A in­crí­vel e tris­te his­tó­ria de Em­ma Reyes e das frei­ras de­sal­ma­das

Publico - Ipsilon - - Sumário - Jo­sé Ri­ço Di­rei­ti­nho

O Li­vro de Em­ma Reyes Em­ma Reyes Qu­et­zal

Ao lon­go de 23 cartas que a pin­to­ra co­lom­bi­a­na Em­ma Reys (n. 1919) escreve ao seu ami­go e com­pa­tri­o­ta Ger­mán Ar­ci­ni­e­gas, en­saís­ta, po­lí­ti­co e his­to­ri­a­dor, ela con­ta a sua in­fân­cia mi­se­rá­vel num bair­ro de San Cris­tó­bal, em Bogotá, no iní­cio dos anos 1920, e tam­bém na clau­su­ra de um convento on­de vi­veu mais de uma de­ze­na de anos. O Li­vro de Em­ma Reys - Me­mó­ria por Cor­res­pon­dên­cia, pu­bli­ca­do por cá pe­la Qu­et­zal, reú­ne es­sas cartas co­me­ça­das a es­cre­ver em 1969 (da­tan­do a úl­ti­ma de 1997), e que só pu­de­ram ser pu­bli­ca­das (por von­ta­de ex­pres­sa da au­to­ra) após a sua mor­te, que ocor­reu em 2003, em Bor­déus. A pri­mei­ra edi­ção da com­pi­la­ção, na Colôm­bia, da­ta de 2012. Tal­vez o que mais im­pres­si­o­ne nes­te li­vro, e qua­se tan­to co­mo as his­tó­ri­as da in­fân­cia mi­se­rá­vel de uma mu­lher, nar­ra­da por ela pró­pria, é a au­sên­cia de ran­co­res e de res­sen­ti­men­tos, sem con­de­nar al­guém nem sen­tir pe­na de si pró­pria; is­to pa­ra além da par­ti­cu­la­ri­da­de de ter si­do es­cri­to por al­guém que foi qua­se anal­fa­be­to até aos 18 anos. O edi­tor co­lom­bi­a­no Ca­mi­lo Ji­mé­nez, e ci­ta­do pe­la es­cri­to­ra ar­gen­ti­na Lei­la Gu­er­ri­e­ro num tex­to que in­tro­duz o li­vro, es­cre­veu: “A sua mai­or vir­tu­de con­sis­te na pre­ci­são e na quan­ti­da­de de de­ta­lhes, mas so­bre­tu­do no olhar: a au­to­ra escreve quan­do é adul­ta, mas quem fa­la nes­tas li­nhas é a me­ni­na que ela foi. Nun­ca er­gue o olhar, nun­ca com­ple­ta as sen­sa­ções que des­cre­ve com o que sa­be quan­do escreve; vê sem­pre com os olhos do mo­men­to em que su­ce­de­ram as coi­sas.” Es­te é, sem dú­vi­da, um dos pre­di­ca­dos des­ta co­lec­tâ­nea epis­to­lar.

Li­te­ra­ri­a­men­te não é um li­vro im­pres­si­o­nan­te, ape­sar de al­guns de-

A pin­to­ra co­lom­bi­a­na Em­ma Reyes es­cre­veu 23 cartas a um ami­go nar­ran­do a sua in­fân­cia mi­se­rá­vel num bair­ro popular de Bogotá nos anos 1920, e a his­tó­ria uma dé­ca­da pas­sa­da num convento. Gar­cía Már­quez leu par­te de­las e in­cen­ti­vou-a a es­cre­ver. O que mais im­pres­si­o­na é a au­sên­cia de ran­co­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.