O Cur­tas pro­duz, mas sem pres­sas

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A Ri­ver Th­rough the Moun­tains de Jo­sé Ma­gro e Cir­co do Amor de Mi­guel Cla­ra Vas­con­ce­los, nem se­quer res­pei­tam li­te­ral­men­te o “ca­der­no de en­car­gos” que o tra­ba­lho de pro­du­ção do fes­ti­val ti­nha até agora seguido.

Nu­no Ro­dri­gues, um dos di­rec­to­res do Cur­tas, re­co­nhe­ce que a si­tu­a­ção é in­vul­gar, mas ex­pli­ca que tem mui­to de pu­ra­men­te cir­cuns­tan­ci­al. Até por­que, pa­ra aque­le que é um dos res­pon­sá­veis do fes­ti­val des­de o iní­cio, a pro­du­ção pró­pria não é al­go que o Cur­tas es­te­ja in­te­res­sa­do em as­su­mir a tem­po in­tei­ro: “Fi­cá­mos de al­gum mo­do com o bi­chi­nho da pro­du­ção, mas é al­go que qu­e­re­mos de­sen­vol­ver co­mo ac­ti­vi­da­de com­ple­men­tar, in­ter­li­ga­da com os nos­sos ou­tros pro­jec­tos. Te­mos a Agência da Cur­ta-Me­tra­gem, a ga­le­ria So­lar, o pro­jec­to Ani­mar - ac­ti­vi­da­des que não só são com­ple­men­ta­res umas às ou­tras e ao Cur­tas, co­mo aju­dam e for­ta­le­cem to­das as ou­tras, e es­sa é tam­bém uma das for­mas de so­bre­vi­ver­mos e con­ti­nu­ar a dar car­tas fo­ra de um gran­de cen­tro ur­ba­no.”

O úni­co fil­me que res­pei­ta a ló­gi­ca de pro­du­ção do cer­ta­me é Náu­fra­gos, re­sul­ta­do de um workshop de for­ma­ção com alu­nos “do fi­nal do en­si­no se­cun­dá­rio e iní­cio do su­pe­ri­or” no âm­bi­to do ser­vi­ço edu­ca­ti­vo do fes­ti­val, Ani­mar, que te­ve es­te ano co­mo te­ma o do­cu­men­tá­rio. Fil­me ele­gía­co e abs­trac­to, es­pé­cie de mi­ni-en­saio on­de são as vo­zes dos en­tre­vis­ta­dos que trans­por­tam a nar­ra­ção, Náu­fra­gos nas­ce de um tra­ba­lho de pes­qui­sa e cri­a­ção ori­en­ta­do pe­lo ci­ne­as­ta Pe­dro Ne­ves ( Tar­ra­fal, Hos­pe­da­ria, Água Fria), do­cu­men­ta­ris­ta que se tor­nou nu­ma es­pé­cie de “his­to­ri­a­dor ofi­ci­o­so” do Por­to e seus ar­re­do­res, dan­do voz a so­bre­vi­ven­tes e fa­mi­li­a­res da tri­pu­la­ção de um na­vio de pes­ca nau­fra­ga­do das Ca­xi­nas. “Con­vi­dar o Pe­dro pa­ra fa­zer uma es­pé­cie de re­si­dên­cia ar­tís­ti­ca sur­giu a par­tir de uma ideia que ti­nha a ver com coi­sas que ele tem an­da­do a fa­zer,” ex­pli­ca Nu­no Ro­dri­gues. “Ele fi­cou des­de lo­go mui­to in­te­res­sa­do, deu uma ba­se e mui­ta li­ber­da­de aos alu­nos.”

Cir­co do Amor, o se­gun­do dos três fil­mes, é uma fic­ção con­ce­bi­da por um re­a­li­za­dor “mui­to lá de ca­sa” - Mi­guel Cla­ra Vas­con­ce­los ( En­con­tro Si­len­ci­o­so, Do­cu­men­to Bo­xe), que, na­tu­ral de Lis­boa, cres­ceu em Vi­la do Con­de e re­a­li­zou pa­ra o fes­ti­val a mé­dia ex­pe­ri­men­tal Vi­la do Con­de Es­prai­a­da, pro­lon­ga­da pa­ra uma ins­ta­la­ção/ex­po­si­ção cha­ma­da On­de o Co­ra­ção se Es­con­de. “Cir­co do Amor é uma co-pro­du­ção com Fran­ça e é por is­so um fil­me fei­to com ou­tros mei­os, com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te das [nos­sas] ou­tras [pro­du­ções]”, ex­pli­ca Ro­dri­gues. “O Mi­guel ti­nha ima­gi­na­do uma his­tó­ria de fic­ção na ur­ba­ni­za­ção do Min­de­lo on­de aca­bou por ro­dar, e há uma si­tu­a­ção pre­ci­sa que es­tá na ba­se da ins­pi­ra­ção do ar­gu­men­to e da pre­pa­ra­ção. Mas a li­ga­ção ao lo­cal é ao mes­mo tem­po uma coi­sa mui­to li­vre - a his­tó­ria po­dia de­cor­rer aqui co­mo nou­tro sí­tio.”

Pa­ra o fim fi­cou o ob­jec­to mais “fo­ra” do ba­ra­lho. A Ri­ver Th­rough the Moun­tains, en­can­ta­do­ra evo­ca­ção do amor ado­les­cen­te com for­te ins­pi­ra­ção da no­va va­ga asiá­ti­ca dos anos 1990, foi ro­da­do na ci­da­de chi­ne­sa de Han­cheng por Jo­sé Ma­gro, re­a­li­za­dor que par­ti­ci­pou no pro­gra­ma de for­ma­ção Cam­pus (foi di­rec­tor de fo­to­gra­fia de Mah­jong de João Pe­dro Ro­dri­gues e João Rui Guer­ra da Ma­ta). O pro­jec­to nas­ceu do de­sa­fio fei­to pe­lo fes­ti­val chi­nês Han­cheng Jinzheng a uma dú­zia de cer­ta­mes ir­mãos por to­do o mun­do, en­tre os quais o Cur­tas: “ca­da fes­ti­val es­co­lhe­ria uma equi­pa pa­ra fa­zer um fil­me em 72 ho­ras na ci­da­de, que se­ria uma fic­ção à vol­ta do amor,” ex­pli­ca Ro­dri­gues. “Qui­se­mos en­vi­ar uma equi­pa que ti­ves­se a ver com o tra­ba­lho re­a­li­za­do aqui no Es­ta­lei­ro e no Cam­pus, daí ter­mos con­vi­da­do o Jo­sé Ma­gro, o Mi­guel da San­ta e o Ti­a­go Car­va­lho, que par­ti­ci­pa­ram en­quan­to es­tu­dan­tes em al­guns dos tra­ba­lhos.” O tra­ba­lho fei­to li­te­ral­men­te a três em Han­cheng foi afi­na­do a pos­te­ri­o­ri com mais tem­po e é es­sa ver­são mais aca­ba­da que o Cur­tas vai es­tre­ar.

Que não se pen­se, con­tu­do, que o Cur­tas se vá tor­nar nu­ma en­ti­da­de pro­du­to­ra a tem­po in­tei­ro. “Cla­ro que vão con­ti­nu­ar a sur­gir his­tó­ri­as co­mo es­tas,” diz Nu­no Ro­dri­gues, que avan­ça que há ou­tros pro­jec­tos em “es­ta­lei­ro”. “Mas de uma for­ma cal­ma, pau­sa­da, não co­mo ac­ti­vi­da­de que se so­bre­po­nha às ou­tras de for­ma evi­den­te. Não é es­se o nos­so ob­jec­ti­vo.” J.M.

Em 2018, Vi­la do Con­de mos­tra três no­vas

pro­du­ções pró­pri­as — as pri­mei­ras a “saí­rem

fo­ra” do “ca­der­no de en­car­gos” que o Cur­tas

ti­nha es­ta­be­le­ci­do.

A Ri­ver Th­rough the Moun­tains de Jo­sé Ma­gro, Náu­fra­gos, tra­ba­lho de pes­qui­sa e cri­a­ção ori­en­ta­do pe­lo ci­ne­as­ta Pe­dro Ne­ves e

Cir­co do Amor de Mi­guel Cla­ra Vas­con­ce­los

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.