A hu­ma­ni­da­de é so­bre­vi­ven­te de Aus­chwitz. Co­mo di­zer is­to?

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Oque se po­de di­zer de no­vo so­bre o Ho­lo­caus­to, Aus­chwitz? “De­sor­ga­ni­zar a lín­gua” co­mo fez Paul Ce­lan? Ir re­pe­tin­do as pa­la­vras, Ho­lo­caus­to, Aus­chwitz até se­rem ape­nas um som? “Um dos pro­ble­mas da re­pe­ti­ção da pa­la­vra Aus­chwitz é o es­va­zi­a­men­to do sig­ni­fi­ca­do. Di­go no li­vro que sei que da­qui a al­gu­mas dé­ca­das Aus­chwitz vai ser igual ao Pe­lo­po­ne­so. Não vai sig­ni­fi­car na­da, vai ser uma pa­la­vra per­di­da na His­tó­ria. Is­so é do­lo­ro­so.”

O olhar de No­e­mi Jaf­fe (n. São Pau­lo, 1962) bai­xa e ater­ra na pe­dra da me­sa on­de se apoia. Már­mo­re bran­co on­de in­ci­de a luz ver­de do can­de­ei­ro. Lá fo­ra, há a luz do sol num Chi­a­do de Ou­to­no. “Ho­je, quan­do fa­lo des­se no­me a pes­so­as mais jo­vens, elas re­a­gem co­mo se nun­ca ti­ves­sem ou­vi­do fa­lar; vai ser só mais um da­do per­di­do nos li­vros de His­tó­ria. É uma me­tá­fo­ra. Da II Guer­ra, do na­zis­mo, de to­dos os cam­pos de con­cen­tra­ção.”

Jaf­fe es­cre­veu um li­vro a par­tir do diá­rio que a mãe, en­tão a jo­vem de 19 anos Li­li Stern, es­cre­veu na Sué­cia, pou­co de­pois de ter si­do li­ber­ta­da dos cam­pos por on­de pas­sa­ra um ano en­quan­to pri­si­o­nei­ra ju­dia. Mas a en­saís­ta, crí­ti­ca e pro­fes­so­ra de Li­te­ra­tu­ra Bra­si­lei­ra não se li­mi­ta a re­pro­du­zir a es­cri­ta da mãe. Além do tes­te­mu­nho di­a­rís­ti­co, ele­geu pa­la­vras-cha­ve atra­vés das quais dis­se­ca a ex­pe­ri­ên­cia que não foi a sua e pro­ble­ma­ti­za-a num vo­lu­me que cru­za gé­ne­ros e a que cha­ma “en­saio li­te­rá­rio”. Foi pu­bli­ca­do em Por­tu­gal pe­la Re­ló­gio d’Água sob o tí­tu­lo O Que os Ce­gos Es­tão So­nhan­do? Nes­se li­vro, Li­li é a mãe e No­e­mi a fi­lha. Uma e ou­tra che­ga­ram a es­se tí­tu­lo as­sim, co­mo No­e­mi escreve: “Um dia, ao te­le­fo­ne, ela, que gos­ta de fi­car ima­gi­nan­do si­tu­a­ções, per­gun­tou à fi­lha: ‘Fi­lha, o que os ce­gos es­tão so­nhan­do?’ De iní­cio a fi­lha não en­ten­deu. Pa­re­cia que se tra­ta­va de ce­gos es­pe­cí­fi­cos nu­ma si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca e que aque­les ce­gos es­ta­ri­am so­nhan­do al­gu­ma coi­sa na­que­le ins­tan­te. Ela acres­cen­tou: ‘Sim! O que eles es­tão so­nhan­do, se eles não en­xer­gam? Co­mo po­dem ver ima­gens nos so­nhos?’ En­tão a fi­lha en­ten­deu e se lem­brou que a mãe con­fun­de os usos do pre­sen­te sim­ples e do pre­sen­te con­tí­nuo. ‘O que os ce­gos es­tão so­nhan­do?’, na ver­da­de, é ‘ Com o que os ce­gos so­nham?’. Mas uma for­ma ines­pe­ra­da e su­bi­ta­men­te be­la (...) sin­te­ti­za exac­ta­men­te a for­ma de es­tar no mun­do da mãe (...), em que a per­cep­ção das coi­sas im­por­ta mais do que as coi­sas mes­mo.” No­e­mi fa­la des­te pro­ces­so de de­ci­são co­mo de um po­e­ma na con­ver­sa que te­mos em Lisboa. E fa­la de si mes­ma co­mo uma per­so­na­gem, a “fi­lha”, uma ter­cei­ra pes­soa em que su­pri­me o seu eu, ape­sar de es­se eu ser evi­den­te. Porquê? “Por pudor”, e por­que a his­tó­ria não lhe per­ten­ce, mas à mãe.

O pai de No­e­mi tam­bém é so­bre­vi­ven­te de um cam­po, lu­gar, no en­tan­to, sem a car­ga me­ta­fó­ri­ca de Aus­chwitz. No­e­mi vol­ta sem­pre à lin­gua­gem pa­ra ex­pli­car. “As pa­la­vras aca­bam se tor­nan­do fé­ti­che, sen­do car­re­ga­das de mais for­ça, sig­ni­fi­ca­do, sim­bo­lo­gia do que o fac­to”, con­ti­nua. E enu­me­ra mais pa­la­vras co­mo as que en­tre os ale­mães ul­tra- pas­sa­vam o seu pró­prio con­teú­do: li­qui­da­ção, so­lu­ção fi­nal, se­lec­ção, cha­ma­da, po­vo. “En­tre os ju­deus, Aus­chwitz é uma des­sas pa­la­vras mai­o­res do que elas mes­mas.”

E vol­ta ao iní­cio da con­ver­sa: até quan­do a pa­la­vra Aus­chwitz faz soar uma emo­ção em quem a lê? A per­gun­ta es­tá sem­pre no li­vro e por is­so uma das res­pos­tas é que nun­ca é de mais pôr os so­bre­vi­ven­tes a fa­lar, mes­mo quan­do se diz que já não há na­da de no­vo a di­zer. “Es­sa ideia ir­ri­ta-me. O as­sun­to nun­ca se es­go­ta. Di­ze­rem que o que acon­te­ceu foi um fac­to é não en­ten­der na­da. O que acon­te­ceu fo­ram pes­so­as que mor­re­ram e pes­so­as que so­bre­vi­ve­ram e pes­so­as que ma­ta­ram e pes­so­as que de­nun­ci­a­ram ou­tras e ou­tras que aju­da­ram e ou­tras que se omi­ti­ram”, diz em tom de voz mais al­to, pu­nho cer­ra­do. E, fi­nal­men­te: “En­quan­to hou­ver his­tó­ri­as so­bre es­sas pes­so­as, é pre­ci­so fa­lar.”

No­e­mi con­cor­da com a ideia de que não se con­se­gue nun­ca di­zer o que foi aqui­lo. Fa­la de uma no­va era pós-Aus­chwitz, ci­tan­do o es­cri­tor Gon­ça­lo M. Ta­va­res na apre­sen­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.