Com Fe­la, a mú­si­ca era sem­pre uma ar­ma

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Ins­pi­ra­ção pa­ra o es­pec­tá­cu­lo de Coulibaly,

o ni­ge­ri­a­no foi a mais em­pe­nha­da voz

an­ti-po­der na mú­si­ca afri­ca­na.

Ase­men­te da in­sub­mis­são es­ta­va plan­ta­da em Fe­la Ku­ti des­de ce­do. O pai, o re­ve­ren­do Is­ra­el Ran­so­me-Ku­ti, foi fun­da­dor de vá­ri­os sin­di­ca­tos de es­tu­dan­tes e professores na Ni­gé­ria; a mãe, Fun­mi­layo Ran­so­me-Ku­ti, li­de­rou vá­ri­as ma­ni­fes­ta­ções em Abe­o­ku­ta, con­tra a po­lí­ti­ca fis­cal da ci­da­de, con­se­guin­do ex­pul­sar o lí­der lo­cal de en­tão. Es­ta curta fi­li­a­ção no pro­tes­to é elen­ca­da por Do­ri­an Lyns­key em 33 Re­vo­lu­ti­ons per Mi­nu­te, li­vro em que se de­di­ca a es­cal­pe­li­zar 33 can­ções que fi­ze­ram His­tó­ria en­quan­to mú­si­ca cri­a­da pa­ra de­sa­fi­ar o po­der, cla­mar por mu­dan­ças so­ci­ais, gui­ar cons­ci­ên­ci­as, ga­nhar vi­si­bi­li­da­de por meio do cho­que ou, no li­mi­te, fra­gi­li­zar o rei­na­do de dés­po­tas de to­do o mun­do.

Fe­la Ku­ti é a pre­sen­ça afri­ca­na num li­vro con­fes­sa­da­men­te mar­ca­do por li­mi­ta­ções ge­o­grá­fi­cas - com to­tal pre­do­mi­nân­cia de au­to­res an­gló­fo­nos. Mas é jus­to que, a ha­ver um só re­pre­sen­tan­te afri­ca­no, es­sa es­co­lha des­ta­que a vi­da e a obra de Fe­la. Ne­nhum ou­tro mú­si­co te­rá le­va­do tão lon­ge uma to­ma­da de po­si­ção con­tra os go­ver­nan­tes do seu país a pon­to de reclamar a in­de­pen­dên­cia do lu­gar on­de vi­via. Foi após os pri­mei­ros mo­men­tos de ten­são com as au­to­ri­da­des, nu­ma al­tu­ra de enor­me po­pu­la­ri­da­de e em que o seu es­ti­lo de vi­da de­sa­bri­do pa­re­cia afron­tar o po­der, de­pois, por­tan­to, das su­as pri­mei­ras pas­sa­gens pe­la pri­são, que Ku­ti de­ci­diu rei­vin­di­car um es­ta­do au­tó­no­mo nos ar­re­do­res de La­gos, a Ka­la­ku­ta Re­pu­blic, on­de man­da­va ele pró­prio, o auto- de­no­mi­na­do Black Pre­si­dent.

De to­da uma lon­ga co­lec­ção de can­ções que em Fe­la Ku­ti de­sa­fi­a­va con­ven­ções so­ci­ais, re­li­gi­o­sas, o pen­sa­men­to co­lo­ni­a­lis­ta e a sub­mis­são que ti­nha apen­sa, ou po­lí­ti­cas go­ver­na­ti­vas, Lyns­key des­ta­ca Zom­bie co­mo o exem­plo mais con­tun­den­te de um Fe­la con­tes­ta­tá­rio - cu­jo ver­da­dei­ro nas­ci­men­to se deu após o con­tac­to com o mo­vi­men­to

Black Power, em fi­nais dos anos 60, nos Es­ta­dos Uni­dos. E é fá­cil de jus­ti­fi­car: Zom­bie, te­ma de um fais­can­te afro­be­at, di­ri­gia- se crí­ti­ca e sar­cas­ti­ca­men­te aos mi­li­ta­res ni­ge­ri­a­nos que cum­pri­am or­dens co­mo se não car­re­gas­sem con­si­go um cé­re­bro que as pu­des­se ques­ti­o­nar.

O re­sul­ta­do não se fez es­pe­rar e, em 1977, o ata­que des­fe­ri­do pe­los mi­li­ta­res con­tra a

Ka­la­ku­ta Re­pu­blic des­truiu o es­pa­ço da co­mu­na, o clu­be Afri­ca Sh­ri­ne, to­das as fi­tas e gra­va­ções ori­gi­nais de Fe­la e te­rá re­sul­ta­do (vol­vi­dos dois me­ses) na mor­te da mãe do mú­si­co. A res­pos­ta do mú­si­co to­mou for­ma sob te­mas ca­da vez mais re­vol­ta­dos e uma fa­lha­da ten­ta­ti­va de se can­di­da­tar à pre­si­dên­cia do país. Mas o fei­to po­lí­ti­co de Fe­la nun­ca pas­sou pe­las ur­nas; pas­sou an­tes por ele­var sem­pre a mú­si­ca a uma ar­ma de com­ba­te. G. F.

vai bus­car o seu tí­tu­lo ao no­me da co­mu­na er­gui­da por Fe­la Ku­ti nos ar­re­do­res de La­gos, on­de vi­via com a fa­mí­lia e os mú­si­cos da sua ban­da, e on­de ti­nha cons­truí­do um es­tú­dio e uma uni­da­de de saú­de gra­tui­ta. Em 1970, o mú­si­co ni­ge­ri­a­no de­cla­rou um es­ta­do de in­de­pen­dên­cia do res­tan­te ter­ri­tó­rio, em pro­tes­to con­tra a go­ver­na­ção do país e re­cla­man­do a li­ber­da­de to­tal pa­ra Ka­la­ku­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.