Es­ta­ção Me­te­o­ro­ló­gi­ca António Gu­er­rei­ro Pa­ra que ser­ve a iden­ti­da­de?

Publico - Ipsilon - - Sumário -

ideia, já an­ti­ga, de que as tra­di­ci­o­nais ca­te­go­ri­as da Di­rei­ta e da Es­quer­da per­de­ram o po­der de sub­su­mir as di­fe­ren­ças de po­si­ção no es­pa­ço da re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca, su­ce­deu mais re­cen­te­men­te uma in­ver­são de pa­péis, ge­ra­do­ra de no­vas con­fi­gu­ra­ções: a Di­rei­ta ex­tre­ma en­trou no es­pa­ço da Es­quer­da e es­ta fez o mo­vi­men­to in­ver­so. Ana­li­sa­da de per­to e com apu­ra­dos ins­tru­men­tos, es­ta re­ver­si­bi­li­da­de é ape­nas apa­ren­te. Mas na po­lí­ti­ca, co­mo sa­be­mos, as apa­rên­ci­as pro­du­zem efei­tos bem re­ais. Um fac­tor que tem pro­mo­vi­do ac­ti­va­men­te a amál­ga­ma dos dois pó­los opos­tos do es­pec­tro ide­o­ló­gi­co é o con­cei­to de “po­pu­lis­mo”. Ex­pur­ga­do de to­do o ri­gor e dis­po­ní­vel pa­ra as mais mis­ti­fi­ca­do­ras uti­li­za­ções, ele tor­nou-se um lu­gar­co­mum do dis­cur­so po­lí­ti­co quo­ti­di­a­no e pas­sou a de­sig­nar coi­sas com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes: tan­to as in­jun­ções e os in­ci­ta­men­tos ra­cis­tas e xe­nó­fo­bos cla­ma­dos por apren­di­zes dos che­fes ca­ris­má­ti­cos do fas­cis­mo clás­si­co, co­mo o cum­pri­men­to do con­tra­to de­mo­crá­ti­co e le­gí­ti­mo com os elei­to­res. As­sim, em vez de de­sig­nar, co­mo lhe com­pe­tia, um es­ti­lo po­lí­ti­co, “po­pu­lis­mo” pas­sou a de­sig­nar uma ide­o­lo­gia. Res­pon­sá­vel por uma boa par­te des­ta in­de­fi­ni­ção quan­to ao que é per­ten­ça da Es­quer­da e o que é per­ten­ça da Di­rei­ta, es­tá uma pa­la­vra má­gi­ca, um sig­ni­fi­can­te-mes­tre, co­mo em tem­pos se di­zia, ele­va­do a ca­te­go­ria ge­ral, si­mul­ta­ne­a­men­te va­zia de to­do o con­teú­do e apli­ca­da às par­ti­cu­la­ri­da­des in­di­vi­du­ais. Es­sa pa­la­vra é iden­ti­da­de. As rei­vin­di­ca­ções iden­ti­tá­ri­as, que es­tão ho­je na or­dem do dia, vêm car­re­ga­das com es­sa am­bi­gui­da­de: tan­to po­dem ser, por exem­plo, a tra­du­ção prag­má­ti­ca e po­lí­ti­ca da te­o­ria do gé­ne­ro, co­mo a ma­tiz ide­o­ló­gi­ca da ex­tre­ma-di­rei­ta que emer­giu na Eu­ro­pa, nos úl­ti­mos anos. A ques­tão da iden­ti­da­de es­tá por is­so ar­ma­di­lha­da e é pre­ci­so sa­ber de­sac­ti­var os seus pe­ri­go­sos me­ca­nis­mos. É cer­to que a en­car­ni­ça­da ofen­si­va – às ve­zes com vi­o­lên­cia fí­si­ca à mis­tu­ra - con­tra aqui­lo a que re­lu­tan­tes ideó­lo­gos cha­mam “ide­o­lo­gia do gé­ne­ro” tem si­do um re­ve­la­dor da Di­rei­ta, a qual, por ou­tro la­do, tam­bém se tem mos­tra­do, em al­guns sec­to­res, per­meá­vel a no­vas re­gras, rou­ban­do à Es­quer­da o ter­re­no de uma mo­der­ni­da­de se­xu­al. Mas é evi­den­te que há usos am­bí­guos da ques­tão da iden­ti­da­de. Ela tan­to po­de re­en­vi­ar pa­ra uma iden­ti­da­de bi­o­ló­gi­ca, pa­ra uma no­ção de en­rai­za­men­to, pa­ra o da­do imu­tá­vel (e es­ta­mos nes­te ca­so in­cli­na­dos pa­ra a Di­rei­ta), co­mo pa­ra uma iden­ti­da­de que res­pon­de pu­ra e sim­ples­men­te ao ges­to re­fle­xi­vo que con­sis­te em per­gun­tar: “Quem so­mos nós?”, sem que a res­pos­ta re­me­ta pa­ra uma di­men­são on­to­ló­gi­ca. Do pon­to de vis­ta da Di­rei­ta, a iden­ti­da­de sig­ni­fi­ca so­bre­tu­do iden­ti­fi­ca­ção, o que im­pli­ca po­lí­ti­cas de con­tro­le das po­pu­la­ções, nos seus flu­xos e mi­gra­ções. O po­der bi­o­po­lí­ti­co, tal co­mo Fou­cault o de­fi­niu, es­tá li­ga­do a es­tes dis­po­si­ti­vos de con­tro­le das po­pu­la­ções, ao ser­vi­ço de uma no­ção de iden­ti­da­de que atri­bui às na­ções uma con­di­ção or­gâ­ni­ca (e, de maneira aná­lo­ga, fi­xa a iden­ti­da­de de gé­ne­ro na con­di­ção do se­xo bi­o­ló­gi­co). Já as po­lí­ti­cas iden­ti­tá­ri­as de Es­quer­da são de na­tu­re­za di­fe­ren­te: não pro­ce­dem pe­la ex­clu­são, mas pe­lo re­co­nhe­ci­men­to, não pe­la ne­ga­ção ou li­mi­ta­ção dos di­rei­tos dos ou­tros, mas pe­la rei­vin­di­ca­ção dos mes­mos di­rei­tos. Mas es­ta é uma maneira sim­ples e es­que­má­ti­ca de ex­pli­car as coi­sas. Elas re­ve­lam-se sem­pre mui­to mais com­pli­ca­das e uma pro­va dis­so é que o dis­cur­so iden­ti­tá­rio, à Es­quer­da e à Di­rei­ta, es­tá cheio de de­ri­vas, he­si­ta­ções, am­bi­gui­da­des. Por is­so é que, em ma­té­ria de or­dem se­xu­al e de gé­ne­ro, uma Es­quer­da apa­ren­te­men­te mui­to pro­gres­sis­ta fa­cil­men­te faz o jo­go de uma Di­rei­ta se­xu­al­men­te con­ser­va­do­ra. que sin­gra­va a olhos vis­tos. O brio da maiús­cu­la, o afã com que se de­fen­dia um ter­ri­tó­rio de in­fluên­cia, em ac­ções cer­ra­das e ála­cres, pa­re­ce o opos­to de uma po­si­ção dis­cre­ta e qua­se na som­bra, que é a des­te cronista. A sua pas­sa­gem por tal des­fi­le de cai­xas al­tas mais pa­re­ce um aci­den­te de per­cur­so do que fru­to de con­vic­ção. A sua, a ha­ver, se­ria ou­tra. O sa­bor in­de­fi­ní­vel da li­ber­da­de? “No fun­do, es­cre­vi [es­ta nota], ape­nas, pa­ra sen­tir co­mo se­rá bom dei­xar de es­cre­vê-la.” (p.51) Aqui se­ria avi­sa­do vol­tar ao pre­fá­cio de D. Oli­vei­ra, pa­ra de­le res­ga­tar es­sa ideia de que

Her­ber­to te­ria de­ci­di­do es­cre­ver “no No­tí­cia pa­ra po­der vi­ver em An­go­la” (p.7). Des­cre­ver-se-á mes­mo co­mo “vi­ci­a­do vi­si­ta­dor de lu­ga­res” (p.113). Se­guin­do uma éti­ca pes­so­al – mas a par­tir da qual por­ven­tu­ra se po­de­ria ex­tra­po­lar –, o de­cor­rer da vi­da, en­quan­to ob­jec­to da aten­ção do cronista, “não de­ve ser olha­do co­mo um es­pec­tá­cu­lo” (p.34), mas co­mo coi­sa dig­na de acon­te­cer e re­gis­tar sem pla­ce­bos, nem ma­ra­vi­lha­men­tos. Com uma cru­e­za dig­na. O olhar do cronista é fla­gran­te. Ini­mi­go de­cla­ra­do dos “ama­do­res do pi­to­res­co” (p.14), im­por­ta-lhe a re­por­ta­gem do que ex­pe­ri­men­ta, ou lhe do­cu­men­tam, em tes­te­mu­nhos co­lhi­dos com li­su­ra isen­ta de pa­ter­na­lis­mo, e uma aten­ção de mi­nú­cia ir­ri­ta­da com abs­trac­ções tais a do “ho­mem co­mum” – “Co­muns são os ho­mens to­dos, que di­a­bo!” (p.95) O cronista não se fi­ca pe­los ro­dei­os, nem pe­las su­ges­tões: ata­ca fron­tal­men­te. Sa­be bem o que quer e o que não quer que a sua ex­pres­são se­ja. E di-lo com cla­re­za afron­to­sa – “A len­ti­dão do es­pec­tá­cu­lo mo­ve-nos a qua­se acei­tar um es­ti­lo de­am­bu­la­tó­rio, es­prai­a­do, cur­vo – que nos re­pug­na em jor­na­lis­mo. Que­ría­mos in­tro­du­zir aqui uma tre­pi­da­ção de ima­gens fron­tais e vi­va­ci­da­de de um diá­lo­go que não há.” (p.15) Nes­se sen­ti­do, a sua es­cri­ta ac­tua co­mo um con­tra­a­ta­que, ofen­si­va sem pe­jo, opos­ta à fa­lan­ge ini­mi­ga – “To­da a li­te­ra­tu­ra mor­re aos pés des­tas pou­cas pa­la­vras que or­de­nam e co­or­de­nam rit­mi­ca­men­te o tra­ba­lho de meia dú­zia de ho­mens.” (p.16) A re­a­li­da­de e os re­fe­ren­tes que ro­dei­am o su­jei­to es­cre­ven­te são uma de­ma­sia, mas tam­bém uma es­cas­sez, que ini­be o or­na­men­to e a cal­cu­la­ção cul­ta da fra­se tor­ne­a­da e ele­gan­te. O que, sem co­arc­tar o im­pac­to do seu tra­ba­lho li­te­rá­rio, lhe con­fe­re uma pre­ci­são dis­tin­ta. As vin­di­mas são as “bo­das da ter­ra e do sol” (p.39); o mun­do que o ro­deia “é sú­bi­to e in­ter­mi­ná­vel” (p.137), e não são ne­le es­cas­sas as “ban­de­jas da fa­ta­li­da­de” (p.163), que o es­cri­tor nun­ca pre­ten­de es­ca­mo­te­ar. Nem or­na­men­tar. Uma es­cri­ta as­sim es­tá cons­tan­te­men­te a en­cur­tar ra­zões – “por­que pa­ci­ên­cia mui­to pou­ca” (p.79) –, e é por is­so que na sua ex­pres­são se po­de sen­tir es­sa pres­sa que é uma ur­gên­cia de di­zer “co­mo é”. Mas nes­te pe­cu­li­a­rís­si­mo uso da lin­gua­gem nun­ca dei­xa­rá de se fa­zer sen­tir “a cal­ma es­tra­nhe­za do poé­ti­co” (p.151). Ou nes­te es­ti­lo, se nos lem­brar­mos des­se “Es­ti­lo” de Os Pas­sos em Vol­ta, cu­jo se­mi­nal “Se eu qui­ses­se, en­lou­que­cia”, pa­re­ce co­nhe­cer um pre­lú­dio nu­ma des­tas pá­gi­nas – “Cla­ro que me ape­te­ce lo­go fa­lar no bom te­ma da lou­cu­ra.” (p.166) Ou es­se mo­men­to de Pho­to­ma­ton & Vox em que Her­ber­to es­cre­ve: “O es­ti­lo é a cri­a­ção da dig­ni­da­de.” Uma for­mu­la­ção que nem a mais iró­ni­ca das con­fis­sões – “As minhas pre­fe­rên­ci­as es­ti­lís­ti­cas sem­pre os­ci­la­ram en­tre os isa­be­li­nos e os re­pór­te­res des­por­ti­vos.” (p.173) – re­al­men­te con­tra­diz.

Os al­vos da cró­ni­ca são tão fac­tu­ais quan­to, em cer­tas an­gu­la­ções, se dei­xam cons­tran­ger pe­lo hu­mor e a iro­nia do cronista. Re­fe­ren­ci­an­do um can­ço­ne­tis­ta da épo­ca, ata­lha Her­ber­to – “Tu­de­la, que de­fe­nes­tra­ra o cha­péu, lan­ça­ra-se as­sim a in­ter­vir. In­ter­vi­nha com o Jo­sé Go­mes Fer­rei­ra e o António Ge­deão em es­ta­do de pa­ra­bri­sas.” (p.57) Quan­do é en­tre­vis­ta­dor, trans­for­ma a en­tre­vis­ta num gé­ne­ro que tem mais a ver com uma ca­ta­pul­ta do que uma afá­vel tro­ca de ame­ni­da­des. Em vez de um pin­gue-pon­gue cho­cho e me­la­do, HH tro­ca os ro­dí­zi­os a tu­do, e na­da fi­ca cer­ti­nho. O en­tre­vis­ta­dor es­tá cons­tan­te­men­te a fa­zer a ca­ma às su­as pró­pri­as in­ten­ções, pe­lo que na­da sai pe­lo mo­de­lo, nem pe­lo té­dio. O que HH es­pe­ra en­con­trar, não acha, e afir­ma-o, em vez de var­rer pa­ra de­bai­xo do pro­ver­bi­al ta­pe­te. A cró­ni­ca-en­tre­vis­ta as­su­me os des­vi­os no ca­mi­nho e a re­bel­dia do con­du­tor. O vo­lan­te va­ci­la, qua­se se des­pis­ta a com­pa­nhia to­da, mas no fun­do é a im­pres­são, o mo­men­to, o fla­gran­te, aqui­lo que vem à to­na. Do ou­tro la­do, po­de es­tar Car­los do Car­mo, ou Nel­son Ned, co­mo po­de tra­tar-se da co­ber­tu­ra de um mu­si­cal que en­tão cau­sa­va bra­do. O in­só­li­to não pre­pa­ra o ca­mi­nho, e a he­te­ro­ge­nei­da­de fi­ca­rá mar­ca dis­tin­guí­vel. A en­tre­vis­ta pas­sa a ser co­mo um en­saio de en­tre­vis­ta, pla­no pa­ra fa­zer uma en­tre­vis­ta, en­tre­cor­ta­da por co­men­tá­ri­os, no­tas, he­si­ta­ções. É o pró­prio HH quem o diz – “não es­tou ali pa­ra di­zer que sim, ape­nas sim. Ve­nho pa­ra sa­ber co­mo é” (p.61). E co­mo é, sig­ni­fi­ca não ade­rir por­que sim, mas por­que tal­vez ha­ja par­te a que ade­rir. Mas não se­rá um sim obe­di­en­te, nem con­ci­li­a­dor – “Adi­ro com­ple­ta­men­te à voz mas não ao fa­do.” (p.61)

Olhan­do, ima­gi­na-se, em re­dor, Her­ber­to cha­ma­rá “co­men­ta­do­res-co­me­do­res”

(p.52) aos agen­tes do post mor­tem que os jor­na­lis­tas têm de, ou es­co­lhem, ser. No ca­so, re­fe­ria-se a um ani­ver­sá­rio da mor­te de He­mingway, mas de­ve po­der ex­tra­po­lar-se pa­ra um He­mingway qua­se abs­trac­to, que fos­se apli­cá­vel a qual­quer mor­to ilus­tre. Mas nem à ho­ra da mor­te o in­sig­ne sui­ci­da dei­xa de le­var a sua es­to­ca­da, ape­li­da­do de “ma­ta­dor de ele­fan­tes” (p.53). Um re­pa­ro fi­el à de­no­ta­ção da­que­la bi­o­gra­fia, mas me­nos ha­bi­tu­al no que são ge­ral­men­te ha­gi­o­gra­fi­as sem di­rei­to ao con­tra­di­tó­rio.

A so­ci­e­da­de de “produção e con­su­mo” (p.120) é to­pa­da, nu­ma des­tas cró­ni­cas, co­mo um in­fa­me sis­te­ma di­ges­ti­vo – “Os mons­tros sen­ti­men­tais da pla­teia de­vo­ram sim­ples­men­te o pra­to ofe­re­ci­do pe­los em­pre­sá­ri­os – ofe­re­ci­do em tro­ca de ci­frões, cla­ro es­tá.”

(p.84) Não é me­nos de­pri­men­te do que in­ter­pe­lan­te, a ac­tu­a­li­da­de des­se pon­to de uma cró­ni­ca em que Her­ber­to re­gis­ta, com iro­nia sa­bi­a­men­te do­se­a­da, os ím­pe­tos as­sép­ti­cos dos au­to­ri­tá­ri­os e de­ci­so­res – “De­fen­da a sua saú­de não ma­nu­se­an­do li­vros usa­dos.” (p.55) Tal­vez fos­se fú­til a ten­ta­ti­va de de­ter­mi­nar se se­ria mais exac­to, quan­to à nos­sa épo­ca, cor­tar o qua­li­fi­ca­ti­vo e fi­car­mos pe­los li­vros. Se­ja co­mo for, a im­pres­são, o sa­bor amar­go que lo­go nos ocor­re, são no­tí­ci­as de uma in­tem­po­ra­li­da­de in­có­mo­da. Uma que não que­ría­mos, cer­ta­men­te, ex­pe­ri­men­tar. Mas que ape­nas a mai­or cas­mur­ri­ce ne­ga­ria. Nem fal­tam as “gui­lho­ti­nas”, que tan­ta tin­ta fi­ze­ram cor­rer, há não mui­to tem­po. A im­pre­ca­ção de Her­ber­to Hel­der, es­sa, cla­ma exac­ta e cor­tan­te – “De gui­lho­ti­nas pre­ci­sa­vam eles, es­ses edi­to­res in­fec­to-con­ta­gi­o­sos!” (p.56) E ain­da pre­ci­sa­ría­mos de mais le­ni­ti­vos, pa­ra su­por­tar es­sou­tro exem­plo de ac­tu­a­li­da­de, ser­vi­do à bo­ca pe­la lu­ci­dez, co­mo se fos­se um xa­ro­pe (ou um ve­ne­no?), à dis­tân­cia de meio sé­cu­lo da ac­tu­al gen­tri­fi­ca­ção – “O tu­ris­ta, co­mo se sa­be, é, lo­go a se­guir à ga­li­nha (de aviá­rio ou não), o ani­mal me­nos viá­vel da cri­a­ção.” (p.126); “O tu­ris­ta é ha­bi­tu­al­men­te ma­nu­se­a­do des­ta maneira: ti­ra-se de um ho­tel e me­te-se nou­tro ho­tel. Ser­ve-se, re­che­a­do, às bo­cas fa­min­tas.” (id.)

Quer se con­cen­tras­se no quo­ti­di­a­no, quer vol­tas­se a sua aten­ção pa­ra li­vros e au­to­res – ca­so mais ób­vio dos três úl­ti­mos tex­tos, ori­gi­nal­men­te pu­bli­ca­dos na sec­ção de Li­vros do No­tí­cia –, o olhar do au­tor man­tém a mes­ma ten­são na vi­gi­lân­cia. Agus­ti­na Bes­sa-Luís é, pa­ra lá de qual­quer dú­vi­da, “o nos­so úni­co gé­nio li­te­rá­rio” (p.80), que, por is­so, “não me­re­ce a in­jus­ti­ça de­gra­dan­te da po­pu­la­ri­da­de” (p.81); as des­cri­ções in­ser­tas na His­tó­ria Trá­gi­co-Ma­rí­ti­ma são des­cri­tas co­mo “re­por­ta­gens, num sen­ti­do mo­der­no do ter­mo” (p.185). Her­ber­to trans­por­tou pa­ra es­tes tex­tos a mes­ma “in­qui­e­ta cum­pli­ci­da­de” (p.101) que mar­ca­va os tem­pos al­te­ro­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.