Nas, res­so­nân­cia de tes­ta­men­to

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A fo­to­gra­fia que faz ca­pa do 12º dis­co de Nas re­me­te­nos pa­ra o que de mais in­te­res­san­te ele pos­sui, per­den­do in­te­res­se quan­do o no­va-ior­qui­no se li­mi­ta a ce­le­brar a sua car­rei­ra. Fran­cis­co No­ro­nha

NASIR

Nas

Mass Ap­pe­al/Def Jam Nos úl­ti­mos anos, con­so­li­dou-se o lu­gar- co­mum de que Nas, his­tó­ri­co e acla­ma­do rap­per no­va-ior­qui­no, não sa­be­ria, não te­ria gos­to na es­co­lha de ins­tru­men­tais, e que es­sa cró­ni­ca de­fi­ci­ên­cia ex­pli­ca­ria o fac­to de não ter cri­a­do ou­tros ál­buns do ca­li­bre de It Was Writ­ten (1996),

Still­ma­tic (2001) ou, cla­ro,

Ill­ma­tic (1994, a sua es­treia), tal­vez o clás­si­co mais unâ­ni­me na his­tó­ria do hip-hop ame­ri­ca­no (ca­rim­bo que não dei­xa de ter o seu re­vés, i.é, a ele­va­dís­si­ma ex­pec­ta­ti­va com que ca­da seu no­vo ál­bum é re­ce­bi­do). Co­mo to­dos os lu­ga­res- co­muns, tam­bém es­se tem mui­to de mi­mé­ti­co e re­du­tor, pois cer­ta­men­te que ou­tros dis­cos seus con­ta­bi­li­zam ex­ce­len­tes be­ats, ca­so, pa­ra não ir mais lon­ge, de Li­fe Is Go­od (2012), o seu úl­ti­mo tra­ba­lho (que be­lís­si­ma pe­ça é Stay, au­to­ria do in­sus­pei­to No I.D.). Co­mo quer que se­ja, foi, por­tan­to, com ex­pec­ta­ti­va (e, nal­guns ca­sos, des­con­fi­an­ça) que se ou­viu o anún­cio, por Kanye West, de que se en­con­tra­va a com­por o no­vo ál­bum de Nas, não fos­se o pri­mei­ro um in­ven­ti­vo e im­pre­vi­sí­vel cri­a­dor cu­jo es­ti­lo de pro­du­ção – mas o pon­to é es­se: não tem “um” es­ti­lo, os pon­tos de fuga são mui­tos – não é aque­le que mais ra­pi­da­men­te se as­so­ci­a­ria à li­nha só­ni­ca de Nas (e não só por is­so: tam­bém pe­la di­fe­ren­ça de pos­tu­ra en­tre Nas, dis­cre­to, e West, sem­pre es­pa­ven­to­so, a que se so­ma o po­si­ci­o­na­men­to po­lí­ti­co pró-Trump do se­gun­do, de que Nas não po­de­ria es­tar mais lon­ge). O re­sul­ta­do da co­la­bo­ra­ção é fran­ca­men­te po­si­ti­vo, re­for­çan­do a ca­mi­so­la ama­re­la edi­to­ri­al de West no pre­sen­te ano, e al­gu­mas das apre­ci­a­ções me­nos bo­as que se têm ou­vi­do ex­pli­cam-se por du­as or­dens de ra­zão. A pri­mei­ra re­si­de na ac­tu­al mo­da que ga­ran­te pon­tos (ou li­kes) a quem con­de­nar West na pra­ça pú­bli­ca ou sim­ples­men­te des­pre­zar ou ig­no­rar os dis­cos que tem lan­ça­do (a so­lo ou co­la­bo­ra­ti­va­men­te) nos úl­ti­mos tem­pos – tu­do por­que West ma­ni­fes­tou apoio a Trump, o que, se po­de ser omi­no­so (e é- o pa­ra nós), não nos de­ve fa­zer perder de vis­ta que, an­tes dis­so, há a mú­si­ca, e que con­vém ou­vi­la sem pa­las de an­te­mão (tu­do is­to le­van­tan­do si­mul­ta­ne­a­men­te uma pro­ble­má­ti­ca ques­tão: po­de um apoi­an­te de Trump ser an­ti­ra­cis­ta e de­nun­ci­a­dor da mar­gi­na­li­za­ção ou do abu­so po­li­ci­al con­tra ne­gros?). São os mes­mos que não par­ti­lha­rão nas “re­des so­ci­ais” (por­que agora não é de bom-tom) os seus vi­bran­tes ver­sos po­lí­ti­cos em Cops Shot The Kid, que West cons­trói a par­tir de um sim­ples lo­op da Chil­dren’s Story do sau­do­so Slick Rick, sol­tan­do- o

(ao lo­op) ape­nas no fi­nal pa­ra dei­xar a voz des­te úl­ti­mo eco­ar o mo­do co­mo, de 1988 pa­ra 2018, pou­co mu­dou pa­ra os afro­a­me­ri­ca­nos no que ao ra­cis­mo diz res­pei­to: “The cop shot the kid / I still he­ar him scre­am” (nes­te apa­vo­ran­te “still” se pro­lon­gan­do, per­pe­tu­a­men­te, os trau­mas da so­ci­e­da­de ame­ri­ca­na). A se­gun­da ra­zão – a de aqui se en­con­tra­ria um Nas me­nos “poé­ti­co” – en­tron­ca, em boa ver­da­de, num er­ro co­mum en­tre os ou­vin­tes de hip-hop: a pro­pen­são pa­ra con­fun­dir rap com po­e­sia (“po­e­sia ur­ba­na”, equí­vo­co por ex­ce­lên­cia), for­ma, es­sen­ci­al­men­te, de ten­tar le­gi­ti­mar/jus­ti­fi­car a sua con­di­ção “li­te­rá­ria” ou, mais ge­ne­ri­ca­men­te, a sua dig­ni­da­de ar­tís­ti­ca. É lu­ta que, se ain­da se po­de­ria com­pre­en­der há dez ou quin­ze anos atrás, es­tá ho­je fran­ca­men­te es­ta­fa­da: não só o rap dis­pen­sa mu­le­tas pa­ra va­ler co­mo ex­pres­são ar­tís­ti­ca (por ve­zes com re­sul­ta­dos su­bli­mes, nou­tros ca­sos, ig­nó­beis, co­mo, hé­las!, qual­quer ma­ni­fes­ta­ção cri­a­ti­va), co­mo a cir­cuns­tân­cia de se es­tar in­sis­ten­te­men­te a su­bli­nhar es­se atri­bu­to só acu­sa um com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de que, rei­te­re-se, ho­je, é só des­ne­ces­sá­rio ( Ken­drick La­mar aca­bou de vencer o Pu­lit­zer, se­nho­res…) – até por­que quem, sur­fan­do o pi­or dos ca­pri­chos (a ig­no­rân­cia), con­ti­nua a afir­mar que o rap “não é mú­si­ca” ( Rui Ve­lo­so ain­da há me­ses o dis­se de bo­ca cheia), já não tem re­mé­dio. Co­mo afir­mou Jo­sé Má­rio Bran­co re­cen­te­men­te ao Ex­pres­so, “Uma can­ção não é uma po­e­sia ser­vir de au­to­co­lan­te pa­ra uma mú­si­ca qual­quer, é um ob­jec­to no­vo, uma lin­gua­gem di­fe­ren­te. É fi­lha, mes­mo no sen­ti­do ge­né­ti­co, da mú­si­ca e da pa­la­vra. (…) Nem a mú­si­ca nem a po­e­sia pre­ci­sam de mu­le­tas pa­ra na­da. São du­as ar­tes im­por­tan­tís­si­mas que exis­tem por si”. Fa­zen­do a pon­te com NASIR, nem se­quer Nas é dos rap­pers mais poé­ti­cos de que nos lem­bra­mos ime­di­a­ta­men­te (o que, e es­te é o pon­to, não o di­mi­nui um mi­lí­me­tro), co­mo de brag­ga­do­cio (dis­cur­so os­ten­ta­tó­rio) sem­pre es­ti­ve­ram al­gu­mas das su­as le­tras car­re­ga­das. Se everything, ser­vi­da por um ins­tru­men­tal (e, já agora, um fal­se­te) so­ber­bo de West (é, sem cair em exa­ge­ros, um dos me­lho­res que já lhe ou­vi­mos, épi­co na me­di­da cer­ta), não cons­ti­tui uma das mais ri­cas e den­sas le­tras de Nas – mes­clan­do a his­tó­ria po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na (abor­da­da, de for­ma ain­da mais “tra­ta­dis­ta”, quan­do não abor­re­ci­da, em Not For Ra­dio, o pi­or ins­tru­men­tal do dis­co) com o ide­al pan-afri­ca­nis­ta e re­la­tos au­to-bi­o­grá­fi­cos –, en­tão não sa­be­mos quais se­rão as su­as gran­des can­ções. “Pray my sins don’t get pas­sed to my chil­dren”, ou­ve-se em Adam and Eve ( be­at in­fla­ma­dís­si­mo que sam­pla na­da mais na­da me­nos do que Kou­rosh Yagh­ma­ei, “pai” do rock ira­ni­a­no, e on­de The-Dre­am bri­lha, co­mo já fi­ze­ra na fai­xa an­te­ri­or, no re­frão), palavras que – con­tra­di­to­ri­a­men­te, exis­ten­ci­al­men­te – eco­am, já a fe­char o dis­co, nas “Sim­ple Things” a que Nas diz as­pi­rar na vi­da: “I just want my kids to ha­ve the sa­me peace I’m bles­sed with”. Não sen­do es­te, pro­va­vel­men­te, o úl­ti­mo dis­co de Nas – nem o mais me­mo­rá­vel ( Whi­te La­bel, em que West vol­ta a re­vi­rar o baú da mú­si­ca ira­ni­a­na, e Bon­jour re­ve­lam-se, des­con­tan­do a ex­ce­lên­cia ins­tru­men­tal, per­fei­ta­men­te dis­pen­sá­veis, va­zi­as que são de tex­to per­ti­nen­te, a se­gun­da de­las con­ten­do, po­rém, um dos ver­sos si­mul­ta­ne­a­men­te mais or­di­ná­ri­os, não con­fun­dir com mi­só­gi­no, e có­mi­cos de que te­mos memória) –, a ver­da­de é que Sim­ple Things pos­sui es­sa do­ce res­so­nân­cia tes­ta­men­tá­ria, de des­pe­di­da de um dos mais ve­lhos rap­pers em ac­ti­vi­da­de e que, pe­lo meio de uma vi­da atri­bu­la­da (so­bre­tu­do o tur­bu­len­to ca­sa­men­to com Ke­lis), tem sa­bi­do con­ser­var a bi­to­la e a ad­mi­ra­ção do pú­bli­co e dos pa­res.

A do­ce res­so­nân­cia tes­ta­men­tá­ria de um dos mais ve­lhos rap­pers em ac­ti­vi­da­de

The Now Now va­le uma uni­da­de de can­ções mais cla­ra do que acon­te­cia em Hu­manz

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.