Re­bel­des sem cau­sa no Ja­pão

Publico - Ipsilon - - Sumário -

Per­so­na­gens num va­zio mo­ral, à de­ri­va, uma das ima­gens mais es­tra­nhas e po­de­ro­sas do Ja­pão dos anos 60. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Con­tos Cruéis da Ju­ven­tu­de Seishun Zan­ko­ku Mo­no­ga­ta­ri De Na­gi­sa Oshi­ma

Com Miyu­ki Kuwa­no, Yu­su­ke Kawa­zu Con­tos Cruéis da Ju­ven­tu­de foi a se­gun­da lon­ga de Na­gi­sa Oshi­ma, es­tre­a­da no Ja­pão em 1960, quan­do o re­a­li­za­dor ti­nha 28 anos. Co­mo su­ce­deu com ou­tros ca­sos, a sua des­co­ber­ta por eu­ro­peus e ame­ri­ca­nos foi tar­dia e “re­tros­pec­ti­va”: Con­tos Cruéis da Ju­ven­tu­de só co­nhe­ceu am­pla di­vul­ga­ção no Oci­den­te a par­tir do fi­nal dos anos 1970, na sequên­cia do “su­ces­so de es­cân­da­lo” de O Im­pé­rio dos Sen­ti­dos. Des­co­briu-se en­tão, com es­pan­to, um fil­me que pa­re­cia um pri­mo ni­pó­ni­co do jo­vem ci­ne­ma eu­ro­peu do prin­cí­pio dos anos

60, e da nou­vel­le va­gue – mas fei­to nu­ma al­tu­ra em que ain­da não hou­ve­ra tem­po pa­ra se fa­lar nu­ma “in­fluên­cia”.

Ho­je co­nhe­ce­mos mais des­se con­tex­to e da­qui­lo que fi­cou co­nhe­ci­do co­mo a no­be­ru ba­gu, a nou­vel­le va­gue ja­po­ne­sa, mas po­de­mos ima­gi­nar o cho­que dos que o vi­ram nu­ma al­tu­ra em que a per­cep­ção do­mi­nan­te do ci­ne­ma ja­po­nês de 60 ain­da era o clas­si­cis­mo tar­dio dos fil­mes de Ya­su­ji­ro Ozu. So­bre es­sa di­fe­ren­ça não va­le­rá a pe­na in­sis­tir mais. Mas va­le a pe­na in­sis­tir em co­mo o fil­me de Oshi­ma con­ti­nua a pa­re­cer “no­vo”, a sua energia di­fu­sa, con­fu­sa, às ve­zes caó­ti­ca, a vi­ver ain­da ma­ra­vi­lho­sa­men­te, por­ven­tu­ra de for­ma mais ge­nuí­na que nou­tros mo­men­tos fu­tu­ros da obra de Oshi­ma. Aqui há uma fú­ria, uma vo­ra­ci­da­de, que faz coin­ci­dir os te­mas da nar­ra­ti­va com a maneira co­mo Oshi­ma pra­ti­ca o seu ci­ne­ma: a exu­be­rân­cia cro­má­ti­ca (os neóns co­lo­ri­dos das noi­tes de Tó­quio de­vem ser das coi­sas mais fo­to­gé­ni­cas que já exis­ti­ram), o tra­ta­men­to do ecrã lar­go, a ser ocu­pa­do pe­los cor­pos e pe­los ros­tos, a mon­ta­gem di­nâ­mi­ca, sin­co­pa­da, às ve­zes ofe­gan­te. É um fil­me fe­bril, e a fe­bre não se cu­rou nos qua­se 60 anos que nos se­pa­ram de­le.

E, de­pois, é um fil­me que po­dia ter a mes­ma epí­gra­fe do fil­me de Ni­cho­las Ray: “este ra­paz e es­ta ra­pa­ri­ga não fo­ram pro­pri­a­men­te apre­sen­ta­dos ao mun­do em que vi­ve­mos”. Os fil­mes de Ray – até pe­las co­res… – so­bre uma ju­ven­tu­de tão re­bel­de quan­to per­di­da pa­re­cem de fac­to pre­sen­tes em Con­tos Cruéis da Ju­ven­tu­de, e aí tal­vez se­ja le­gí­ti­mo fa­lar nu­ma “in­fluên­cia”. Nem Ma­ko nem Kiyoshi, o par de hus­tlers (as­sal­tam ho­mens de meia ida­de, “res­pei­tá­veis”, que ela se­duz) sa­be bem o lu­gar que ocu­pa no mun­do. Vi­vem do seu lust for li­fe, nu­ma in­cons­ci­ên­cia – até his­tó­ri­ca, co­mo na ce­na em que as­sis­tem, sem se en­vol­ve­rem ne­la, a uma ma­ni­fes­ta­ção con­tra um acor­do mi­li­tar ni­po­a­me­ri­ca­no. São out­si­ders, fo­ra do mun­do, da po­lí­ti­ca, da his­tó­ria, exis­tem ape­nas num wild si­de, co­mo energia des­tru­ti­va, sa­bo­ta­do­ra, os ho­mens que eles as­sal­tam re­pre­sen­tan­do a so­ci­e­da­de “acei­tá­vel”, bur­gue­sa, con­ser­va­do­ra. Mas daí que o olhar de Oshi­ma se­ja sem­pre de enor­me am­bi­gui­da­de, sem con­de­na­ção ( gos­ta das su­as per­so­na­gens) mas tam­bém sem em­pa­tia. Fil­ma-os co­mo pro­du­to sim­bó­li­co dum Ja­pão em cri­se de iden­ti­da­de, a er­guer-se da der­ro­ta na II Guer­ra, ti­tu­be­an­te en­tre o tra­di­ci­o­na­lis­mo e a mo­der­ni­da­de. Co­mo se exis­tis­sem num va­zio, mo­ral em pri­mei­ro lu­gar, e an­das­sem à de­ri­va. Oshi­ma não lhes oferece um por­to se­gu­ro, e is­so pa­re­ce me­nos uma con­de­na­ção de­les do que da­que­le Ja­pão, de que este fil­me per­ma­ne­ce uma das ima­gens mais es­tra­nhas e po­de­ro­sas. pas­sa­do mor­to e en­ter­ra­do e pre­ci­sa­vam de fa­zer ex­plo­dir as gri­lhe­tas que os pren­di­am.

Tu­do is­to abre pis­tas pa­ra o mo­do co­mo a re­la­ção de Flo­ren­ce e Edward se cons­trói e cris­ta­li­za. Ela, vi­o­li­nis­ta de ori­gens no­bres mas ac­ti­vis­ta an­ti-nu­cle­ar; ele, li­cen­ci­a­do em his­tó­ria que vem das clas­ses mé­di­as-bai­xas, com uma mãe so­fren­do de pro­ble­mas men­tais e uma in­to­le­rân­cia pa­ra com a in­jus­ti­ça; am­bos com his­tó­ri­as de trau­ma (so­ci­ais, pes­so­ais, se­xu­ais) tão en­ter­ra­das que os cor­ro­em por den­tro. É uma cáp­su­la do tem­po que se de­se­nha: a his­tó­ria de uma re­la­ção que em 1962 era ain­da al­go de sin­gu­lar e trans­gres­si­vo, co­lo­can­do em cau­sa as re­gras so­ci­ais de que os in­gle­ses tan­to gos­tam, que mui­tos já con­de­na­vam à par­ti­da.

É ver­da­de que, em mui­tos as­pec­tos, cor­res­pon­de ao ca­der­no de en­car­gos do fil­me bri­tâ­ni­co de pres­tí­gio; mas do que gos­ta­mos ne­le é da ca­pa­ci­da­de de usar es­sa ló­gi­ca pa­ra ten­tar fa­zer al­go mais do que ape­nas is­so, pa­ra ti­rar uma polaroid de um ca­sal que já trans­por­ta es­tig­mas ain­da an­tes de en­trar na ida­de adul­ta, apa­nha­do à sua re­ve­lia nas con­vul­sões do tem­po. Há um ro­man­ce de McEwan cha­ma­do A Cri­an­ça no Tem­po; o tí­tu­lo po­dia apli­car-se à his­tó­ria de Flo­ren­ce e Edward, con­ta­da nes­te fil­me dis­cre­to, mo­des­to, exem­plar­men­te co­mo­ven­te.

A fe­bre não se cu­rou nos 60 anos que nos se­pa­ram des­te fil­me

Fil­me dis­cre­to, mo­des­to, exem­plar­men­te co­mo­ven­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.