Ou raí­so

Publico - Ipsilon - - Sumário - Sér­gio B. Gomes

Pe­la des­cri­ção de Lu Nan, o es­pa­ço era mui­to com­pri­do. Tal­vez um cor­re­dor. De um la­do uma fi­la de ja­ne­las, do ou­tro uma pa­re­de. O fo­tó­gra­fo abriu os bra­ços pa­ra de­mons­trar co­mo a pas­sa­gem era es­trei­ta. E pa­ra lembrar uma si­tu­a­ção que vi­veu em 1989, lo­go na pri­mei­ra vez que en­trou num hos­pi­tal psi­quiá­tri­co pa­ra fo­to­gra­far, epi­só­dio que aba­la­ria os seus pre­con­cei­tos em re­la­ção aos do­en­tes men­tais e co­lo­ca­ria em de­fi­ni­ti­vo o fo­co do seu tra­ba­lho num su­jei­to tão im­pre­ci­so quan­to ri­co: as pes­so­as.

Lu Nan en­trou nes­sa ala e viu um do­en­te mui­to al­to e en­tron­ca­do de­bru­ça­do so­bre o pa­ra­pei­to de uma ja­ne­la. Con­ti­nu­ou. Ti­nha a câ­ma­ra ao pei­to, mas sen­tiu que não era o mo­men­to de fo­to­gra­far. Per­ce­beu que o ho­mem o fi­xa­va com o olhar até que co­me­çou a ca­mi­nhar na sua di­rec­ção. Era “ex­tra­or­di­na­ri­a­men­te al­to e for­te”. Pen­sou em sair da­li, mas te­meu “ma­go­ar” es­te ho­mem, co­mo se o seu ges­to sig­ni­fi­cas­se fu­gir de uma as­som­bra­ção. Fo­ge, não fo­ge, Lu Nan fi­cou con­ge­la­do. E o ho­mem apro­xi­mou-se de tal ma­nei­ra de si que, mes­mo que qui­ses­se, já não lhe era pos­sí­vel le­van­tar a câ­ma­ra e fo­car. Bai­xou os olhos à es­pe­ra do im­pac­to, de um soco que lhe po­de­ria ati­rar a ca­be­ça con­tra a pa­re­de. (“Pen­sei, es­tu­pi­da­men­te, que po­de­ria fi­car com da­nos ce­re­brais pa­ra sem­pre.”) Fe­chou os olhos, dei­xou de ver. Pas­sa­ram al­guns se­gun­dos. O fo­tó­gra­fo à es­pe­ra de ser agre­di­do. Mas na­da, ne­nhum em­pur­rão, ne­nhum soco. Lu Nan le­van­tou en­tão a ca­be­ça e o que viu foi um bra­ço estendido pa­ra um aper­to de mão.

Há di­as, no meio de um cor­re­dor lar­go no Mu­seu Co­lec­ção Be­rar­do, em Lisboa, o fo­tó­gra­fo (Pe­quim, 1962), bai­xo e en­tron­ca­do, re­cor­dou num man­da­rim si­bi­la­do (tra­du­zi­do pa­ra in­glês em tem­po re­al por Liu Num hos­pi­tal men­tal em Ti­an­jin, sem­pre que sen­tia al­guém à sua fren­te um pa­ci­en­te cego (à esq.) re­pe­tia: “Eles mal­tra­tam-me!” À fal­ta de lu­ga­res de cul­to se­cu­la­res, mui­tos cris­tãos chi­ne­ses ma­ni­fes­tam a sua de­vo­ção em ca­sa. Ao cen­tro, mu­lher cris­tã, em Sha­an­xi. Lu Nan es­te­ve se­te anos no Ti­be­te, on­de pro­cu­rou os si­nais das es­ta­ções do ano

O ho­mem quer ser in­vi­sí­vel, mas a fo­to­gra­fia que faz não dei­xa. O ho­mem quer mis­tu­rar-se com o que vê e con­se­gue. Da de­so­la­ção re­sig­na­da nos hos­pi­tais psi­quiá­tri­cos chi­ne­ses à har­mo­nia trans­cen­den­te ti­be­ta­na, Lu Nan an­dou a es­cre­ver uma di­vi­na comédia em ima­gens du­ran­te 15 anos sem sa­ber. Tri­lo­gia 1989-2004, no Mu­seu Be­rar­do, até 14 de Ja­nei­ro.

Zhen e pos­te­ri­or­men­te pa­ra por­tu­guês por Mingyu Wu) pormenores do mo­men­to (“es­sa frac­ção de se­gun­do”) em que as idei­as fei­tas que le­va­va pa­ra aque­les lu­ga­res som­bri­os se des­fi­ze­ram co­mo um cas­te­lo de cartas. De um la­do e de ou­tro das pa­re­des há de­ze­nas de fo­tos cap­ta­das em hos­pi­tais psi­quiá­tri­cos, em ca­sas de fa­mí­li­as com do­en­tes men­tais e nas ru­as por on­de va­guei­am aque­les pa­ra quem já se es­go­ta­ram as soluções. É a pri­mei­ra par­te de uma lon­ga ca­mi­nha­da que de­mo­rou 15 anos a con­cre­ti­zar, o pri­mei­ro to­mo de uma tri­lo­gia que tam­bém le­vou Lu Nan até jun­to das co­mu­ni­da­des que tei-

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.