As for­mas ter­re­nas do bem

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Dois en­sai­os ra­di­cais de uma pen­sa­do­ra in­tem­pes­ti­va. Má­rio San­tos No­ta So­bre a Su­pres­são Ge­ral dos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos (trad. Ma­nu­el de Freitas) Re­fle­xões So­bre as Cau­sas da Li­ber­da­de e da Opres­são So­ci­al (trad. Ma­ria de Fá­ti­ma Se­das Nu­nes) Simone Weil An­tí­go­na des­me­di­do a au­to­ra des­tes dois en­sai­os pu­bli­ca­dos pe­la An­tí­go­na pro­cu­rou con­sa­grar­se à ver­da­de, à be­le­za e à jus­ti­ça: as “três for­mas ter­re­nas do bem”. Qu­an­do ain­da em No­va Ior­que — pa­ra on­de ha­via fu­gi­do com os pais em 1942, a par­tir de Mar­se­lha (a as­cen­dên­cia ju­dai­ca da fa­mí­lia as­sim o re­co­men­da­va, mas a au­to­ra res­sen­tiu tal fuga co­mo uma “de­ser­ção” e não des­can­sou en­quan­to não con­se­guiu jun­tar- se à Re­sis­tên­cia gaul­lis­ta em Lon­dres) —, en­vi­a­ra car­tas pun­gen­tes ao ami­go Mau­ri­ce Schu­mann, a voz da “Fran­ce Li­bre” na BBC, im­plo­ran­do que lhe fos­se da­da uma mis­são clan­des­ti­na (e pe­ri­go­sa, de pre­fe­rên­cia) na Fran­ça ocu­pa­da: “A dor e o pe­ri­go são in­dis­pen­sá­veis por cau­sa da mi­nha con­for­ma­ção men­tal. […] O in­for­tú­nio que co­bre a su­per­fí­cie do globo ter­res­tre ob­ce­ca-me e opri­me-me até ao pon­to de anu­lar as mi­nhas fa­cul­da­des, e eu não con­se­gui­rei re­cu­pe­rá-las e li­vrar-me des­sa ob­ses­são se não me ca­lhar a mim mes­ma uma boa par­te de pe­ri­go e so­fri­men­to. […] Su­pli­co-lhe que me en­con­tre, se pu­der, a quan­ti­da­de de so­fri­men­to e de pe­ri­go úteis que me pre­ser­va­rá de ser es­te­ril­men­te con­su­mi­da pe­la má­goa.”

Da­ta des­se pe­río­do pas­sa­do em In­gla­ter­ra, que foi cur­to mas in­te­lec­tu­al­men­te mui­to pro­du­ti­vo, o tex­to de No­ta So­bre a Su­pres­são Ge­ral dos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos, pu­bli­ca­do pe­la pri­mei­ra vez em 1950, na re­vis­ta fran­ce­sa La Ta­ble Ron­de. Não obs­tan­te a bre­vi­da­de e o tí­tu­lo, não se tra­ta de me­ro pan­fle­to de cir­cuns­tân­cia. Não se­rá ne­ces­sá­rio fre­quen­tar imo­de­ra­da­men­te os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al (as fa­mo­sas “re­des” in­cluí­das) pa­ra con­fe­rir, ho­je, a per­ti­naz ac­tu­a­li­da­de de uma ob­ser­va­ção co­mo es­ta: “Che­gá­mos a uma si­tu­a­ção em que qua­se não pen­sa­mos, se­ja em que do­mí­nio for, ex­cep­to pa­ra to­mar po­si­ção ‘pró’ ou ‘con­tra’ uma opi­nião. Pro­cu­ram- se de­pois os ar­gu­men­tos, con­so­an­te o ca­so, se­ja pró, se­ja con­tra. É a trans­po­si­ção exac­ta da ade­são a um par­ti­do. […] Um pou­co por to­do o la­do — e até mui­tas ve­zes em pro­ble­mas pu­ra­men­te téc­ni­cos —, a operação de to­mar par­ti­do, de to­mar po­si­ção pró ou con­tra, subs­ti­tuiu a operação do pen­sa­men­to.” Weil par­te da afir­ma­ção ra­di­cal de que a de­mo­cra­cia não é um fim (um “bem”) em si mes­ma: “Se a Re­pú­bli­ca de Wei­mar, em vez de Hi­tler, ti­ves­se de­ci­di­do pe­las vi­as mais ri­go­ro­sa­men­te par­la­men­ta­res e le­gais pôr os ju­deus nos cam­pos de con­cen­tra­ção e tor­tu­rá-los re­quin­ta­da­men­te até à mor­te, as tor­tu­ras não te­ri­am nem mais um áto­mo de le­gi­ti­mi­da­de do que têm ago­ra. E se­me­lhan­te coi­sa não é de mo­do ne­nhum in­con­ce­bí­vel.” Daí que ad­mi­ta, tal­vez con­tro­ver­sa­men­te, ha­ver “a pro­ba­bi­li­da­de de que uma qual­quer von­ta­de par­ti­cu­lar se tor­ne mais pró­xi­ma da jus­ti­ça e da ra­zão [o “bem”] do que a von­ta­de ge­ral” te­o­ri­za­da por Rous­se­au. Se a de­mo­cra­cia não con­duz ne­ces­sa­ri­a­men­te ao bem, (nem à ver­da­de, nem à jus­ti­ça – as­ser­ção fa­cil­men­te com­pro­vá­vel, aliás, olhando à nos­sa vol­ta), já os par­ti­dos po­lí­ti­cos – en­quan­to me­ca­nis­mos de “opres­são es­pi­ri­tu­al e men­tal” mar­ca­dos pe­lo “pe­ca­do ori­gi­nal” do to­ta­li­ta­ris­mo, que Weil faz re­mon­tar à Con­tra-Re­for­ma ca­tó­li­ca e ao Terror re­vo­lu­ci­o­ná­rio fran­cês – são o pró­prio mal: “Se con­fiás­se­mos ao di­a­bo a or­ga­ni­za­ção da vi­da pú­bli­ca, ele na­da con­se­gui­ria ima­gi­nar de mais en­ge­nho­so”; por­que, mui­to re­su­mi­da­men­te, “a fi­na­li­da­de prin­ci­pal, e, em úl­ti­ma aná­li­se, a úni­ca fi­na­li­da­de de qual­quer par­ti­do po­lí­ti­co, é o seu pró­prio cres­ci­men­to”, a sua pró­pria so­bre­vi­vên­cia. O meio tor­na- se o fim. Ca­da par­ti­do é “uma pe­que­na igre­ja ar­ma­da com a ame­a­ça de ex­co­mu­nhão”; quem en­tra “sub­me­te o seu pen­sa­men­to à au­to­ri­da­de do par­ti­do”. Por­que “não há na­da mais con­for­tá­vel do que não pen­sar”.

Que “as co­lec­ti­vi­da­des não pen­sam”, já Weil o ha­via afir­ma­do em Re­fle­xões So­bre as Cau­sas da Li­ber­da­de e da Opres­são So­ci­al, en­saio mais lon­go e es­tru­tu­ra­do es­cri­to cer­ca de 1934 (mas só pu­bli­ca­do vin­te anos de­pois). Por es­sa al­tu­ra, a fi­ló­so­fa eru­di­ta (len­dá­ria é a sua fa­mi­li­a­ri­da­de com a cul­tu­ra e a lín­gua gre­gas clás­si­cas des­de os al­vo­res da ado­les­cên­cia e nu­ma das car­tas de Lon­dres con­ta aos pais que es­tá a ler o Bha­ga­vad Gi­ta em sâns­cri­to) de­ci­di­ra tro­car a con­di­ção de pro­fes­so­ra pe­lo tra­ba­lho co­mo ope­rá­ria em vá­ri­as fá­bri­cas dos ar­re­do­res de Pa­ris. Per­se­guin­do uma in­tem­pes­ti­va vo­ca­ção pa­ra co­mun­gar dos so­fri­men­tos do mun­do e tal­vez a san­ti­da­de, en­ten­di­da, aliás, co­mo “vir­tu­de es­pe­cí­fi­ca” mí­ni­ma do cris­tão — e recorde- se que Weil, ten­do nas­ci­do nu­ma fa­mí­lia ju­dai­ca ag­nós­ti­ca, con­ver­teu- se (ain­da que in­for­mal­men­te) ao ca­to­li­cis­mo, pa­ra tal ten­do con­tri­buí­do, ale­ga­da­men­te, a de­vo­ção ob­ser­va­da nu­ma pro­cis­são du­ran­te uma vi­a­gem a Por­tu­gal.

Es­te en­saio é uma vi­go­ro­sa ten­ta­ti­va de cla­ri­fi­car o “qua­dro teó­ri­co de uma sociedade li­vre”, a par­tir da crí­ti­ca da in­ca­pa­ci­da­de do mar­xis­mo pa­ra su­pe­rar a “re­li­gião das for­ças pro­du­ti­vas” que o ir­ma­na ao ca­pi­ta­lis­mo e o faz pros­se­guir a ins­tru­men­ta­li­za­ção do ho­mem, ago­ra “ao ser­vi­ço do pro­gres­so histórico”. Tra­ta- se mais uma vez da “in­ver­são das re­la­ções en­tre os mei­os e os fins”, es­sa “ali­e­na­ção fun­da­men­tal”, o “mal es­sen­ci­al da hu­ma­ni­da­de”, a “lei de to­da a sociedade opres­si­va”. Pa­ra Weil, um as­sa­la­ri­a­do mo­der­no das “pe­ni­ten­ciá­ri­as in­dus­tri­ais que são as gran­des fá­bri­cas” é me­nos li­vre do que um ar­te­são me­di­e­val ou até do que cer­tos es­cra­vos na An­ti­gui­da­de, e é ilu­só­ria, e até pe­ri­go­sa, a li­ber­ta­ção pro­me­ti­da pe­la “em­bri­a­guez pro­du­zi­da pe­la ve­lo­ci­da­de do pro­gres­so téc­ni­co” e pe­la in­ten­si­fi­ca­ção das “for­ças pro­du­ti­vas”. Des­de lo­go, por­que os re­cur­sos do mun­do são fi­ni­tos. Con­vi­rá re­lem­brar que es­te tex­to foi es­cri­to em me­a­dos dos anos 30 do sé­cu­lo pas­sa­do, qu­an­do o es­ta­li­nis­mo era po­pu­lar en­tre os in­te­lec­tu­ais eu­ro­peus e não se fa­la­va nem de eco­lo­gia nem de ‘sus­ten­ta­bi­li­da­de’. “Nu­ma pa­la­vra”, diz Simone Weil, “o su­ces­so tor­nou- se, em to­dos os do­mí­ni­os, al­go de qua­se ar­bi­trá­rio, apa­ren­tan­do ca­da vez mais ser obra de pu­ro aca­so. E, co­mo o su­ces­so cons­ti­tui re­gra úni­ca de to­dos os ramos da ac­ti­vi­da­de hu­ma­na, a nos­sa ci­vi­li­za­ção es­tá sen­do in­va­di­da por uma de­sor­dem con­ti­nu­a­men­te cres­cen­te e ar­rui­na­da por um des­per­dí­cio pro­por­ci­o­nal a es­sa de­sor­dem. Es­ta trans­for­ma­ção sur­ge no pró­prio mo­men­to em que as fon­tes de lu­cro, das quais pro­vi­nha ou­tro­ra o pro­di­gi­o­so de­sen­vol­vi­men­to da eco­no­mia ca­pi­ta­lis­ta, se tor­nam ca­da vez mais es­cas­sas […]”.

A uma eco­no­mia sus­ten­ta­da “a gol­pes de es­pe­cu­la­ção e de pu­bli­ci­da­de, […] cor­rup­ção, in­ves­ti­men­tos for­mi­dá­veis as­sen­tan­do qua­se in­tei­ra­men­te so­bre o cré­di­to, es­co­a­men­to de pro­du­tos inú­teis por meio de pro­ces­sos qua­se vi­o­len­tos”, etc., con­tra­põe Weil a uto­pia mís­ti­ca de uma re­va­lo­ri­za­ção do tra­ba­lho ma­nu­al co­mo “va­lor su­pre­mo” de uma “ci­vi­li­za­ção mais ple­na­men­te hu­ma­na”; ou o tra­ba­lho co­mo for­ma de “con­tac­to por as­sim di­zer fí­si­co com a be­le­za do mun­do atra­vés da dor do es­for­ço” (tal co­mo diz nu­ma car­ta). Simone Weil, a lei­to­ra aten­ta de Marx, nun­ca per­de de vis­ta as vir­tu­des car­de­ais pla­tó­ni­cas, por ve­zes sa­tu­ra­das pe­la con­ver­são re­li­gi­o­sa. O re­sul­ta­do é fre­quen­te­men­te poé­ti­co: “O ren­di­men­to po­de­ria, aliás, pro­gre­dir a par da lu­ci­dez; ‘ bus­cai aci­ma de tu­do o rei­no dos céus e o mais vos se­rá da­do por acrés­ci­mo’”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.