Amé­ri­ca, uma ale­go­ria trá­gi­ca

Publico - Ipsilon - - Sumário -

O que faz de al­guém ame­ri­ca­no?

A Es­tra­da Sub­ter­râ­nea acon­te­ce

num pas­sa­do es­tra­nha­men­te

pre­sen­te.

“De­zas­seis anos; era a ida­de que Co­ra cal­cu­la­va ter”; nas­ce­ra nu­ma plan­ta­ção de al­go­dão na Geór­gia, um lu­gar no qual o úni­co so­nho possível a um ne­gro co­mo ela era fu­gir, mas “es­ca­par aos li­mi­tes da plan­ta­ção se­ria es­ca­par aos prin­cí­pi­os fun­da­men­tais da exis­tên­cia; im­pos­sí­vel.” Co­ra já ou­vi­ra his­tó­ri­as de fu­ga e da cru­el­da­de ili­mi­ta­da im­pos­ta ao fu­gi­ti­vo após a cap­tu­ra, até que um dia al­guém lhe su­ge­riu fu­gir. O im­pos­sí­vel tor­na-se a par­tir daí uma ob­ses­são, a de uma ideia de li­ber­da­de que vai ga­nhan­do cor­po pa­ra se tor­nar um or­ga­nis­mo vivo mo­de­la­dor da exis­tên­cia.

Co­ra é uma es­cra­va na Amé­ri­ca de me­a­dos do sé­cu­lo XIX e a pro­ta­go­nis­ta de A Es­tra­da Sub­ter­râ­nea, ro­man­ce de Col­son Whi­teha­ed que em 2016 ar­re­ca­dou o Pu­lit­zer e o Na­ti­o­nal Bo­ok Award. A crí­ti­ca não pou­pou na ad­jec­ti­va­ção pa­ra qua­li­fi­car o sex­to ro­man­ce do no­vai­or­qui­no de 47 anos: ar­re­ba­ta­dor, bru­tal, ful­gu­ran­te, poderoso, brilhante, pun­gen­te, elec­tri­zan­te, de­vas­ta­dor. A que se de­ve tu­do is­to? A uma nar­ra­ti­va que des­mon­ta a iden­ti­da­de de um país a par­tir do mo­do co­mo pôs em prá­ti­ca uma pre­mis­sa: a de que ser bran­co num ter­ri­tó­rio no­vo lhe con­fe­re o poder sobre qual­quer ou­tro po­vo em no­me da gran­de­za de um país. Os ecos des­ta pre­mis­sa fun­da­do­ra — co­mo a en­ca­ra Col­son Whi­tehe­ad — pa­re­cem ho­je mui­to vi­vos nu­ma Amé­ri­ca on­de a su­pre­ma­cia bran­ca vol­tou a ser uma car­ta que não se esconde no jo­go de to­nar a Amé­ri­ca gran­de. Num ro­man­ce que se lê co­mo uma aven­tu­ra, Whi­tehe­ad con­se­guiu cri­ar um in­có­mo­do mui­to pre­sen­te.

A par­tir de uma per­so­na­gem fe­mi­ni­na e de uma his­tó­ria mí­ti­ca acer­ca da exis­tên­cia de um ca­mi­nho sub­ter­râ­neo de fu­ga que cru­za­va os estados unin­do a imen­si­dão do país, te­ce uma re­de dra­má­ti­ca que se lê com o ful­gor e o sus­pen­se de uma his­tó­ria de aven­tu­ras, mas se vai re­ve­lan­do sem­pre mais do que is­so. Da des­cri­ção do que é uma plan­ta­ção no Sul, com as atro­ci­da­des e um pro­gra­ma de ri­que­za as­so­ci­a­dos, à fan­ta­si­o­sa ideia de uma li­nha de fu­ga que em mui­tos pon­tos se apro­xi­ma do que se po­de con­si­de­rar re­a­lis­mo má­gi­co, à ora­li­da­de dos con­tos afri­ca­nos. É im­pos­sí­vel não lem­brar To­ni Mo­ris­son em Be­lo­ved co­mo mui­tos au­to­res que es­cre­ve­ram com ba­se em tes­te­mu­nhos de es­cra­vos. Per­gun­ta-se e o que tem is­so de no­vo? É bem escrito, de um re­a­lis­mo per­tur­ban­te e ser­ve-lhe pa­ra o que vem a seguir: a fu­ga pe­lo ca­mi­nho-de-ferro se­cre­to em di­rec­ção a um Nor­te olha­do co­mo o so­nho dos es­cra­vos. Ali a li­ber­da­de se­ria possível. Que li­ber­da­de?

Co­ra co­nhe­ce as pa­la­vras dos abo­li­ci­o­nis­tas, de ca­ça­do­res de es­cra­vos, de cientistas que que­rem con­tro­lar a po­pu­la­ção ne­gra atra­vés da es­te­ri­li­za­ção de mu­lhe­res. Sa­be de ou­tro ti­po de me­do, da di­men­são da am­bi­ção num país que des­co­nhe­ce. “Di­go sem­pre que, se qui­se­rem ver co­mo é es­ta na­ção, têm de an­dar pe­los car­ris. Olhem pa­ra fo­ra à me­di­da que fo­rem ga­nhan­do ve­lo­ci­da­de e irão ver o ver­da­dei­ro ros­to da Amé­ri­ca”, diz-lhe Lum­bly, o con­du­tor do va­gão on­de vi­a­ja no es­cu­ro, de­bai­xo do chão.

As pa­la­vras de Lum­bley pas­sam a ser uma es­pé­cie de co­ro gre­go na men­te de Co­ra. O en­ge­nho de Whi­tehe­ad es­tá no mo­do co­mo faz com que o so­nho de Co­ra não se­ja só mais um e a sua ex­pe­ri­ên­cia só mais uma en­tre es­cra­vos nu­ma ale­go­ria ao que é a Amé­ri­ca e o seu so­nho so­nha­do sobre es­com­bros, en­tre eles o ge­no­cí­dio dos ín­di­os ame­ri­ca­nos que Col­son con­vo­ca pa­ra o seu li­vro por­que tam­bém pas­sou por eles o im­pe­ra­ti­vo.

Uma no­ta: a tra­du­ção por­tu­gue­sa tem fa­lhas e retira poder ao li­vro. I.L.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.