O fil­me da sua gra­ça

Publico - Ipsilon - - Sumário -

No Co-

Fa­zen­do re­sis­tên­cia pas­si­va-agres­si­va ao tem­pla­te ci­ne­ma­to­grá­fi­co dos di­as de ho­je, No Ca­mi­nho da Es­cu­ri­dão vi­o­len­ta os da­dos da cro­no­lo­gia e, sen­do um fil­me re­a­li­za­do em 2017 por Paul Sch­ra­der, co­lo­ca-se ao la­do de Blue Col­lar (1978), de Hard­co­re

— A Ra­pa­ri­ga da Zo­na Quen­te (1979) e de Ame­ri­can Gi­go­lo (1980), os três tí­tu­los ini­ci­ais da fil­mo­gra­fia do re­a­li­za­dor.

Os dois pri­mei­ros re­vi­si­ta­vam as su­as ori­gens no Mi­chi­gan: por um la­do, o cal­vi­nis­mo pu­ro e du­ro de clas­se mé­dia, mas ten­do vi­vi­do num bair­ro com vis­ta pa­ra o gue­to pro­le­tá­rio is­so per­mi­tiu-lhe pres­sen­tir a claus­tro­fo­bia so­ci­al — o ge­né­ri­co de Blue Col­lar fa­zia- se com “I can’t get ahe­ad no mat­ter how hard I try” de Hard wor­kin Man de Cap­tain Be­efhe­art e pa­re­cia re­ve­lar- se ali um mar­xis­ta... Por ou­tro, ao olhar pa­ra trás, com a his­tó­ria de um obs­ti­na­do pro­tes­tan­te que pro­cu­ra­va a fi­lha no mun­do do por­no pa­ra on­de ela fu­gi­ra (Ge­or­ge C. Scott em Hard­co­re), re­tra­ta­va o pai e o seu pró­prio mo­vi­men­to de fuga de Grand Ra­pids — on­de só ha­via palavras; as ima­gens eram o in­fer­no — e uma no­va ob­ses­são, o se­xo.

É que o pre­sen­te pa­ra Sch­ra­der, nes­ses anos, era o cor­po. Apre­sen­ta­ra-se-lhe quan­do ater­rou em Los An­ge­les. So­bre as ex­pe­ri­ên­ci­as do sen­su­a­lis­ta dar-nos-ia con­ta Ame­ri­can Gi­go­lo, o fil­me do Call me de Blon­die/Gi­or­gio Mo­ro­der e do “vi­su­al” (via Fer­di­nan­do Scar­fi­ot­ti, que es­ta­va ali por cau­sa da art di­rec­ti­on no Con­for­mis­ta de Ber­to­luc­ci). Por es­tar in­de­xa­do ao chic de um tem­po, Ame­ri­can Gi­go­lo tal­vez não se te­nha dei­xa­do ver con­ve­ni­en­te­men­te. Por exem­plo, a for­ma co­mo ao mes­mo tem­po que se em­bri­a­ga­va (Sch­ra­der trans­for­ma­va o cor­po no gi­ná­sio; exer­ci­ta­va-se no contacto fí­si­co, que es­ti­ve­ra au­sen­te da fa­mí­lia, nos clu­bes gay, o que não re­pre­sen­ta­va “pe­ri­go”, se­gun­do ele, era co­re­o­gra­fia), ofe­re­cia re­sis­tên­cia, ar­re­dan­do os cor­pos de Ri­chard Ge­re e de Lau­ren Hut­ton do es­pec­tá­cu­lo pa­ra, com a con­ten­ção, per­mi­tir uma de­fla­gra­ção fi­nal. Era uma sub­til frus­tra­ção ou mes­mo vi­o­len­ta­ção da na­tu­re­za em­pá­ti­ca do ci­ne­ma. O fi­nal des­se fil­me foi o pri­mei­ro dos vá­ri­os em que Sch­ra­der fez ver­sões da cena de li­ber­ta­ção na pri­são de Pick­poc­ket, o fil­me de 1959 de Ro­bert Bres­son (“Oh, Je­an­ne, pour al­ler jusqu’à toi, qu­el drô­le de che­min il m’a fal­lu pren­dre”) — Bres­son sen­do um dos au­to­res, com Ozu e Dreyer, so­bre o qual in­ci­diu o seu li­vro Trans­cen­den­tal Sty­le in Film. Pas­sou a ser es­se um “mo­ti­vo” do ci­ne­ma do re­a­li­za­dor, uma mú­si­ca de fun­do, na ver­da­de, não uma apro­fun­da­men­to to­tal de uma ex­pe­ri­ên­cia trans­cen­den­tal. A car­rei­ra de ci­ne­as­ta que a par­tir daí ga­nhou ve­lo­ci­da­de e vá­ri­as ve­zes se es­tam­pa­ria com um chic cul­tu­ral e de cho­que pa­re­ceu de­mons­trar a sua pró­pria te­se de que os fil­mes que fez nun­ca fo­ram os fil­mes so­bre os quais es­cre­ve­ria. Até che­gar a No Ca­mi­nho da Es­cu­ri­dão.

Uma das coi­sas inu­si­ta­das des­te fil­me é a for­ma co­mo se in­tro­me­te na­que­les tí­tu­los re­a­li­za­dos en­tre 1978 e 1980 pa­ra os com­ple­tar, pa­ra li­ber­tar res­so­nân­ci­as — so­bre a Amé­ri­ca, ho­je es­pa­ço claus­tro­fó­bi­co, sem li­nhas de fuga co­mo as que ain­da se apre­sen­ta­vam em Hard­co­re, e so­bre a ex­pe­ri­ên­cia re­li­gi­o­sa, que no fil­me de 2017 es­tá ir­re­me­di­a­vel­men­te cor­rom­pi­da pe­las es­tra­té­gi­as em­pre­sa­ri­ais en­quan­to no fil­me de 1979 ain­da era fa­mi­li­ar e por is­so o olhar do re­a­li­za­dor so­bre o pas­sa­do não es­ta­va isen­to de nos­tal­gia. Sen­do fil­me es­cu­rís­si­mo, No Ca­mi­nho da Es­cu­ri­dão faz in­ci­dir luz so­bre os ca­mi­nhos que Sch­ra­der to­mou, in­cluin­do as pos­si­bi­li­da­des que fi­ca­ram por apro­fun­dar a par­tir do mo­men­to em que, ou­tra vez com Mo­ro­der e Scar­fi­ot­ti (e com a ob­ses­são por Nas­tas­s­ja Kins­ki), mo­vi­men­tou a câ­ma­ra em Cat Pe­o­ple/A Fe­li­na (1982) por pu­ra lu­xú­ria. ( Já quan­to a Ame­ri­can Gi­go­lo, No Ca­mi­nho da Es­cu­ri­dão faz com que se­ja ho­je um fil­me me­lhor.)

Es­tá lo­go tu­do — a vi­o­lên­cia do co­nhe­ci­men­to de si — na voz off ini­ci­al do re­ve­ren­do Ernst Tol­ler/ Ethan Haw­ke. Anun­cia a for­ma co­mo vai man­ter o seu diá­rio, “sem pi­e­da­de”. Des­sa for­ma di­ri­ge-se ao es­pec­ta­dor pa­ra lhe anun­ci­ar co­mo vai ser o fil­me, que vi­o­lên­cia vai in­fli­gir ao ci­ne­ma. Co­mo vai fa­zê-lo san­grar no in­te­ri­or.

São ges­tos, palavras, si­lên­ci­os e sub­trac­ções. Os sus­sur­ros ad­qui­rem a for­ça de gri­tos, uma com­pos­tu­ra vi­go­ro­sa. Tu­do or­ga­ni­zan­do uma li­tur­gia mais do que um plot — e que, por exem­plo, im­põe ao ri­tu­al ci­ne­ma­to­grá­fi­co de ho­je al­go que é um há mui­to não vis­to, os diá­lo­gos so­bre a fé co­mo os de Léon Mo­rin, Prê­tre (1962) de Je­anPi­er­re Mel­vil­le, e que nos im­põe a den­si­da­de das pri­mei­ras ex­pe­ri­ên­ci­as ci­ne­ma­to­grá­fi­cas de Sch­ra­der, que não fo­ram, co­mo no ca­so dos seus co­le­gas mo­vie brats, nem a co­mé­dia nem o wes­tern, fo­ram An­to­ni­o­ni, Go­dard, Bres­son...

Ex- ca­pe­lão do Exér­ci­to em ago­nia es­pi­ri­tu­al e fí­si­ca — cul­pa- se pe­la mor­te do fi­lho, por­que o in­cen­ti­vou a alis­tar- se e per­deu- o —, Tol­ler, pe­ran­te a cor­rup­ção do cor­po (um can­cro), da Igre­ja e do meio am­bi­en­te (des­co­bre li­ga­ções po­luí­das en­tre cor­po­ra­ções e o seu tem­plo), ves­te um co­le­te de ex­plo­si­vos: o san­gue lim­pa. A cri­se é de­sen­ca­de­a­da pe­lo en­con­tro com um ca­sal de am­bi­en­ta­lis­tas ra­di­cais, Mi­cha­el ( Phi­lip Et­tin­ger) e Mary

(Aman­da Sey­fri­ed), e com o sui­cí­dio de Mi­cha­el, que dei­xou, pa­ra além do tes­ta­men­to, o co­le­te...

O si­len­ci­o­so, grá­cil Ethan é o as­sus­ta­dor Haw­ke. Es­se mo­vi­men­to in­te­ri­o­ri­za­do e im­per­cep­tí­vel de­ve al­go ao ter­ror — Sch­ra­der apro­vei­ta a eter­na boyish­ness do ac­tor pa­ra con­ta­mi­nar a iden­ti­fi­ca­ção; quan­do da­mos por is­so, não es­tá lá nin­guém. Mas o ex­ter­mi­na­dor das su­ji­da­des de­ve mais ao Tra­vis Bic­kle de Ta­xi Dri­ver, o fil­me de Scor­se­se que Sch­ra­der es­cre­veu em dez di­as co­mo se ex­pul­sas­se de si a so­li­dão, a atrac­ção pe­las ar­mas e pe­lo sui­cí­dio. Fil­me e per­so­na­gem dos mais icó­ni­cos do ci­ne­ma ame­ri­ca­no dos anos 70, é o tí­tu­lo do mun­do de Sch­ra­der que fal­ta­va pa­ra se ace­der ao mo­men­to da gra­ça. Fe­cho de um per­cur­so, até por­que “po­de ser” o úl­ti­mo fil­me, é o re­co­lhi­men­to de um ci­ne­as­ta de 71 anos após a ex­pe­ri­ên­cia do mun­do. É o ha­bi­tu­al fi­nal dos seus fil­mes. Agora ele é per­so­na­gem: “Ó Paul, pa­ra che­gar aqui que es­tra­nho ca­mi­nho ti­ves­te de per­cor­rer...” V.C.

O si­len­ci­o­so e grá­cil Ethan Haw­ke quer lim­par a po­lui­ção do mun­do com san­gue. Com ele, Paul Sch­ra­der vi­o­len­ta me­ca­nis­mos de iden­ti­fi­ca­ção e em­pa­tia. Faz o fil­me da sua gra­ça.

Lau­ren Hut­ton e Ri­chard Ge­re em Ame­ri­can Gi­go­lo co­mo Ethan Haw­ke e Aman­da Sey­fri­ed em No Co­ra­ção da Es­cu­ri­dão...

O fi­nal de Pick­poc­ket (Ro­bert Bres­son, 1959) foi sen­do “di­vul­ga­do” por Sch­ra­der em vá­ri­os fil­mes -

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.