Sim­pa­tia pe­lo di­a­bo

Publico - Ipsilon - - Sumário -

A his­tó­ria de Pa­blo Es­co­bar e da sua re­la­ção com uma jor­na­lis­ta da te­le­vi­são co­lom­bi­a­na: po­dia ser um fil­me so­bre o mag­ne­tis­mo do Mal, mas pou­cas ve­zes en­tre­a­bre a por­ta à amo­ra­li­da­de. Luís Mi­guel Oli­vei­ra

Amar Pa­blo, Odi­ar Es­co­bar De Fer­nan­do León de Aranoa Com Ja­vi­er Bar­dem, Pe­ne­lo­pe Cruz, Pe­ter Sars­ga­ard Léon de Aranoa tar­da em dar sequên­cia ao be­lo fil­me com que em Por­tu­gal o des­co­bri­mos, Às Se­gun­das ao Sol, no prin­cí­pio da dé­ca­da pas­sa­da. Do la­do extremamente “lo­cal” des­se fil­me (que se­guia um gru­po de desempregados na Ga­li­za) pas­sou aos te­mas “in­ter­na­ci­o­nais”— o úl­ti­mo de­le que cá se es­tre­ou pas­sa­va-se na Bós­nia ( Um Dia Per­fei­to), e es­te vi­a­ja até à Colôm­bia. Pa­ra con­tar a his­tó­ria de Pa­blo Es­co­bar e da sua re­la­ção, nos anos 80, com uma fa­mo­sa jor­na­lis­ta da te­le­vi­são co­lom­bi­a­na. Po­dia ser um fil­me so­bre o mag­ne­tis­mo do Mal, so­bre a atrac­ção (e a sim­pa­tia) pe­lo di­a­bo, co­mo nal­guns diá­lo­gos, nas pou­cas ve­zes em que Aranoa en­tre­a­bre a por­ta à amo­ra­li­da­de (pa­ra a fe­char lo­go a se­guir), a per­so­na­gem da jor­na­lis­ta (Pe­né­lo­pe Cruz) pa­re­ce ad­mi­tir e su­ge­rir.

Nes­se sen­ti­do, Amar Pa­blo, Odi­ar Es­co­bar tan­to po­dia ser co­mé­dia sul­fu­ro­sa co­mo me­lo­dra­ma do­en­tio. Mas não é uma coi­sa nem ou­tra, e a re­la­ção en­tre os dois (até por de­bi­li­da­de da ca­rac­te­ri­za­ção das per­so­na­gens) até aca­ba por ce­der o ter­re­no a uma es­pé­cie de ló­gi­ca de comboio-fan­tas­ma— co­mo se a per­so­na­gem de Cruz fos­se só o pon­to de vis­ta pa­ra uma in­cur­são nos do­mí­ni­os de Es­co­bar (que Ja­vi­er Bar­dem in­ter­pre­ta sem­pre num over the top gro­tes­co). A par­tir de cer­ta al­tu­ra Aranoa qua­se que de­sis­te do pres­su­pos­to nar­ra­ti­vo, pa­ra afu­ni­lar o fil­me nas con­ven­ções do po­li­ci­al, à me­di­da que as au­to­ri­da­des aper­tam o cer­co ao tra­fi­can­te. E as­sim, zi­gue­za­gue­an­te, sem ex­plo­rar a fun­do ne­nhum dos seus ele­men­tos mais ri­cos, vai-se au­to-des­truin­do até à com­ple­ta ir­re­le­vân­cia. Na Praia de Che­sil

On Che­sil Be­a­ch

De Do­mi­nic Co­o­ke

Com Sa­oir­se Ro­nan, Billy Ho­wle, Emily Wat­son Que o pró­prio Ian McEwan as­si­ne o ar­gu­men­to, adap­ta­do do seu ro­man­ce ho­mó­ni­mo, faz de Na Praia de Che­sil al­go mui­to pró­xi­mo de uma ver­são au­to­ri­za­da e “ofi­ci­al”. Se­rá, por­tan­to,

“cor­rec­ta”, do pon­to de vis­ta da fac­tu­ra e da fi­de­li­da­de ao es­pí­ri­to do ori­gi­nal li­te­rá­rio. Não obs­tan­te, pre­ci­sa­va de ou­tras unhas, pre­ci­sa­va de um re­a­li­za­dor me­nos ilus­tra­ti­vo, me­nos “es­co­lar” na sua re­la­ção com o ar­gu­men­to— tan­to mais que é uma his­tó­ria que se pas­sa na ca­be­ça das per­so­na­gens, fei­ta de pen­sa­men­tos, sen­sa­ções e me­mó­ri­as. A re­la­ção des­te la­do in­tros­pec­ti­vo com as ima­gens (por­tan­to, com as ac­ções) re­sul­ta bas­tan­te fra­ca, co­mo se na­da fa­las­se por si, e co­mo se Co­o­ke não acre­di­tas­se ver­da­dei­ra­men­te nas ima­gens que en­ce­na (pre­ci­san­do das palavras pa­ra re­ve­lar o que não se vê) nem nas palavras que faz ou­vir (pre­ci­san­do das ima­gens pa­ra as con­fir­mar). Pa­ra ates­tar is­to bas­ta­ria a cena cru­ci­al, a da noi­te de núp­ci­as ca­tas­tró­fi­ca, que fi­ca a mi­lhas de con­se­guir su­ge­rir o abis­mo que ali se abre em ca­da um dos mem­bros do ca­sal. Eles— os ac­to­res— são bons, e o fil­me tem aque­la so­li­dez de pro­du­ção bri­tâ­ni­ca de “pres­tí­gio”, mas tu­do is­so é ma­gro con­so­lo pe­ran­te obra tão de­cep­ci­o­nan­te. L.M.O.

Ja­vi­er Bar­dem in­ter­pre­ta sem­pre num over the top gro­tes­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.