O gé­ne­ro não é um es­ti­lo

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ain­da é ur­gen­te fa­lar na ques­tão do gé­ne­ro num con­tex­to cul­tu­ral, so­ci­al e po­lí­ti­co al­ta­men­te do­mi­na­do por ló­gi­cas ma­chis­tas, mi­só­gi­nas e ho­mo­fó­bi­cas. Nuno Cres­po Gé­ne­ro na ar­te. Cor­po, se­xu­a­li­da­de, iden­ti­da­de, re­sis­tên­cia. Cu­ra­do­ria Ain­da Re­che­na e Te­re­sa Fur­ta­do cor­ren­te tal co­mo exer­ci­do no cir­cui­tos ar­tís­ti­cos, cul­tu­rais e so­ci­ais.

Uma das per­cep­ções mais ime­di­a­tas é a de que a cons­tru­ção de gé­ne­ro não é uma es­té­ti­ca e es­te é o pon­to mais fér­til e im­por­tan­te. Ou se­ja, não se tra­ta da cons­tru­ção de um es­ti­lo mas de uma cer­ta cons­ci­ên­cia, sen­si­bi­li­da­de, pre­sen­ça, exis­tên­cia e, cla­ro, de uma po­lí­ti­ca que as obras de ar­te in­cor­po­ram. E fa­zem-no, nos seus bons ca­sos, não atra­vés de um sis­te­ma li­te­ral de re­fe­rên­ci­as ou atra­vés do uso ilus­tra­ti­vo de afir­ma­ções cor­rec­tas acer­ca da iden­ti­da­de de gé­ne­ro, mas sim atra­vés da ca­pa­ci­da­de de ar­ti­cu­lar uma cer­ta cons­ci­ên­cia de si. Cons­ci­ên­cia es­ta que não faz das obras lu­ga­res bi­o­grá­fi­cos ou con­fes­si­o­nais, mas acon­te­ci­men­to pú­bli­co fei­to atra­vés da afir­ma­ção da iden­ti­da­de de si, do ou­tro e da co­mu­ni­da­de.

É im­por­tan­te su­bli­nhar a ques­tão de que em ar­te a iden­ti­da­de de gé­ne­ro, co­mo quer que se­ja en­ten­di­da, não é um es­ti­lo evi­tan­do as­sim as tão tí­pi­cas con­fu­sões que ten­dem a fi­xar a re­la­ção ar­te- gé­ne­ro nu­ma es­pé­cie de cris­ta­li­za­ção de um es­ti­lo e a con­fun­di-lo com fe­mi­nis­mo ou com o tão fa­mo­so es­ti­lo camp, en­tre mui­tos epí­te­tos que po­de­ría­mos en­con­trar. E nes­te pon­to a ex­po­si­ção é um su­ces­so por­que a es­co­lha de obras não obedece a ne­nhum prin­cí­pio for­mal e a vi­si­ta a é ver­da­dei­ra­men­te, do pon­to de vis­ta das lin­gua­gens e es­ti­los ar­tís­ti­cos, uma ex­pe­ri­ên­cia eclé­ti­ca. En­tre a per­for­man­ce, fo­to­gra­fia e es­cul­tu­ras de João Pe­dro Va­le e Nuno Alexandre Ferreira, a ins­ta­la­ção de Vas­co Araú­jo, as pin­tu­ras de João Ga­bri­el, os re­tra­tos de Ana Pé­rez-Quiroga, as mu­lhe­res de Car­la Cruz, as pa­la­vras de Ho­rá­cio Fru­tu­o­so ou os ob­jec­tos de Ana Vidigal não en­con­tra­mos qual­quer ti­po de re­la­ção for­mal, ma­te­ri­al ou con­cep­tu­al. São ar­tis­tas to­ma­dos por ques­tões ar­tís­ti­cas e é nes­se con­tex­to que se ma­te­ri­a­li­za uma cer­ta cons­ci­ên­cia de iden­ti­da­de. Es­ta ma­te­ri­a­li­za­ção é, a to­dos os ní­veis, uma ac­ção po­lí­ti­ca. E é- o por­que o mo­do co­mo ar­ti­cu­la as es­fe­ras pú­bli­co e pri­va­do é cri­a­dor de fac­tos po­lí­ti­cos re­le­van­tes: tor­nar vi­sí­vel é tor­nar cons­ci­en­te e ac­tu­an­te ex­pres­sões — que são exis­tên­ci­as — não con­si­de­ra­das, e mui­tas ve­zes re­pri­mi­das e vi­o­len­ta­men­te ca­la­das, pe­las ló­gi­cas do­mi­nan­tes da nos­sa so­ci­e­da­de.

Se es­ta ex­po­si­ção é mui­to re­le­van­te nas su­as pre­mis­sas, ela fa­lha por­que não con­se­gue res­pon­der efi­caz­men­te à per­gun­ta: por­que é que ain­da im­por­ta fa­lar de gé­ne­ro na ar­te? E fa­lha por­que não cria ne­nhum ti­po de en­qua­dra­men­to his­tó­ri­co, so­ci­o­ló­gi­co, ar­tís­ti­co ou ins­ti­tu­ci­o­nal pa­ra as obras que apre­sen­ta. Os ar­tis­tas es­co­lhi­dos ou re­flec­tem de um mo­do mui­to li­te­ral a ideia do gé­ne­ro es­tar re­la­ci­o­na­do com a iden­ti­da­de, o cor­po, a se­xu­a­li­da­de e ser uma mo­da­li­da­de de re­sis­tên­cia, ou fa­zem-no de for­ma tão sub­til que se tor­na im­per­cep­tí­vel. E, nes­te sen­ti­do, a ex­po­si­ção é pre­vi­sí­vel e li­te­ral não ti­ran­do par­ti­do de uma lei­tu­ra mais pro­fun­da do mo­do co­mo a iden­ti­da­de é cons­truí­da en­tre os pla­nos pú­bli­cos e pri­va­dos.

Fa­lha tam­bém por­que não pro­mo­ve ne­nhum ti­po de re­fle­xão so­bre o mo­do co­mo os mu­seus, tal co­mo aque­le em que a ex­po­si­ção acon­te­ce, não se­rem lu­ga­res neu­tros e, por is­so, ser fun­da­men­tal ques­ti­o­nar a pró­pria ins­ti­tui­ção MU­SEU e os seus pro­to­co­los de exi­bi­ção, di­vul­ga­ção e va­lo­ri­za­ção de de­ter­mi­na­das prá­ti­cas e es­té­ti­cas ar­tís­ti­cas. É cer­to que na sua de­cla­ra­ção as cu­ra­do­ras afir­mam sa­ber que os mu­seus não são lu­ga­res neu­tros, mas na­da fa­zem pa­ra com­ba­ter es­se es­ta­do de coi­sas: e a sim­ples re­a­li­za­ção da ex­po­si­ção é in­su­fi­ci­en­te pa­ra cons­truir um fac­to po­lí­ti­co e ar­tís­ti­co re­le­van­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.