A gran­de re­gres­são

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Se al­guém fi­zes­se uma his­tó­ria se­mân­ti­ca da ideia de pro­gres­so, en­con­tra­ria a ra­zão pe­la qual o qua­li­fi­ca­ti­vo “pro­gres­sis­ta”, que te­ve ou­tro­ra um uso po­lí­ti­co imo­de­ra­do e de gran­de uti­li­da­de, já só emer­ge quan­do se fa­zem es­ca­va­ções le­xi­cais. Pa­re­ce que já nin­guém acre­di­ta no pro­gres­so nem en­con­tra ne­le uma ra­zão ca­paz de fun­dar uma vi­são do mun­do. Em con­tra­par­ti­da, a pa­la­vra “re­gres­são” es­tá em al­ta e re­ve­la-se mes­mo ca­paz de dar sen­ti­do a um con­jun­to de sin­to­mas pa­ten­tes nos pro­ces­sos so­ci­ais e po­lí­ti­cos que mar­cam o nos­so tem­po. Uma pro­va elo­quen­te des­ta no­va for­tu­na con­ce­di­da à ideia de re­gres­são é um li­vro co­lec­ti­vo que foi pu­bli­ca­do na Ale­ma­nha, es­te ano, e lo­go tra­du­zi­do nas prin­ci­pais lín­guas eu­ro­pei­as. O tí­tu­lo ori­gi­nal é Die große Re­gres­si­on – Ei­ne in­ter­na­ti­o­nal De­bat­te über die geis­ti­ge Si­tu­a­ti­on der Zeit, um tí­tu­lo que ci­ta um ou­tro, fa­mo­so, de Karl Po­lanyi, The Gre­at Trans­for­ma­ti­on (1944). Mas o sub­tí­tu­lo, que fa­la da “si­tu­a­ção es­pi­ri­tu­al [ geis­ti­ge] da épo­ca”, só apa­re­ce no ori­gi­nal por ra­zões ób­vi­as: ele di­a­lo­ga de ma­nei­ra ex­plí­ci­ta com a fi­lo­so­fia e a li­te­ra­tu­ra ale­mãs (re­to­ma, ip­sis ver­bis, o tí­tu­lo de um fa­mo­so en­saio de Karl Jas­pers, de 1931). A re­gres­são co­mo ca­te­go­ria ana­lí­ti­ca da go­ver­na­men­ta­li­da­de e das ten­dên­ci­as de or­dem po­lí­ti­ca já ti­nha si­do in­tro­du­zi­da, há al­guns anos, por um im­por­tan­te so­ció­lo­go e teó­ri­co da cul­tu­ra, Stu­art Hall (1932-2014), que con­fi­gu­rou a po­lí­ti­ca de Mar­ga­ret That­cher co­mo uma “mo­der­ni­za­ção re­gres­si­va”. O that­che­ris­mo te­ria inau­gu­ra­do o pro­jec­to de uma mo­der­ni­za­ção re­ac­ci­o­ná­ria. Quais são en­tão es­ses sin­to­mas que jus­ti­fi­cam o uso da re­gres­são co­mo ca­te­go­ria psi­co­po­lí­ti­ca? An­tes de mais, a “fa­di­ga da de­mo­cra­cia”, fa­zen­do emer­gir por to­do o la­do não ape­nas for­mas de au­to­ri­ta­ris­mo, mas tam­bém um con­jun­to de prá­ti­cas po­lí­ti­cas e ges­ti­o­ná­ri­as que dão ra­zão a um con­cei­to que foi en­tran­do no lé­xi­co da te­o­ria po­lí­ti­ca: pós-de­mo­cra­cia. Num pla­no mais en­glo­ban­te, a re­gres­são ad­qui­re a fi­gu­ra de uma “des- ci­vi­li­za­ção”, co­mo se po­de ler no en­saio de Oli­ver Na­chtwey, in­cluí­do nes­te li­vro. Re­me­ten­do pa­ra o “pro­ces­so ci­vi­li­za­ci­o­nal” de Nor­bet Elias, en­quan­to re­sul­ta­do de uma mu­ta­ção das es­tru­tu­ras so­ci­ais e da per­so­na­li­da­de e ma­ni­fes­tan­do-se no con­tro­le dos afec­tos e no alar­ga­men­to do es­pa­ço men­tal (cu­jo re­sul­ta­do foi a cons­ti­tui­ção pro­gres­si­va de um po­der cen­tra­li­za­do que de­tém o mo­no­pó­lio da violência), a des- ci­vli­za­ção que Na­chtwey vê co­mo uma di­nâ­mi­ca fun­da­men­tal das so­ci­e­da­des oci­den­tais a par­tir da úl­ti­ma dé­ca­da do sé­cu­lo pas­sa­do se­ria um pro­ces­so de ero­são e de­clí­nio. A ideia de que o pro­gres­so traz con­si­go uma re­gres­são po­de en­tão ser de­du­zi­da des­tes sin­to­mas: a su­jei­ção ao mer­ca­do e a au­sên­cia de al­ter­na­ti­va eco­nó­mi­ca; a in­ter­rup­ção do pro­ces­so co­lec­ti­vo de mo­bi­li­da­de so­ci­al as­cen­den­te; o triun­fo da “mo­der­ni­da­de re­gres­si­va” que se tra­duz por uma igual­da­de ho­ri­zon­tal de gru­pos com tra­ços ca­rac­te­rís­ti­cos di­fe­ren­tes (a per­ten­ça se­xu­al ou ét­ni­ca, por exem­plo), mas si­mul­ta­ne­a­men­te por no­vas de­si­gual­da­des e dis­cri­mi­na­ções ver­ti­cais. Es­tes e ou­tros fac­to­res ins­ta­la­ram um mal-es­tar que é si­mul­ta­ne­a­men­te so­ci­al, po­lí­ti­co e cul­tu­ral. O pro­ces­so da ci­vi­li­za­ção de Nor­bert Elias já com­por­ta­va es­ta ideia de uma des-ci­vi­li­za­ção. Co­mo mui­tos ou­tros es­pí­ri­tos lú­ci­dos, Elias não acre­di­tou no pro­gres­so co­mo uma ca­mi­nha­da ir­re­ver­sí­vel nem viu a “ci­vi­li­za­ção” co­mo uma con­quis­ta de­fi­ni­ti­va. Es­sa foi a ilu­são da uto­pia ilu­mi­nis­ta e, mais per­to de nós, a dos arau­tos do “fim da his­tó­ria”. Co­mo é que em tão pou­co tem­po se pas­sou de uma fe­liz es­ca­to­lo­gia pa­ra uma gran­de re­gres­são?

A Vi­da de Brad: um pe­que­no re­tra­to me­lan­có­li­co de um ho­mem em cri­se da meia-ida­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.