­a­do pa­ra o Ós­car acei­ta­va?”

Res­pos­ta: “A ques­tão nem se­quer se põe, es­te fil­me nun­ca se­rá pro­pos­to aos Ós­ca­res.” (Kau­rismä­ki boi­co­tou a ce­ri­mó­nia quan­do O Ho­mem sem Pas­sa­do foi no­me­a­do pa­ra Me­lhor Fil­me Es­tran­gei­ro em 2003, so­li­ci­tou que Lu­zes no Cre­pús­cu­lo fos­se re­ti­ra­do co­mo no­me­a­do fin­lan-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.