E ago­ra al­go di­ver­ti­do pa­ra a men­te com Su­pe­ror­ga­nism

Publico - Ipsilon - - Vítor Belanciano -

Fo­ram uma das mais gra­tas sur­pre­sas do úl­ti­mo Pri­ma­ve­ra Sound do Por­to. Já se sa­bia que o ho­mó­ni­mo ál­bum de es­treia era um do­cu­men­to re­ves­ti­do por can­ções pop ima­gi­na­ti­vas, mas exis­ti­am re­ti­cên­ci­as em re­la­ção à forma co­mo po­de­ri­am ser ex­pres­sas em pal­co. Cin­co mi­nu­tos de­pois do iní­cio do con­cer­to não res­ta­vam dú­vi­das: as can­ções dos Su­pe­ror­ga­nism ao vi­vo re­sul­tam ain­da mais con­ta­gi­an­tes.

En­quan­to no fes­ti­val exis­tia qu­em se de­di­cas­se a ter uni­ca­men­te a ex­pe­ri­ên­cia de con­cer­tos rock, ou de hip-hop, ou ses­sões de mú­si­ca de dan­ça, nu­ma com­pro­va­ção, ape­sar de tu­do sur­pre­en­den­te pa­ra os tem­pos que se vi­vem, de que as di­fe­ren­tes afir­ma­ções iden­ti­tá­ri­as ain­da es­tão co­nec­ta­das com gé­ne­ros de mú­si­ca e for­mas es­pe­cí­fi­cas de ex­por es­ses sons ao vi­vo, em pal­co os Su­pe­ror­ga­nism mis­tu­ra­vam tu­do da úni­ca forma pos­sí­vel: com a des­con­trac­ção in­so­len­te de qu­em não per­ce­be que, es­tan­do ho­je tu­do ba­ra­lha­do na ho­ri­zon­tal, ain­da exis­te qu­em pro­cu­re gui­ar-se por hi­e­rar­qui­za­ções ar­ti­fi­ci­ais, di­vi­din­do, em vez de as­si­mi­lar.

Exis­te qu­em lhes cha­me pós­mo­der­nos, tí­pi­ca afir­ma­ção es­va­zi­a­da de con­teú­do, que não en­ten­de que os Su­pe­ror­ga­nism não que- rem afir­mar na­da, ao con­trá­rio do que acon­te­cia nos anos 1980 com es­sas cor­ren­tes. Eles não que­rem pa­re­cer. Eles são. Per­ten­cem a um agre­ga­do de pes­so­as — cha­mar-lhe ge­ra­ção tal­vez se­ja ex­ces­si­vo — com afi­ni­da­des glo­bais, que já di­ge­riu um vas­to le­que de re­fe­rên­ci­as na era da in­ter­net. Não pro­cu­ram a mis­tu­ra frag­men­ta­da de alu­sões. Sim­ples­men­te fa­zem par­te do que são.

E is­so tan­to es­tá presente na mú­si­ca, apa­ren­te amál­ga­ma de ele­men­tos — di­nâ­mi­cas elec­tró­ni­cas, téc­ni­cas e mo­ti­vos res­ga­ta­dos ao hip-hop, ou mo­de­lo de can­ção pop en­vol­vi­do em ba­lan­ço funk —, co­mo na forma co­mo o co­lec­ti­vo se apre­sen­ta em pal­co, mis­tu­ra de mo­de­los rock, lin­gua­gem au­di­o­vi­su­al e per­for­man­ce dan­çan­te. Em pal­co as aten­ções con­cen­tram-se nu­ma pe­que­na vo­ca­lis­ta de ar ori­en­tal que de vez em quan­do tam­bém to­ca te­cla­dos, en­quan­to à vol­ta se mo­vi­men­tam três per­for­mers- bai­la­ri­nos- can­to­res (du­as ra­pa­ri­gas e um ra­paz) que não pa­ram por um momento qui­e­tos, e três mú­si­cos, em ba­te­ria, gui­tar­ra e te­cla­dos. A atri­buir sen­ti­do ao to­do, um ce­ná­rio imparável de ima­gens e lu­zes co­lo­ri­das, onde tan­to a na­tu­re­za é hi­per­bo­li­za­da co­mo a vi­da nas ur­bes.

Afi­nal, qu­em são os Su­pe­ror­ga- nism? Quan­do a sua pri­mei­ra can­ção, So­mething for your M.I.N.D., co­me­çou a cir­cu­lar na in­ter­net, no fi­nal do ano pas­sa­do, não era fá­cil en­con­trar in­for­ma­ção so­bre eles. E não era es­tra­té­gia. Sim­ples­men­te o co­lec­ti­vo não es­pe­ra­va que ti­ves­se im­pac­to com aque­le rit­mo de­sen­gon­ça­do, li­nhas de bai­xo re­don­das e vo­zes em co­li­são psi­ca­dé­li­ca a pro­du­zi­rem no­vos sen­ti­dos pa­ra uma pop ar­co-íris. Mas o bo­ca-a-bo­ca vir­tu­al foi fun­ci­o­nan­do e al­guns no­mes, co­mo Frank Oce­an, Ez­ra Ko­e­nig ( Vam­pi­re We­e­kend), ou Da­vid Byr­ne, co­mo cons­ta­tá­mos em entrevista re­cen­te, fo­ram-se dei­xan­do con­quis­tar.

Che­gou a es­pe­cu­lar-se que po­de­ri­am ser um pro­jec­to pa­ra­le­lo de Ke­vin Par­ker dos aus­tra­li­a­nos Ta­me Im­pa­la, mas na­da dis­so. Quan­do fi­nal­men­te, no de­cor­rer des­te ano, sur­gi­ram as pri­mei­ras en­tre­vis­tas, o mis­té­rio acla­rou-se. O gru­po de­cor­ria de um ou­tro, os ne­o­ze­lan­de­ses The Ever­sons, que com es­sa de­sig­na­ção nun­ca con­se­gui­ram gran­de pro­jec­ção. Mas ti­nham, pe­lo me­nos, uma ad­mi­ra­do­ra: Oro­no No­gu­chi, uma ja­po­ne­sa de, na al­tu­ra, 17 anos, que es­ta­va a es­tu­dar nos EUA, e que os con­tac­tou pe­las re­des so­ci­ais pa­ra lhes de­cla­rar de­vo­ção, ten­do de­pois as­sis­ti­do a um con­cer­to do gru­po, tor­nan­do-se ami­ga e pró­xi­ma de­les.

Na al­tu­ra com­pu­nham te­mas ins­tru­men­tais, re­cor­ren­do aos mais di­ver­sos frag­men­tos de sons — de sons de cai­xas re­gis­tra­do­ras a gra­va­ções de fil­mes ou pás­sa­ros a can­tar — mas fal­ta­va-lhes uma voz con­vin­cen­te. Foi aí que de­ci­di­ram en­vi­ar a Oro­no No­gu­chi o ins­tru­men­tal de So­mething for your M. I. N. D. pa­ra que ela cri­as­se uma le­tra e can­tas­se por ci­ma da es­tru­tu­ra ins­tru­men­tal, o que aca­bou por acon­te­cer. Quan­do ela re­en­vi­ou o re­sul­ta­do ti­nham nas­ci­do ver­da­dei­ra­men­te os Su­pe­ror­ga­nism.

De­pois de con­ver­sa­ções, os mem­bros do co­lec­ti­vo, que ha­vi­am de­ci­di­do ru­mar a Lon­dres no âm­bi­to de uma re­si­dên­cia ar­tís­ti­ca, aco­lhe­ram tam­bém a ja­po­ne­sa, ten­do des­te en­tão aí per­ma­ne­ci­do jun­tos. En­tre ne­o­ze­lan­de­ses, aus­tra­li­a­nos e ja­po­ne­ses, aca­ba­ram por jun­tar- se tam­bém in­gle­ses, e ago­ra são oi­to. O res­to é co­nhe­ci­do. A edi­to­ra Do­mi­no ( Arc­tic Mon­keys, Franz Fer­di­nand) in­te­res­sou- se por eles e em Abril lan­ça­ram o ál­bum de es­treia, ten­do vin­do a con­quis­tar pau­la­ti­na­men­te ca­da vez mais público. O cu­ri­o­so é que foi gra­va­do in­te­gral­men­te an­tes de qual­quer con­cer­to.

O que é de­sar­man­te é a ma­nei­ra sim­ples, mas ex­tre­ma­men­te efi­caz e in­ven­ti­va, co­mo as can­ções re­sul- tam, al­ter­nan­do en­tre o des­lum­bra­men­to e a me­lan­co­lia, o di­ver­ti­do e o abor­re­ci­do, com a voz e ati­tu­de de Oro­no No­gu­chi pa­re­cen­do au­sen­te, pa­ra lo­go de se­gui­da nos li­gar à ter­ra de uma forma iró­ni­ca. Os di­ver­sos ele­men­tos que cons­ti­tu­em a mú­si­ca co­or­de­nam-se, sus­ten­tam um cor­po pop na­da pre­vi­sí­vel, sem com­pro­me­te­rem a exal­tan­te fres­cu­ra que exa­la­da da mai­o­ria das can­ções.

No Por­to deu pa­ra per­ce­ber que es­ta mú­si­ca es­ta­pa­fúr­dia, pa­re­cen­do por ve­zes po­vo­a­da pe­lo ima­gi­ná­rio dos vi­de­o­jo­gos, re­sul­ta mes­mo ali­ci­an­te ao vi­vo, pa­re­cen­do fa­zer eco de ex­cên­tri­cos de ou­tras dé­ca­das (B-52’s ou Tal­king He­ads) ou do presente (co­mo The Ava­lan­ches), em­bo­ra o re­sul­ta­do res­pi­re sin­gu­la­ri­da­de por to­dos os po­ros, co­mo é au­dí­vel em can­ções que au­gu­ram o Ve­rão co­mo Every­body wants to be fa­mous, No­body ca­res ou Re­flec­ti­ons on the scre­en.

No dia em qua ac­tu­a­ram no Por­to o céu es­ta­va cin­zen­to, pa­re­cia que a qual­quer momento se aba­te­ria uma tem­pes­ta­de no lo­cal. Mas não. Em pal­co en­ver­ga­vam-se im­per­meá­veis co­lo­ri­dos, as ima­gens eram te­ch­ni­co­lor e a mú­si­ca ema­na­va to­tal di­ver­são, con­ta­gi­an­do to­dos os que as­sis­ti­am, co­mo se sus­pen­des­se a re­a­li­da­de. A chu­va só che­ga­ria no dia se­guin­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.