Mor­ris­sey, es­ta ver­são in­crí­vel de si mesmo

Publico - Ipsilon - - Sumário - Má­rio Lo­pes

Te­mos En­gland is Mi­ne, bi­o­pic so­bre o jo­vem Ste­ven Pa­trick, a re­e­di­ção de The Que­en is De­ad, o no­vo ál­bum a so­lo. Três Mor­ris­sey ou o Mor­ris­sey de sem­pre?

Ima­gi­na­mo-lo do­bra­do so­bre a má­qui­na de es­cre­ver, pos­ter de Ja­mes De­an e de Os­car Wil­de na pa­re­de do quar­to, sin­gles da Mo­town a ro­dar na apa­re­lha­gem, t-shirt dos New York Dolls ves­ti­da. Es­cre­ve pa­ra o mun­do, o seu mun­do, que não é o úni­co que co­nhe­ce mas é o úni­co a que quer per­ten­cer. Es­cre­ve pa­ra uma re­vis­ta de mú­si­ca e de­san­ca nu­ma ban­da de bar­bu­dos bar­ri­gu­dos, ape­sar da apa­rên­cia ma­gra, que to­ca­ra mú­si­ca cheia de ve­lhas adi­po­si­da­des no con­cer­to de que dá con­ta à pu­bli­ca­ção. Fa­la tam­bém da sua ci­da­de, Man­ches­ter, no no­ro­es­te de In­gla­ter­ra. “É um lu­gar per­fei­to”, es­cre­ve ele, “pa­ra um sur­do-mu­do aca­ma­do”.

O ado­les­cen­te que es­cre­ve tem ca­be­lo com­pri­do a co­brir-lhe as ore­lhas, usa ócu­los e não sa­be o que fa­zer da exis­tên­cia além de ler po­e­mas de Wil­de, quei­xar-se da vi­da mi­se­rá­vel e en­te­di­an­te que le­va e do quão mi­se­rá­veis e en­te­di­an­tes são pra­ti­ca­men­te to­dos os que o ro­dei­am. À noi­te, no clu­be, lá o ve­re­mos a um can­to, cer­ve­ja na mão, a ob­ser­var com des­dém os que dan­çam na pis­ta. Ali fi­ca a ou­vir os Roxy Mu­sic que ado­ra, en­cos­ta­do a um can­to, de­sen­qua­dra­do no ce­ná­rio. Ali fi­ca, “à es­pe­ra que o mun­do vá ter com ele”, co­mo lhe diz a ami­ga que po­de ser a na­mo­ra­da, ou que acre­di­ta ser a na­mo­ra­da - o jo­vem que não en­cai­xa não en­con­tra Os Smiths con­gre­ga­ram à sua vol­ta um cul­to fer­vo­ro­so e fir­ma­ram um lu­gar na his­tó­ria da pop pe­la for­ça de mú­si­ca vi­va de hu­mor e amor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.