Sha­ba­ka quer lem­brar as Ca­raí­bas e tom­bar os mi­tos

Publico - Ipsilon - - Sumário - Gon­ça­lo Fro­ta

Qu­an­do Sha­ba­ka Hut­chings per­deu a ver­go­nha e se es­tre­ou em dis­co com um dos seus pro­jec­tos en­quan­to lí­der, os Sons of Kemet, em 2013, era já per­cep­tí­vel pa­ra os mais aten­tos que o seu nome in­sis­tia em vir à to­na sem­pre que se es­prei­ta­va pa­ra al­gum dos gru­pos de­fi­ni­do­res de uma no­va ce­na jaz­zís­ti­ca bri­tâ­ni­ca. Pas­sa­dos se­te anos, só uma mui­to in­des­cul­pá­vel de­sa­ten­ção po­de fa­zer com que al­guém in­te­res­sa­do na pro­du­ção do jazz con­tem­po­râ­neo pos­sa ig­no­rá­lo. Nas­ci­do em Lon­dres mas ten­do pas­sa­do dez anos (en­tre os seis e os de­zas­seis) em Bar­ba­dos, ao re­gres­sar a In­gla­ter­ra na ado­les­cên­cia Sha­ba­ka não de­mo­rou a per­ce­ber o seu lu­gar num meio com tan­tas pos­si­bi­li­da­des mu­si­cais que a de­fi­ni­ção de uma iden­ti­da­de po­de to­mar a for­ma de um mons­tru­o­so que­bra- ca­be­ças - pa­ra qu­em não se­ja pri­si­o­nei­ro de um in­te­res­se mui­to par­ti­cu­lar em de­ter­mi­na­da es­té­ti­ca.

Sha­ba­ka não es­con­de que o seu per­cur­so po­de­ria ter si­do mui­to di­fe­ren­te se não ti­ves­se en­con­tra­do em Sowe­to Kin­ch um fa­rol es­sen­ci­al no re­en­con­tro com Lon­dres. “O Sowe­to foi uma das pri­mei­ras pes­so­as que co­nhe­ci - ele es­ta­va a di­ri­gir uma jam ses­si­on semanal e foi aí que

Es­ta sex­ta-fei­ra, Sha­ba­ka Hut­chings le­va os seus

Sons of Kemet ao Fes­ti­val Mú­si­cas do Mun­do. Mú­si­co fun­da­men­tal na ce­na lon­dri­na que in­jec­tou punk e mú­si­ca ará­bi­cas no vo­ca­bu­lá­rio jaz­zís­ti­co, traz no so­pro do sa­xo­fo­ne as su­as dez rai­nhas pes­so­ais.

Nas­ci­do em Lon­dres mas ten­do pas­sa­do dez anos (en­tre os 6 e os 16) em Bar­ba­dos, ao re­gres­sar a In­gla­ter­ra Sha­ba­ka não de­mo­rou a per­ce­ber o seu lu­gar num meio com tan­tas pos­si­bi­li­da­des mu­si­cais

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.