A birra do mor­to

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Re­tra­to pa­ró­di­co da ins­ti­tui­ção li­te­rá­ria, da vai­da­de au­to­ral, das mun­da­ni­da­des po­lí­ti­co-cul­tu­rais.

A de­ter­mi­na­da al­tu­ra, alu­de-se nes­te romance àque­le pe­cu­li­ar e am­bi­va­len­te fas­cí­nio que os es­cri­to­res, so­bre­tu­do aque­les vo­ca­ci­o­na­dos pa­ra o re­a­lis­mo e pa­ra a crítica de cos­tu­mes, cos­tu­mam des­per­tar nos seus cír­cu­los pró­xi­mos, fas­cí­nio que se di­vi­de en­tre o re­ceio que os su­pos­tos mo­de­los do es­cri­tor sen­tem de po­de­rem vir a re­co­nhe­cer-se ca­ri­ca­tu­ra­dos ou cen­su­ra­dos e a vai­da­de de se ve­rem (ou le­rem) ro­man­ce­a­dos e trans­fi­gu­ra­dos em le­tra de forma. Nes­se sen­ti­do, O Fi­el De­fun­to tal­vez pu­des­se ser li­do co­mo ro­man à clef. Mas só muito re­si­du­al­men­te, pois a sá­ti­ra mais re­cen­te de Ger­ma­no Al­mei­da — em­bo­ra se­ja ne­la re­co­nhe­cí­vel o re­tra­to pa­ró­di­co da ins­ti­tui­ção li­te­rá­ria, da vai­da­de au­to­ral, das mun­da­ni­da­des po­lí­ti­co-cul­tu­rais e do ge­ne­ra­li­za­do no­vo-ri­quis­mo — é de tal mo­do des­co­me­di­da e có­mi­ca que, não obs­tan­te os re­fe­ren­tes con­cre­tos de tem­pos, per­so­na­gens e lu­ga­res, de­pres­sa se trans­for­ma em far­sa ar­ti­fi­ci­o­sa e des­pu­do­ra­da­men­te bur­les­ca. Tu­do por cau­sa da birra le­ga­da em tes­ta­men­to pe­lo de­fun­to fi­el, Miguel Lo­pes Ma­ci­ei­ra, as­sas­si­na­do “pe­lo seu mai­or e mais ín­ti­mo ami­go” (ale­ga­da­men­te “em le­gí­ti­ma de­fe­sa da sua in­te­gri­da­de psi­co­ló­gi­ca”) no iní­cio da ce­ri­mó­nia de lan­ça­men­to de O Úl­ti­mo Mu­gi­do, a obra in­vo­lun­tá­ria e ines­pe­ra­da­men­te fi­nal do “gran­de es­cri­tor das ilhas”, que aca­ba­va de re­gres­sar ao he­rói­co la­bor da es­cri­ta, após vá­ri­os anos de dú­pli­ce im­po­tên­cia. Não se pre­o­cu­pem os lei­to­res mais sen­sí­veis aos sus­pen­si­vos pra­ze­res de tra­mas e tra­mói­as, pois não es­ta­mos re­ve­lan­do aqui na­da que não es­te­ja li­do e sa­bi­do ao cair o pa­no do pri­mei­ro bre­ve ca­pí­tu­lo. En­fim, não fo­ra o mor­to ha­ver ma­ni­fes­ta­do pós­tu­ma von­ta­de de inau­gu­rar no­va atrac­ção tu­rís­ti­ca nas ilhas, sob a forma ca­lo­ro­sa de uma in­ci­ne­ra­ção em pra­ça pú­bli­ca, e tu­do es­ta­ria bem. E mor­to e en­ter­ra­do. Co­mo de­ve­ria ser. M. S. O Fi­el De­fun­to Ger­ma­no Al­mei­da Ca­mi­nho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.