A mor­te digital

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Na se­ma­na em que se re­a­li­zou em Lis­boa mais uma Web Sum­mit, é tem­po de fa­lar de uma star­tup in­ven­ta­da por um jo­vem ro­me­no, Ma­rius Ur­sa­che. Cha­ma-se Eter­ni­me (http:// eter­ni.me), e o seu ne­gó­cio é a imor­ta­li­da­de, a eter­ni­da­de. Pres­ta aos seus cli­en­tes um ser­vi­ço que con­sis­te em evi­tar que eles, de­pois de mor­tos, de­sa­pa­re­çam e se­jam es­que­ci­dos: “Be­co­me vir­tu­ally im­mor­tal”, anun­cia a In­ter­ni­me no seu si­te, on­de lemos es­ta per­gun­ta que pa­re­ce de uma su­per­la­ti­va de­ma­go­gia, co­mo a pu­bli­ci­da­de en­ga­no­sa, mas é afi­nal bas­tan­te ho­nes­ta: “Who wants li­ve fo­re­ver?”. De fac­to, aos as­si­nan­tes é ga­ran­ti­da a eter­na so­bre­vi­vên­cia. Mas é pre­ci­so acres­cen­tar: sob a for­ma des­ma­te­ri­a­li­za­da de es­pec­tros di­gi­tais. O ser­vi­ço fun­ci­o­na da se­guin­te ma­nei­ra: após uma ins­cri­ção, o cli­en­te co­me­ça a co­lo­car nu­ma ba­se de da­dos os seus ma­te­ri­ais di­gi­tais, is­to é, to­do o pa­tri­mó­nio digital, de or­dem pes­so­al, que ele acu­mu­lou ao lon­go dos anos: fo­to­gra­fi­as, men­sa­gens, correio elec­tró­ni­co, contas nas re­des so­ci­ais e de­mais pa­ra­fer­ná­lia vir­tu­al. Qu­an­do mor­re, o soft­ware cri­a­do por es­ta star­tup efec­tua uma aná­li­se de to­do es­te ma­te­ri­al, pro­ce­de a uma “es­ca­va­ção” e ex­trai os da­dos que lhe per­mi­tem pro­jec­tar uma iden­ti­da­de vir­tu­al, com­pon­do as­sim um si­mu­la­cro da pes­soa mor­ta, um es­pec­tro elec­tró­ni­co da­qui­lo que a pes­soa foi na vi­da re­al. O que so­bre­vi­ve é, por­tan­to, uma iden­ti­da­de elec­tró­ni­ca, com­ple­ta­men­te dis­so­ci­a­da da exis­tên­cia bi­o­ló­gi­ca, um subs­ti­tu­to digital da pes­soa fí­si­ca, in­te­rac­ti­vo, ca­paz de co­mu­ni­car de além-tú­mu­lo com as pes­so­as que es­tão ain­da vi­vas. Que a vi­da digital so­bre­vi­ve à vi­da fí­si­ca, já se ti­nha tor­na­do evi­den­te e por ve­zes in­qui­e­tan­te. Por is­so, o Fa­ce­bo­ok pas­sou a ofe­re­cer um ser­vi­ço que, me­di­an­te as pro­vas do óbi­to, apa­ga o per­fil dos mor­tos. Mas nem por is­so o Fa­ce­bo­ok dei­xou de ser um gi­gan­tes­co ce­mi­té­rio sem­pre em ex­pan­são, e che­ga­rá o mo­men­to em que te­rá mais mor­tos do que vi­vos. A ideia lu­mi­no­sa do jo­vem em­pre­en­de­dor ro­me­no foi es­ta: em vez de fa­zer des­pa­re­cer os mor­tos, pa­ra que eles não se ar­ras­tam na Net co­mo es­pec­tros si­nis­tros, me­lhor se­ria tor­nar con­cre­ta a fic­ção da imor­ta­li­da­de, atra­vés das tec­no­lo­gi­as que cri­am for­mas de vir­tu­a­li­da­de ca­da vez mais per­fei­tas, nes­te tem­po em que a cul­tu­ra digital se in­tro­duz na exis­tên­cia dos in­di­ví­du­os, in­ter­pon­do au­to­ma­tis­mos do mun­do vir­tu­al en­tre a vi­da e a mor­te na­tu­rais (se é que tal coi­sa, a “mor­te na­tu­ral”, exis­te: “De mor­te na­tu­ral nun­ca nin­guém mor­reu”, es­cre­veu Jor­ge de Se­na). O per­fil vir­tu­al que so­bre­vi­ve — au­tó­no­mo — ao cor­po bi­o­ló­gi­co res­pon­de a uma ma­nei­ra pro­ble­má­ti­ca de li­dar com a mor­te. Por is­so, es­ta for­ma de so­bre­vi­vên­cia eter­na, in­ven­ta­da pe­la Eter­ni­me (aten­ção, não se tra­ta de uma imor­ta­li­da­de sim­bó­li­ca, co­mo a dos “imor­tais” que vão pa­ra o Pan­teão, con­quis­ta­da por “obras va­le­ro­sas”), ins­cre­ve-se, no fun­do, nu­ma in­dús­tria da e-mor­te, da mor­te digital — a mo­da­li­da­de da mor­te pós-hu­ma­na. Há ho­je um cam­po de in­ves­ti­ga­ção dis­ci­pli­nar, nos paí­ses an­glo­sa­xó­ni­cos, cu­jo ob­jec­to é a digital de­ath. Com es­te ter­mo faz-se re­fe­rên­cia a um con­jun­to de ques­tões que di­zem res­pei­to ao mo­do co­mo mu­dou, nes­ta nos­sa épo­ca, a re­la­ção en­tre o in­di­ví­duo e o mor­te por cau­sa do de­sen­vol­vi­men­to das no­vas tec­no­lo­gi­as in­for­má­ti­cas e dos no­vos me­dia. Há uma no­va ques­tão que se co­lo­ca ho­je ca­da vez mais: o que acon­te­ce, de­pois da mi­nha mor­te, aos da­dos que me tor­nam sem­pre presente na Re­de? A es­ta per­gun­ta po­de­mos res­pon­der com es­ta fra­se de um emi­nen­te teó­ri­co da cul­tu­ra digital, o aus­tría­co Thomas ma­cho: “Mor­rer sig­ni­fi­ca ser trans­for­ma­do na sua có­pia”. (em 1975, e em con­tes­ta­ção aos mé­to­dos bur­gue­ses de en­si­no, o PRP-BR ins­ti­tuiu a Uni­ver­si­da­de Pro­le­tá­ria Ernesto e Luís, nu­ma am­pla mo­ra­dia ocu­pa­da na Avª 5 de Ou­tu­bro).

Quan­to ao clás­si­co ar­gu­men­to da “par­ci­a­li­da­de” da nar­ra­ti­va, ele po­de­rá ser vá­li­do até cer­to pon­to, mas o sub­jec­ti­vis­mo do nar­ra­dor é – e ain­da bem – uma re­a­li­da­de ines­ca­pá­vel em to­das as in­ter­ven­ções de ti­po me­mo­ri­a­lís­ti­co, au­to­bi­o­grá­fi­co ou tes­te­mu­nhal. Aliás, ao con­vo­car nes­te li­vro o de­poi­men­to de an­ti­gos di­ri­gen­tes de du­as ou­tras or­ga­ni­za­ções de lu­ta ar­ma­da, a LUAR e a ARA, com as quais as BR ti­ve­ram re­la­ções de ri­va­li­da­de e ten­são (es­pe­ci­al­men­te com a ARA, pe­la sua li­ga­ção um­bi­li­cal ao PCP), Isa­bel do Car­mo re­ve­la ago­ra que, em cer­ta me­di­da, há uma re­con­ci­li­a­ção mais se­re­na, e até al­go nos­tál­gi­ca, com um pas­sa­do não mui­to dis­tan­te e li­te­ral­men­te ex­plo­si­vo. Pa­ra is­so con­tri­bu­em, de­cer­to, o per­fil e o per­cur­so das per­so­na­li­da­des en­tre­vis­ta­das, Camilo Mor­tá­gua, pe­la LUAR, e Rai­mun­do Narciso, da ARA. Era im­pen­sá­vel, por exem­plo, que Jai­me Serra, um ou­tro des­ta­ca­do di­ri­gen­te da ARA e do PCP, mos­tras­se a mes­ma com­pla­cên­cia pe­ran­te ri­va­li­da­des an­ti­gas co­mo a que é de­mons­tra­da pe­lo seu ex­ca­ma­ra­da Rai­mun­do Narciso, o qu­al, ques­ti­o­na­do so­bre as for­mas de lu­ta que pro­põe pa­ra a ac­tu­a­li­da­de, con­fes­sa: “eu ago­ra pro­po­nho-me tra­tar das rosas do meu jar­dim e sa­bo­re­ar um ar­roz- do­ce co­mo so­bre­me­sa…”. Ano­te- se que, de­vi­do à den­si­da­de in­te­lec­tu­al e fi­nes­se d’es­prit do en­tre­vis­ta­do, o de­poi­men­to de Rai­mun­do Narciso é ex­tre­ma­men­te in­te­res­san­te, sen­do mui­to su­pe­ri­or, a to­dos os ní­veis, ao de Camilo Mor­tá­gua. Am­bos já ti­nham, aliás, pro­du­zi­do obras as­saz in­te­res­san­tes de cu­nho au­to­bi­o­grá­fi­co: do pri­mei­ro, A.R. A. – Ac­ção Re­vo­lu­ci­o­ná­ria Ar­ma­da, de 2000, e, mais re­cen­te­men­te, um li­vro so­bre Cu­nhal e a dis­si­dên­cia da “ter­cei­ra via”; de Camilo Mor­tá­gua, os dois vo­lu­mes de An­dan­ças pa­ra a Li­ber­da­de, saí­dos em 2009 e em 2013, além de uma obra mais re­cen­te de apoio à cha­ma­da “ge­rin­gon­ça”.

No en­tan­to, e ao con­trá­rio do que se po­de­ria su­por, es­te vo­lu­mo­so li­vro de 750 pá­gi­nas, da au­to­ria de Isa­bel do Car­mo, não se cir­cuns­cre­ve à re­a­li­da­de por­tu­gue­sa nem tem um pro­pó­si­to ex­clu­si­va­men­te histórico ou me­mo­ri­a­lís­ti­co. Pos­sui o ob­jec­ti­vo mui­to mais am­bi­ci­o­so de se con­fi­gu­rar, di­ga­mos as­sim, co­mo uma « te­o­ria ge­ral da lu­ta ar­ma­da», com am­plas di­gres­sões dou­tri­ná­ri­as por ter­re­nos da fi­lo­so­fia e da doutrina po­lí­ti­cas, mes­cla­das por apon­ta­men­tos his­tó­ri­cos, al­guns de na­tu­re­za pes­so­al. Des­ta jun­ção de du­as pers­pec­ti­vas mui­to dis­tin­tas — a his­tó­ria e a ide­o­ló­gi­ca — re­sul­tou um vo­lu­me de gran­de di­men­são, cu­ja ló­gi­ca e co­e­rên­cia in­ter­nas não são fa­cil­men­te cap­tá­veis pe­lo lei­tor, con­fun­di­do que fi­ca por uma amál­ga­ma de re­fe­rên­ci­as, fac­tos e de­poi­men­tos, ali­nha­dos de uma for­ma que acu­sa gra­ves de­se­qui­lí­bri­os in­ter­nos (é in­com­pre­en­sí­vel, por exem­plo, que à Fren­te de Ac­ção Po­pu­lar se­jam de­di­ca­das umas es­cas­sís­si­mas cin­co pá­gi­nas).

Por ou­tro la­do, o “nú­cleo por­tu­guês”, por as­sim di­zer, acaba por se cin­gir a um re­su­mo da lu­ta ar­ma­da até aos anos 1960-1970 e, de­pois, por três lon­gas en­tre­vis­tas fei­tas por Isa­bel do Car­mo (a Camilo Mor­tá­gua, a Rai­mun­do Narciso e a Car­los An­tu­nes) e ou­tra em­pre­en­di­da pe­los fi­lhos de Isa­bel do Car­mo a sua mãe, a que se adi­ci­o­na um tes­te­mu­nho au­to­bi­o­grá­fi­co que, ape­sar da sua ex­ten­são, não traz, no es­sen­ci­al, in­for­ma­ções no­vas ou da­dos que não cons­tas­sem de di­ver­sas in­ter­ven­ções em que Isa­bel do Car­mo se des­do­bra, des­de as memórias da ac­ção ar­ma­da aos li­vros de di­vul­ga­ção so­bre nu­tri­ci­o­nis­mo, a sua es­pe­ci­a­li­da­de clí­ni­ca, po­den­do men­ci­o­nar- se a ex­ten­sa entrevista con­ce­di­da a Jo­sé Jor­ge Le­tria e pu­bli­ca­da em 2015 com o tí­tu­lo Isa­bel do Car­mo: a lu­ta tam­bém cu­ra.

Sen­do es­te um li­vro de in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca, ou pre­ten­den­do sê-lo, Lu­ta Ar­ma­da não cum­pre os re­qui­si­tos mí­ni­mos nem se­gue as me­to­do­lo­gi­as exi­gi­das nes­te ti­po de tra­ba­lhos, ba­se­an­do- se tão- só em en­tre­vis­tas a mem­bros des­ta­ca­dos de gru­pos ar­ma­dos, e sem qual­quer es­for­ço de in­ves­ti­ga­ção a par­tir de fon­tes pri­má­ri­as (v. g., no Arquivo da Tor­re do Tom­bo) ou, in­clu­si­ve, da bi­bli­o­gra­fia já pro­du­zi­da so­bre o te­ma. Mesmo do pon­to de vis­ta da re­cons­ti­tui­ção his­tó­ri­co­fac­tu­al, exis­tem al­guns pro­ble­mas, uma vez que nes­te li­vro é fla­gran­te a ten­ta­ti­va pa­ra em­pre­en­der uma cer­ta “ofi­ci­a­li­za­ção da His­tó­ria”, sen­do omi­ti­das e si­len­ci­a­das ques­tões som­bri­as ou po­li­ti­ca­men­te in­có­mo­das, co­mo a exis­tên­cia de ví­ti­mas da ac­ção das BR (du­as cri­an­ças, fe­ri­das aci­den­tal mas gra­ve­men­te por um pe­tar­do, aquan­do da vi­gí­lia da Ca­pe­la do Ra­to, em 1973) e o nun­ca sa­na­do con­fli­to sus­ci­ta­do, após es­sa vi­gí­lia, en­tre as BR de Car­los An­tu­nes e os ca­tó­li­cos de van­guar­da, com des­ta­que pa­ra Nu­no Te­o­tó­nio Pereira e Luís Moi­ta. En­tre uns e ou­tros exis­te uma dis­cre­pân­cia pro­fun­da so­bre a au­to­ria da­que­la vi­gí­lia pa­ci­fis­ta e an­ti­co­lo­ni­a­lis­ta. Nes­te li­vro, Isa­bel do Car­mo man­tém a ver­são ofi­ci­al das Bri­ga­das, des­ta fei­ta apre­sen­ta­da, to­da­via, sob uma for­ma mais ma­ti­za­da. Ain­da as­sim, a omis­são dos no­mes de Luís Moi­ta e Te­o­tó­nio Pereira, os cé­re­bros da vi­gí­lia da Ca­pe­la do Ra­to, de­mons­tra que a re­con­ci­li­a­ção com o pas­sa­do, de que atrás se fa­lou, não é com­ple­ta nem isen­ta de rui­do­sos si­lên­ci­os. A mais gri­tan­te omis­são, no en­tan­to, diz res­pei­to à ac­ti­vi­da­de do PRP e su­as se­que­las, que de­ve­ria ser mui­to mais de­sen­vol­vi­da até pa­ra com­pre­en­der­mos — e não é es­se o pro­pó­si­to da au­to­ra? — a na­tu­re­za da lu­ta ar­ma­da e as su­as even­tu­ais di­fe­ren­ças qu­an­do pra­ti­ca­da em di­ta­du­ra e em de­mo­cra­cia. Anos vol­vi­dos so­bre o des­man­te­la­men­to das FP-25 de Abril, e qu­es­ti­o­na­da pe­los seus fi­lhos so­bre o des­ti­no da­do ao ar­se­nal do PRP e à sua ale­ga­da trans­fe­rên­cia pa­ra as FP-25, Isa­bel do Car­mo res­pon­de de for­ma eva­si­va e es­ca­pis­ta: “Ah, o ar­se­nal…”, li­mi­ta- se a di­zer, man­ten­do o la­co­nis­mo, co­mo se ain­da es­ti­ves­se na clan­des­ti­ni­da­de, a pres­tar de­cla­ra­ções à po­lí­cia ou, pi­or do que is­so, co­mo se re­ce­as­se o pas­sa­do, ati­tu­de que se po­de com­pre­en­der, mas não pa­ra quem enal­te­ce o he­roís­mo da lu­ta ar­ma­da e, mais ain­da, se dispôs a fa­lar, em inú­me­ras oca­siões, so­bre o seu en­vol­vi­men­to nes­sa vi­o­len­ta mo­da­li­da­de de ac­tu­a­ção po­lí­ti­ca.

Mais la­men­tá­veis ain­da são os er­ros his­tó­ri­cos gros­sei­ros, in­cluin­do em do­mí­ni­os que a au­to­ra de­ve­ria co­nhe­cer bem, da­da a sua pro­xi­mi­da­de com eles. As­sim, por exem­plo, na pág. 346 cha­ma- se O Es­quer­dis­mo com Rou­pa­gens So­ci­a­lis­tas ao fa­mo­so es­cri­to de Ál­va­ro Cu­nhal O Ra­di­ca­lis­mo Pe­que­no-Bur­guês de Fa­cha­da So­ci­a­lis­ta, e diz- se ser um tex­to de 1972 qu­an­do, na re­a­li­da­de, foi re­di­gi­do em No­vem­bro de 1970 e edi­ta­do ain­da es­se ano pe­las Edi­ções Avan­te, sen­do es­te um er­ro par­ti­cu­lar­men­te gra­ve, aqui sa­li­en­ta­do a tí­tu­lo me­ra­men­te exem­pli­fi­ca­ti­vo, já que ou­tros lap­sos fac­tu­ais se po­de­ri­am jun­tar, em es­pe­ci­al nos ca­pí­tu­los de­di­ca­dos aos gru­pos re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os de ou­tros paí­ses.

Sig­ni­fi­ca­rá is­to que o presente li­vro de­ve ser to­tal­men­te des­car­ta­do de­vi­do aos pro­ble­mas atrás enun­ci­a­dos? De mo­do al­gum. Mais do que ne­le é es­cri­to e

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.