O cor­po do ac­tor ofe­re­ce-se ao es­pec­ta­dor no Fes­ti­val O abis­mo da dor no te­a­tro de dú­vi­das de Pas­cal Ram­bert de Al­ma­da

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Fro­ta

Pas­cal Ram­bert foi sem­pre o tí­pi­co ra­paz sem o me­nor jei­to pa­ra jo­gar fu­te­bol. Não com­pre­en­dia as re­gras, acha­va o jo­go mui­to vi­o­len­to, era de­ma­si­a­do len­to, de­sas­tra­do pa­ra lá do ad­mis­sí­vel, um ca­so ób­vio de pre­juí­zo pa­ra qual­quer equi­pa que ti­ves­se o azar de o es­co­lher. Sem sur­pre­sa, o des­ti­no re­cor­ren­te de Ram­bert era ser des­pa­cha­do pa­ra o ban­co. “Só que is­so era mui­to bom”, con­ta, “por­que fi­ca­va sen­ta­do com as ra­pa­ri­gas e pas­sa­va os jo­gos de fu­te­bol a ou­vi-las fa­lar.” O dra­ma­tur­go fran­cês acre­di­ta que vem des­sa re­la­ção aci­den­ta­da com o des­por­to o fas­cí­nio de se re­la­ci­o­nar com um mun­do a que não per­ten­cia e pa­ra o qual ten­ta­va trans­por­tar-se. Po­de as­sim di­zer-se que o seu tra­ba­lho de es­cri­ta obe­de­ce a es­se im­pul­so de ten­tar sal­tar pa­ra um uni­ver­so es­tra­nho que tenta re­cri­ar ou re­or­de­nar.

É uma das ra­zões mais con­vin­cen­tes que en­con­tra pa­ra o seu in­te­res­se em es­cre­ver pa­ra ac­tri­zes — “por ser um ter­ri­tó­rio do ab­so­lu­to ou­tro pa­ra mim”, re­su­me, ao co­lo­car-se na si­tu­a­ção de du­ran­te al­guns me­ses se ima­gi­nar no cor­po e na ca­be­ça de ou­tra pes­soa. Mas há nes­ta ten­dên­cia na­tu­ral de con­tra­ri­ar aqui­lo que lhe é na­tu­ral­men­te pró­xi­mo tam­bém uma de­ci­são cons­ci­en­te de “sta­te­ment po­lí­ti­co”, di­ta­do pe­la cons­ci­ên­cia de sa­ber que os gran­des pa­péis nos pal­cos de te­a­tro não pen­dem

Na rec­ta fi­nal do Fes­ti­val de Al­ma­da, as ex­pe­ri­ên­ci­as-li­mi­te da es­qui­zo­fre­nia e da mor­te so­bem ao pal­co: Ac­tri­ce, de Pas­cal Ram­bert, le­van­ta­do a par­tir de uma ex­pe­ri­ên­cia ter­mi­nal re­al e da dis­po­ni­bi­li­da­de de uma ac­triz lu­mi­no­sa, Ma­ri­na Hands, che­ga ao Te­a­tro Na­ci­o­nal D. Ma­ria II no do­min­go; Dr. Nest, do co­lec­ti­vo Fa­mi­lie Flöz, ins­ta­la um ma­ni­có­mio na Es­co­la D. An­tó­nio da Cos­ta na se­gun­da-fei­ra.

tan­tas ve­zes pa­ra o la­do das mu­lhe­res quan­to pa­ra o dos ho­mens.

Em Ac­tri­ce, em cena do­min­go e se­gun­da no D. Ma­ria II, Lis­boa, no âm­bi­to do Fes­ti­val de Al­ma­da, Pas­cal Ram­bert le­va bas­tan­te mais lon­ge es­te de­se­jo de aden­trar ou­tros cor­pos e ou­tras cons­ci­ên­ci­as. O cor­po de Eu­ge­nia (Ma­ri­na Hands), no pal­co, es­tá ro­de­a­do de flo­res; a sua cons­ci­ên­cia es­tá ro­de­a­da de mor­te. Des­ta vez, o dra­ma­tur­go foi mais fun­do no seu lu­gar de des­co­nhe­ci­men­to, es­cre­ven­do pa­ra uma per­so­na­gem que é uma ac­triz em fim de vi­da, à qual foi di­ag­nos­ti­ca­do um tu­mor ce­re­bral e que se despede do mun­do. “Quis ir pa­ra es­te ter­ri­tó­rio mui­to as­sus­ta­dor”, con­fes­sa, lu­gar que in­va­diu a sua es­cri­ta de­vi­do à si­tu­a­ção que de­cor­ria em pa­ra­le­lo per­to de si — à me­di­da que in­ven­ta­va um lu­gar fic­ci­o­nal pa­ra aque­la ac­triz, um ami­go pró­xi­mo e bem re­al via-se a lu­tar pe­la vi­da, com um qua­dro se­me­lhan­te.

As flo­res que alas­tram e do­mi­nam o pal­co fo­ram, no en­tan­to, plan­ta­das por uma ou­tra ex­pe­ri­ên­cia me­nos dra­má­ti­ca. Quan­do Pas­cal Ram­bert se ins­ta­lou em Mos­co­vo pa­ra ini­ci­ar o pro­ces­so de cri­a­ção de uma pe­ça pa­ra o Te­a­tro de Ar­te da ci­da­de, fi­cou im­pres­si­o­na­do pe­lo “en­tu­si­as­mo fe­bril” que o pú­bli­co ali de­mons­tra pe­los ac­to­res. As flo­res eram, an­tes de mais, o sím­bo­lo des­se amor que via re­pe­tir em ca­da noi­te de es­treia e que se tor­na­va uma me­di­da vá­li­da pa­ra ava­li­ar o ca­ri­nho por ac­to­res e ac­tri- zes. “Foi mui­to im­pres­si­o­nan­te pa­ra mim”, con­fes­sa, “por­que nos paí­ses do sul da Eu­ro­pa não es­ta­mos ha­bi­tu­a­dos um tal fer­vor. Foi tam­bém por is­so que co­me­cei a pen­sar na enor­me per­da que se­ria a mor­te de al­gum da­que­les ac­to­res.”

O fac­to de ter es­cri­to Ac­tri­ce em Mos­co­vo, re­co­nhe­ce Pas­cal Ram­bert, le­vou a que a sua lin­gua­gem te­a­tral se tor­nas­se mais poé­ti­ca mas tam­bém mais dra­má­ti­ca. E is­to por­que, ape­sar de o seu es­ti­lo ser por­ven­tu­ra re­co­nhe­cí­vel na ele­gân­cia e na oca­si­o­nal vi­o­lên­cia se­ca das fra­ses, o fran­cês gos­ta de tra­ba­lhar a po­ro­si­da­de da sua es­cri­ta, re­a­gin­do “à for­ma de re­pre­sen­tar na Rús­sia, mui­to di­fe­ren­te da ita­li­a­na, me­xi­ca­na, chi­ne­sa ou ja­po­ne­sa”. Daí que a sua lin­gua­gem se te­nha adap­ta­do aos ac­to­res rus­sos pa­ra quem es­cre­veu a pe­ça ini­ci­al­men­te. “A be­le­za de tra­ba­lhar so­bre a lín­gua”, diz ao Íp­si­lon, “é que po­de ser sem­pre re­fun­da­da e re­me­xi­da. A lín­gua fu­ra por mui­tos la­dos e gos­to mui­to de que pos­sa não es­ta­bi­li­zar.”

Um te­a­tro de dú­vi­das

Na­da se­ria mais na­tu­ral do que as­su­mir que es­ta per­me­a­bi­li­da­de de Pas­cal Ram­bert pe­ran­te os ac­to­res ti­ves­se con­du­zi­do a uma re­es­cri­ta de Ac­tri­ce aquan­do da pro­du­ção fran­ce­sa que che­ga ao Fes­ti­val de Al­ma­da. Es­co­lhen­do a lu­mi­no­sa Ma­ri­na Hands pa­ra se trans­fi­gu­rar na nes­ta es­tre­la re­ti­ra­da dos pal­cos e a ca­mi­nho

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.