Ca­os cal­mo

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A de­li­ca­de­za e a iro­nia fe­roz­men­te dis­cre­ta de Ka­zuo Ishi­gu­ro. He­le­na Vas­con­ce­los

Um Ar­tis­ta do Mun­do Flu­tu­an­te

Ka­zuo Ishi­gu­ro

(Trad. Rui Pi­res Ca­bral) Gra­di­va Do al­to da co­li­na, on­de es­tá a sua ca­sa,

Ma­su­ji Ono tem uma cla­ra vi­são da sua ci­da­de e, mais per­to, da Pon­te da He­si­ta­ção que, de cer­to mo­do, li­ga o seu pró­prio mun­do ao dos ou­tros, ao dos an­ti­gos ami­gos, mes­tres e dis­cí­pu­los, com­pa­nhei­ros de fo­lia e men­to­res po­lí­ti­cos.

Ono é um ar­tis­ta re­for­ma­do, ou­tro­ra mui­to con­cei­tu­a­do e acla­ma­do, ti­do em ele­va­da con­si­de­ra­ção no Ja­pão Im­pe­ri­al. Quan­do se ini­cia o li­vro, em ou­tu­bro de 1948, es­se mes­mo Ja­pão já não exis­te. Ono so­bre­vi­veu à Guer­ra, não sem que es­ta lhe te­nha ti­ra­do o fi­lho e a mu­lher, ví­ti­mas do con­fli­to. A Pon­te da He­si­ta­ção que per­cor­re, nos seus pas­sei­os, é uma me­tá­fo­ra po­de­ro­sa de um tem­po em que os di­ta­mes ou­tro­ra co­nhe­ci­dos se es­bo­ro­a­ram, em ruí­nas. O que es­co­lher? Pa­ra on­de ir? Co­mo vi­ver? O que de­ve­rá ser es­con­di­do e o que se­rá re­ve­la­do? Na­da po­de ser da­do co­mo cer­to num mun­do sus­pen­so na His­tó­ria, en­tre a ca­tás­tro­fe e a re­a­bi­li­ta­ção.

Quan­do o li­vro co­me­ça, em 1948 – a ac­ção de­sen­ro­la-se até 1950 - o Ja­pão do pós-guer­ra é um país der­ro­ta­do e hu­mi­lha­do, que se re­er­gue len­ta e pe­no­sa­men­te da des­trui­ção. Ono, viú­vo e en­ve­lhe­ci­do, re­ve­la os mo­men­tos prin­ci­pais da sua exis­tên­cia, des­ven­dan­do par­ci­al­men­te al­guns se­gre­dos, in­có­mo­dos e ma­len­ten­di­dos que lhe en­som­bram a vi­da. Não é uma tes­te­mu­nha fiá­vel, uma vez que tem a pro­pen­são pa­ra ig­no­rar fac­tos, re­la­ti­vi­zar ou­tros e in­ter­pre­tar ain­da ou­tros, de for­ma mui­to par­ti­cu­lar. Com uma das fi­lhas já ca­sa­da, as su­as pre­o­cu­pa­ções cen­tram-se na mais no­va, ain­da sol­tei­ra. Os com­pli­ca­dos pas­sos pa­ra de­fi­nir um noi­vo acei­tá­vel e pa­ra or­ga­ni­zar a ce­ri­mó­nia ocu­pam-lhe o pen­sa­men­to, tan­to mais que as mu­dan­ças ra­di­cais na so­ci­e­da­de al­te­ra­ram as su­as re­fe­rên­ci­as e apanharam-no des­pre­ve­ni­do.

Na sua ju­ven­tu­de, Ma­su­ji Ono co­me­çou a de­se­nhar e a pin­tar num ate­li­er co­mer­ci­al, o do mes­tre Ta­ke­da, que se de­di­ca­va a uma ar­te pre­ten­sa­men­te “exó­ti­ca”, fa­bri­ca­da pa­ra ex­por­ta­ção. A de­ter­mi­na­da al­tu­ra, no vi­gor da sua ida­de adul­ta, Ono aban­do­na-o em bus­ca de al­go mais am­bi­ci­o­so, ten­do-se jun­ta­do a uma co­mu­ni­da­de ar­tís­ti­ca, com ca­riz utó­pi­co, on­de o líder Mo­riya­ma de­fen­de o prin­cí­pio da ar­te-pe­la­ar­te e ori­en­ta os seus dis­cí­pu­los, de uma for­ma qua­se ti­râ­ni­ca, le­van­do-os a mer­gu­lhar li­te­ral­men­te no “mun­do flu­tu­an­te” e de­ca­den­te do bair­ro da boé­mia e do pra­zer. In­flu­en­ci­a­do pe­lo Im­pres­si­o­nis­mo oci­den­tal, Mo­riya­ma tenta fa­zer con­fluir dois mun­dos mui­to di­fe­ren­tes, as­sen­tes na im­pon­de­ra­bi­li­da­de e na eva­nes­cên­cia. No en­tan­to, o sem­pre in­qui­e­to Ono, é atraí­do pe­las pro­pos­tas de Mat­su­da que o ar­ras­ta pa­ra a po­lí­ti­ca de ex­tre­ma­di­rei­ta a qual, an­tes da Guer­ra, ga­nha ca­da vez mais adep­tos, no Ja­pão. Ao tor­nar-se um dos pro­pa­gan­dis­tas do re­gi­me, na sua qua­li­da­de de mem­bro do Co­mi­té Cul­tu­ral do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or e de in­for­ma­dor da po­lí­cia, Ono to­ma par­te ati­va nu­ma “ca­ça às bru­xas” que in­clui a de­nún­cia de Ku­ro­da, um dos seus an­ti­gos alu­nos. No Ja­pão sub­se­quen­te­men­te der­ro­ta­do, Ono car­re­ga con­si­go o ónus das su­as más es­co­lhas, sen­te-se per­se­gui­do e olha­do co­mo um trai­dor.

Ishi­gu­ro, com a sua apa­ren­te de­li­ca­de­za, com a sua ha­bi­li­da­de pa­ra cri­ar o es­pa­ço es­cor­re­ga­dio de tu­do o que não é di­to – e que dá azo a to­das as am­bi­gui­da­des e equí­vo­cos – cons­trói per­so­na­gens e si­tu­a­ções que têm tan­to de trá­gi­co co­mo de có­mi­co. O Ja­pão an­ti­go, de im­pe­ra­do­res di­vi­nos e mes­tres in­con­tes­ta­dos, de obe­di­ên­cia a re­gras e de pra­ze­res in­con­fes­sa­dos, dá lu­gar a uma so­ci­e­da­de no­va, per­me­a­da, em to­dos os qua­dran­tes pe­la cul­tu­ra ame­ri­ca­ni­za­da – as fi­lhas de Ono, ape­sar de ca­sa­rem de acor­do com as re­gras do “ve­lho” Ja­pão, con­tra­di­zem o pai e fa­zem-lhe fren­te e o ne­to só se en­tu­si­as­ma com de­se­nhos ani­ma­dos e ci­ne­ma ame­ri­ca­no. Ishi­gu­ro dei­xa-nos com uma ques­tão fun­da­men­tal: qual a im­por­tân­cia da cri­a­ção ar­tís­ti­ca e on­de se en­qua­dra o ar­tis­ta “po­li­ti­za­do”, aque­le que se afas­ta dos ide­ais ro­mân­ti­cos e do con­for­mis­mo bur­guês e pro­duz ar­te “en­ga­ja­da”?

O au­tor não ter­mi­na a his­tó­ria sem cra­var uma úl­ti­ma far­pa: mes­mo o ar­tis­ta que co­me­te ac­tos in­qua­li­fi­cá­veis – co­mo as de­nún­ci­as de Ono - aca­ba por perder to­da a im­por­tân­cia e nem tem di­rei­to ao que se po­de cha­mar a “gló­ria da in­fâ­mia”. Mes­mo os re­cei­os de Ono de que os fu­tu­ros so­gros da fi­lha sai­bam do seu per­cur­so, re­ve­lam-se in­con­se­quen­tes. E as­sim Ishi­gu­ro, nes­te ro­man­ce exem­plar, des­trói com ha­bi­li­da­de e sub­ti­le­za, a im­por­tân­cia da ar­te – e dos ar­tis­tas – ao ser­vi­ço dos re­gi­mes to­ta­li­tá­ri­os.

Re­cor­de-se que es­te ro­man­ce, Um Ar­tis­ta do Mun­do Flu­tu­an­te (1986), foi o se­gun­do de Ka­zuo Ishi­gu­ro, o es­cri­tor in­glês nas­ci­do em Na­ga­sá­qui, em 1954. Ish, co­mo é co­nhe­ci­do en­tre ami­gos, con­ti­nu­ou a pu­bli­car ao lon­go dos anos, ao rit­mo cal­mo e pa­ci­en­te que o ca­rac­te­ri­za. Em 2017 foi-lhe atri­buí­do o No­bel e, por uma vez, pa­re­ce não ter ha­vi­do gran­de con­tes­ta­ção. O au­tor de “Des­po­jos do Dia”, de “Quan­do éra­mos Ór­fãos” e de “Nun­ca me dei­xes”, en­tre ou­tros, é, sem som­bra de dú­vi­da, um dos mais in­te­res­san­tes e po­lé­mi­cos au­to­res con­tem­po­râ­ne­os. Os te­mas que abor­da – a so­li­dão, a dis­tân­cia, a pro­cu­ra de sig­ni­fi­ca­do, os re­fle­xos das guer­ras, a cri­a­ção ar­tís­ti­ca, a ve­lhi­ce, a cul­pa, o si­lên­cio – são tra­ta­dos com de­li­ca­de­za e uma cer­ta iro­nia fe­roz­men­te dis­cre­ta.

Um Ar­tis­ta do Mun­do Flu­tu­an­te (1986) foi o se­gun­do ro­man­ce de Ka­zuo Ishi­gu­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.