Ví­ci­os pú­bli­cos, pri­va­das vir­tu­des

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Um filme me­nor de um ci­ne­as­ta con­tu­do in­te­res­san­te, Eva vi­ve de um cu­ri­o­so jogo de es­pe­lhos e pal­cos – e de uma Isa­bel­le Hup­pert es­pan­to­sa mes­mo que sem sur­pre­sas.

Jor­ge Mou­ri­nha

Eva

De Be­noît Jac­quot

Com Isa­bel­le Hup­pert, Gas­pard Ul­li­el, Ju­lia Roy Ca­so cu­ri­o­so, es­te de Be­noît Jac­quot, ci­ne­as­ta de enor­me in­te­li­gên­cia que, ao lon­go dos úl­ti­mos fil­mes, pa­re­ce es­tar a carburar “abai­xo das su­as pos­si­bi­li­da­des” mas nun­ca nos le­va a dar o tem­po por mal em­pre­gue. Acon­te­ce de no­vo com es­te Eva, adap­ta­ção de um ro­man­ce po­li­ci­al de Ja­mes Ha­dley Cha­se onde o ci­ne­as­ta pro­lon­ga a ex­plo­ra­ção dos jo­gos de po­der e se­du­ção do di­to “se­xo fra­co” que ví­ra­mos, por exem­plo, em Adeus, Minha Rai­nha (2012) ou Diá­rio de uma Cri­a­da de Quar­to (2015). Eva, a per­so­na­gem que dá tí­tu­lo ao filme, é uma call girl de lu­xo em An­necy que man­tém as su­as “vir­tu­des pri­va­das” ab­so­lu­ta­men­te se­pa­ra­dos dos seus “ví­ci­os pú­bli­cos” - uma mu­lher de du­as ca­ras que em­ba­te de fren­te com um ho­mem tam­bém ele de du­as ca­ras, um an­ti­go call-boy pa­ri­si­en­se que se tor­na num dra­ma­tur­go de su­ces­so à con­ta de uma pe­ça que rou­bou e apre­sen­tou co­mo se fos­se sua. Um en­con­tro de más­ca­ras, de im­pos­tu­ras — mas se ela sa­be qu­em é e o que quer, ele é um ho­mem que não sa­be qu­em é e que ca­ni­ba­li­za os ou­tros pa­ra se in­ven­tar.

Em gran­de par­te de­vi­do à pre­sen­ça de Isa­bel­le Hup­pert no pa­pel prin­ci­pal, ca­paz de “trans­for­mar” a at­mos­fe­ra com um olhar, um mo­vi­men­to, um tom de voz, Eva ge­re- se sem­pre nu­ma cor­da-bam­ba al­go in­so­len­te en­tre a comédia screw­ball eo th­ril­ler psi­co­ló­gi­co, mais in­te­res­san­te quan­do Jac­quot jo­ga com o sub­tex­to te­a­tral da his­tó­ria.

As su­as per­so­na­gens es­tão per­ma­nen­te­men­te “em ce­na”, to­do o filme se an­co­ra no mo­do co­mo os li­mi­tes do “pal­co”

(que, aqui, é tam­bém a vida) são res­pei­ta­dos ou trans­gre­di­dos. Mas se Hup­pert é per­fei­ta no pa­pel (mes­mo que se­ja o ti­po de mu­lher que ela já faz com as du­as per­nas atrás das cos­tas), tam­bém é ver­da­de que a sua pre­sen­ça e o pró­prio tom de Eva con­vo­cam uma in­jus­ta com­pa­ra­ção com o Ela de Paul Verho­e­ven que o filme de Jac­quot não po­de se­quer aguen­tar. E, pe­ran­te o ins­tru­men­to afi­na­do que é a ac­triz, Gas­pard Ul­li­el é sur­pre­en­den­te­men­te ané­mi­co, ca­ri­nha la­ro­ca in­ca­paz de ace­der à tur­bu­lên­cia in­te­ri­or que su­pos­ta­men­te mo­ve a sua per­so­na­gem. Fi­ca­mos com uma se­nho­ra ac­triz e uma sé­rie de boas idei­as de cinema.

E com mais um filme me­nor de um ci­ne­as­ta que já fez me­lhor.

Um en­con­tro de más­ca­ras, de im­pos­tu­ras: Eva, de Be­noît Jac­quot

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.