Por es­te li­vro aci­ma

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um con­jun­to de es­bo­ços a que fal­ta um gol­pe qual­quer pa­ra uni­fi­car tu­do e con­fe­rir a tu­do um sen­ti­do úl­ti­mo.

Por Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Quan­tas ma­nei­ras há de fil­mar a Pe­re­gri­na­ção, qu­an­tos fil­mes (e quais fil­mes) se po­dem fa­zer com o tex­to de Fer­não Mendes Pin­to? Es­ta adap­ta­ção de João Bo­te­lho, que vem na sequên­cia de ou­tros fil­mes ba­se­a­dos em tex­tos fun­da­men­tais da li­te­ra­tu­ra por­tu­gue­sa, co­mo o Fil­me do De­sas­sos­se­go e Os Mai­as (pa­ra não fa­lar das vá­ri­as in­cur­sões de Bo­te­lho por es­te pa­tri­mó­nio em mo­men­tos di­fe­ren­tes da sua obra), pa­re­ce a cer­ta al­tu­ra fa­zer es­tas per­gun­tas, e fun­ci­o­nar co­mo se es­ti­ves­se a pro­por res­pos­tas prá­ti­cas. E en­tre elas, é co­mo se só uma hi­pó­te­se es­ti­ves­se li­mi­nar­men­te ex­cluí­da, a do épi­co so­le­ne­men­te pa­trió­ti­co à la ci­ne­ma do Es­ta­do No­vo, com que a Pe­re­gri­na­ção de Bo­te­lho em mo­men­to al­gum se pa­re­ce. Pa­ra lá dis­so, a res­pos­ta que o fil­me dá é: mui­tas, há mui­tas ma­nei­ras de fil­mar a Pe­re­gri­na­ção.

Fil­mar, por exem­plo, e num as­pec­to que mui­to se li­ga a pre­o­cu­pa­ções an­ti­gas da obra de Bo­te­lho, o tex­to to­ma­do na sua ma­te­ri­a­li­da­de, o atri­to cau­sa­do pe­la re­la­ção com a dic­ção e o re­gis­to dos ac­to­res, o ima­gi­ná­rio ne­le con­ti­do e a sua re­pro­du­ção em for­ma de es­pec­tá­cu­lo. É, di­ga­mos, o la­do “oli­vei­ri­a­no” de João Bo­te­lho, que apro­xi­ma Pe­re­gri­na­ção de al­guns mo­men­tos em que Manoel de Oli­vei­ra se de­di­cou a en­ce­nar, com aque­les ti­pos de ar­ti­fí­cio e va­ci­la­ção do “re­al” de que só ele ti­nha o segredo, mo­men­tos de­ter­mi­nan­tes da his­tó­ria de Por­tu­gal e, so­bre­tu­do, dos seus re­la­tos - pen­sa­mos num fil­me co­mo Non ou a Vã Gló­ria de Man­dar, e par­ti­cu­lar­men­te, por ra­zões de con­tex­to his­tó­ri­co, no seg­men­to ba­se­a­do na Ilha dos Amo­res. Ou en­tão, mais sur­pre­en­den­te, pe­gar no tex­to pe­las pe­ri­pé­ci­as, pe­lo re­la­to aven­tu­ro­so, co­mo se fos­se oca­sião pa­ra um swash­buc­kler à por­tu­gue­sa, uma res­pos­ta lusitana aos Pi­ra­tas das Ca­raí­bas (quan­do Cláu­dio da Sil­va apa­re­ce no al­ter ego pi­ra­ta de Fer­não Mendes Pin­to as se­me­lhan­ças fí­si­cas com Johnny Depp são mais que mui­tas, o que po­de ser coin­ci­dên­cia mas tam­bém po­de não ser.), com­ple­ta com o ma­ra­vi­lho­so exó­ti­co e tu­do (os pla­nos da na­tu­re­za, pai­sa­gens, ani­mais, fil­ma­dos in lo­co em ter­ras asiá­ti­cas). Ou fi­nal­men­te, a me­lhor ideia de to­das: o mu­si­cal, a par­tir das can­ções de Faus­to do Por Es­te Rio Aci­ma (um dis­co que, de cer­ta for­ma, é tam­bém uma “adap­ta­ção” da Pe­re­gri­na­ção), que aqui fun­ci­o­nam com um coro, si­mul­ta­ne­a­men­te “den­tro” e “fo­ra” do ar­co nar­ra­ti­vo. Tan­tas idei­as, tan­tas hi­pó­te­ses: é fi­nal­men­te o que tor­na Pe­re­gri­na­ção uma ex­pe­ri­ên­cia frus­tran­te, o fil­me pa­re­cer es­vo­a­çar en­tre to­das as su­as pos­si­bi­li­da­des sem abo­ca­nhar de­ci­di­da­men­te ne­nhu­ma, a sua ima­gi­na­ção a de­sem­bo­car num con­jun­to de es­bo­ços a que fal­ta um gol­pe qual­quer pa­ra uni­fi­car tu­do e con­fe­rir a tu­do um sen­ti­do úl­ti­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.