O mun­do, num re­tra­to sem re­con­ci­li­a­ção

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A no­va ex­po­si­ção de Jo­sé Pe­dro Cor­tes po­de ser des­cri­ta co­mo um es­pe­lho do mun­do em que vi­ve­mos e um oá­sis que re­sis­te no in­te­ri­or des­se mes­mo mun­do. Jo­sé Mar­me­lei­ra

Um Re­a­lis­mo Ne­ces­sá­rio Jo­sé Pe­dro Cor­tes Mu­seu Na­ci­o­nal de Ar­te Con­tem­po­râ­nea do Chi­a­do

Em Um Re­a­lis­mo Ne­ces­sá­rio, no Mu­seu do Chi­a­do, com a cu­ra­do­ria de Nu­no Cres­po (crí­ti­co no Íp­si­lon), Jo­sé Pe­dro Cor­tes re­gres­sa ao seu ar­qui­vo pa­ra mos­trar tra­ba­lhos de tem­pos e lu­ga­res di­fe­ren­tes. Tal co­mo em Plan­ta Es­pe­lho, em Ja­nei­ro, na ga­le­ria Fran­cis­co Fi­no, re­pe­te-se um ges­to que se de­cli­na em dois mo­men­tos – um olhar so­bre as ima­gens e um pen­sar que as “co­lo­ca no es­pa­ço” – mas, ago­ra, com ou­tra in­ten­si­da­de em ter­mos ex­po­si­ti­vos. Jo­sé Pe­dro Cor­tes pa­re­ce ex­pan­dir e pro­ble­ma­ti­zar, de mo­do mais as­ser­ti­vo e abran­gen­te, a sua re­la­ção, en­quan­to ar­tis­ta, com a re­a­li­da­de, en­vol­ven­do o es­pec­ta­dor nas ques­tões que as fo­to­gra­fi­as le­van­tam. É co­mo se este não pu­des­se dei­xar de as es­cu­tar. As­sim, o que sig­ni­fi­ca, nes­ta ex­po­si­ção, o re­a­lis­mo? Uma dei­fi­ca­ção do mun­do co­mo ele é? Uma apo­lo­gia da ne­ces­si­da­de? Ou, pe­lo con­trá­rio, uma in­ter­ro­ga­ção di­ri­gi­da ao mun­do, uma aten­ção sen­sí­vel àqui­lo que o cons­ti­tui?

À en­tra­da da ex­po­si­ção, vê-se ao, fun­do de um lon­go cor­re­dor, o ros­to de uma mu­lher jo­vem. Com um des­con­for­to dig­no, a mão a se­gu­rar a ca­be­ça, olha-nos pe­lo en­qua­dra­men­to de Jo­sé Pe­dro Cor­tes; um re­tra­to que nos re­ce­be e nos põe à dis­tân­cia. Pe­se em­bo­ra a re­ser­va, a cu­ri­o­si­da­de sus­ci­ta o mo­vi­men­to de aproximação, mas, à es­quer­da, eis que se ani­ma ou­tra fo­to­gra­fia. A da do­bra que se de­se­nha na per­na de uma mu­lher, a as­si­na­lar, en­fim, a aber­tu­ra de Um Re­a­lis­mo Ne­ces­sá­rio. Mais do que du­as en­tra­das da ex­po­si­ção, este par de ima­gens sin­te­ti­za dois as­pec­tos nu­cle­a­res na abor­da­gem de Cor­tes: a re­la­ção que as fo­to­gra­fi­as cri­am en­tre si no es­pa­ço e a im­por­tân­cia que o ar­tis­ta con­sa­gra à ex­pe­ri­ên­cia vi­su­al do mun­do. É à vol­ta de am­bos que a ex­po­si­ção se dá a ver, reu­nin­do es­ca­las, pla­nos, mo­ti­vos ou, e sem pre­ten­der fe­rir a es­pe­ci­fi­ci­da­de ma­te­ri­al dos tra­ba­lhos, me­lo­di­as, sons, acen­tos, de­sa­cor­des.

Ca­da sa­la pa­re­ce cor­res­pon­der a uma cons­te­la­ção es­pe­cí­fi­ca que di­a­lo­ga com a se­guin­te, não ape­nas em ter­mos es­pa­ci­ais, mas, tam­bém, na me­mó­ria de quem vê. Na pri­mei­ra sa­la, as­so­mam te­mas que se re­pe­ti­rão: de­ta­lhes de cor­pos hu­ma­nos, a re­la­ção des­tes com os ob­jec­tos, o con­ví­vio en­tre pes­so­as, a abs­trac­ção das su­per­fí­ci­es, as mar­cas da cons­tru­ção do ar­ti­fí­cio hu­ma­no so­bre a Ter­ra, a re­la­ção en­tre o mun­do fei­to pe­lo ho­mem e o mun­do na­tu­ral. Jo­sé Pe­dro Cor­tes não ni­ve­la fe­nó­me­nos ou re­a­li­da­des com a fo­to­gra­fia, não dis­sol­ve se­res e coi­sas na produção de ima­gens. Dá-nos um re­tra­to que fez do mun­do, um mun­do que com­pre­en­de uma plu­ra­li­da­de de fe­nó­me­nos e ex­pe­ri­ên­ci­as e que par­ti­lha. Exor­ta-nos a pres­tar a aten­ção a uma plan­ta (nu­ma das fo­to­gra­fi­as mais co­mo­ven­te da ex­po­si­ção), aos nos­sos de­dos, aos ges­tos que dão sen­ti­dos às re­la­ções hu­ma­nas, à pai­sa­gem que al­te­ra­mos e, por ve­zes, des­truí­mos. No seu olhar me­di­a­do pe­la má­qui­na, há iro­nia, dú­vi­da, es­pan­to, en­can­ta­men­to, sen­ti­men­tos e sen­sa­ções que pro­vém de uma sen­si­bi­li­da­de agu­ça­da, sem­pre des­per­ta. É es­sa sen­si­bi­li­da­de que Jo­sé Pe­dro Cor­tes co­mu­ni­ca, ine­vi­ta­vel­men­te, ao vi­si­tan­te. Acre­di­ta que tam­bém este po­de olhar, de ou­tro mo­do, pa­ra uma mão que re­pou­sa so­bre um vo­lan­te de um au­to­mó­vel, pa­ra as ru­as que se cru­zam nu­ma ci­da­de ao fim de uma noi­te de Ve­rão, pa­ra o re­fle­xo de uma luz, pa­ra a pre­sen­ça ba­nal do ci­men­to, pa­ra a po­si­ção do cor­po de al­guém que es­pe­ra ou olha por uma ja­ne­la. Este re­a­lis­mo não se con­fun­de com uma ce­le­bra­ção da re­a­li­da­de ou com qual­quer ti­po de es­ca­pis­mo ou es­te­ti­cis­mo. As ima­gens nas­cem de uma sus­pen­são de flu­xo vi­vo da vi­da, do seu ins­tan­te, da sua con­tin­gên­cia. Cap­tu­ra­das pe­la ob­jec­ti­va, são-nos de­vol­vi­das pa­ra fa­ze­rem par­te de mun­do do qual fo­ram re­ti­ra­das. De um mun­do que Jo­sé Pe­dro Cor­tes ha­bi­ta, mas ao qual não se aco­mo­da e, no en­tan­to, do qual não es­ca­pa. Faz par­te de­le, é de­le e, em gran­de me­di­da, tam­bém é nos­so. É o que nos di­zem os re­tra­tos das mu­lhe­res, cu­jos sor­ri­sos não se se abrem, mas nos quais se pres­sen­tem co­ra­ções for­tes (na pe­núl­ti­ma sa­la, nu­ma ga­le­ria em que ca­da re­tra­to in­di­vi­du­al apon­ta pa­ra a exis­tên­cia de vi­das in­di­vi­du­ais), as fo­to­gra­fi­as de ob­jec­tos que­bra­dos ou aban­do­na­dos pe­los ho­mens ou de fo­to­gra­fi­as de fo­to­gra­fi­as pu­bli­ca­das nu­ma re­vis­ta. Este re­tra­to do mun­do, de um re­a­lis­mo ne­ces­sá­rio que, co­mo diz Jo­sé Pe­dro Cor­tes na en­tre­vis­ta a Nu­no Cres­po no li­vro da ex­po­si­ção, tem a ver com a or­ga­ni­za­ção das pró­pri­as ima­gens e é o es­pe­lho do nos­so tem­po, é, tam­bém, pa­ra­fra­se­an­do uma pen­sa­do­ra fa­le­ci­da em 1975, um oá­sis no in­te­ri­or das con­di­ções do mun­do pre­sen­te. Co­mo de­via ser gran­de par­te da ar­te.

As ima­gens nas­cem da sus­pen­são de flu­xo da vi­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.