Uma ver­da­de que não exis­te, mas que ain­da as­sim se per­se­gue

Si Fo­ra de

Publico - Ipsilon - - Sumário -

An­ton não sa­be a ver­da­de acer­ca de si mes­mo: qu­em é, a que país per­ten­ce, que lín­gua é a sua. Não tem cer­te­zas acer­ca de si pró­prio, a não ser que é gé­meo de Ális­sa, Áli, e até is­so é in­qui­e­tan­te. Por tu­do is­so fo­ge. “Qu­e­ria es­tar num sí­tio on­de não sou­bes­se de na­da, não en­ten­des­se na­da, não co­nhe­ces­se a lín­gua, e on­de os pou­cos ami­gos que fa­las­sem a mi­nha lín­gua fi­cas­sem ca­la­dos. O di­nhei­ro deu pa­ra che­gar a Is­tam­bul.” Quis de­sa­pa­re­cer, não avi­sou nin­guém, tam­bém se trans­for­mou em si­lên­cio, até que um dia en­vi­ou um pos­tal à fa­mí­lia com uma úni­ca pa­la­vra: Is­tam­bul.

A fu­ga de An­ton de­sen­ca­deia a ac­ção da história. Ao sa­ber do pos­tal, Áli apa­nha um avião e vai até Is­tam­bul. Ela se­rá a ver­da­dei­ra pro­ta­go­nis­ta, trans­for­man­do a vi­a­gem da pro­cu­ra por An­ton nu­ma de­ses­pe­ra­da busca de iden­ti­da­de e ten­ta­ti­va de re­cu­pe­ra­ção — ou construção — de me­mó­ria.

Es­te é o cen­tro de Fo­ra de Si, ro­man­ce de es­treia de Sasha Ma­ri­an­na Salz­mann, dra­ma­tur­ga, con­tis­ta, au­to­ra re­si­den­te do te­a­tro Má­xi­mo Gór­ki, em Ber­lim, ale­mã de ori­gem rus­sa, nas­ci­da em Vol­go­gra­do em 1985, fi­lha de uma fa­mí­lia ju­dia que fu­giu do so­ci­a­lis­mo so­vié­ti­co nos anos 1980. É uma iden­ti­da­de pró­xi­ma da re­la­ta­da nes­te li­vro. Ou se­ja, es­ta­mos di­an­te de uma au­to­bi­o­gra­fia com fic­ção. “O meu ro­man­ce é o que os crí­ti­cos de­sig­nam de ‘fic­ção au­to­bi­o­grá­fi­ca’. Is­so sig­ni­fi­ca que par­to de pon­tos-cha­ve da mi­nha bi­o­gra­fia e trans­for­mo-os em ân­co­ras do li­vro. O res­to é fic­ci­o­na­do”, con­ta ao Íp­si­lon a par­tir de Ber­lim, on­de vi­ve, es­cla­re­cen­do que a sua ex­pe­ri­ên­cia de 12 anos a es­cre­ver pa­ra te­a­tro lhe en­si­nou que tu­do se­rá li­do co­mo a sua história pes­so­al. Por is­so de­ci­diu ar­ris­car tu­do. Is­to é, o jo­go com o lei­tor é tam­bém acer­ca da própria iden­ti­da­de da au­to­ra.

On­de es­tá Sasha qu­an­do le­mos so­bre Áli ou An­ton? Eles são um par de gé­me­os que pa­re­cem me­ta­mor­fo­se­ar-se, que pa­re­cem ser por ve­zes um só, fí­si­ca e in­ti­ma­men­te, um o com­ple­men­to e a in­com­ple­tu­de do ou­tro, her­ma­fro­di­tas, a qu­em fal­ta, no en­tan­to, mui­ta coi­sa. Re­pe­te-se: on­de es­tá Sasha? “É di­ver­ti­do”, diz Sasha. “O retrato de fa­mí­lia que tra­ço não é o retrato da mi­nha fa­mí­lia, mas quis brin­car com es­sa ilu­são.”

Fo­ra de Si tra­ta te­mas tão ac­tu­ais co­mo a emi­gra­ção, a iden­ti­da­de, a ques­tão trans­gé­ne­ro, a to­ma­da do po­der pe­la for­ça ou o de­sen­rai­za­men­to. E fá-lo a par­tir da diás­po­ra ju­dai­ca, por­que é es­sa que Salz­mann me­lhor co­nhe­ce. Áli e An­ton são vis­tos co­mo ju­deus na Rús­sia e co­mo emi­gran­tes na Ale­ma­nha, não sa­bem o que é per­ten­cer a um país e cres­ce­ram com vá­ri­as lín­guas. A au­to­ra le­va es­sa Ba­bel pa­ra o li­vro, trans­cre- ven­do ex­pres­sões ou fra­ses em rus­so, ií­di­che, ale­mão, tur­co, au­men­tan­do o sen­ti­do de per­di­ção das per­so­na­gens atra­vés da pro­fu­são de re­cur­sos lin­guís­ti­cos, óp­ti­mos au­xi­li­a­res de ca­rac­te­ri­za­ção, num tex­to que por ve­zes as­su­me o pa­pel de en­saio acer­ca da in­ti­mi­da­de com a lín­gua.

“Por prin­cí­pio, des­con­fio da mi­nha lín­gua ma­ter­na. Por ser tão me­lhor do que o mun­do de on­de vem, mais flo­ri­da e elo­quen­te do que a re­a­li­da­de”, pen­sa Áli. E Sasha?

Emi­gra­ção, iden­ti­da­de, me­mó­ria, trans­gé­ne­ro. O ro­man­ce de es­treia de Sasha Ma­ri­an­na Salz­mann é a fic­ção au­to­bi­o­grá­fi­ca de uma rus­sa com pas­sa­por­te ale­mão que cha­ma ca­sa a Is­tam­bul.

é a in­qui­e­tan­te pro­cu­ra de uma ver­da­de que não exis­te, mas que ain­da as­sim se per­se­gue.

Uma fa­mí­lia, cem anos

Sasha con­ta que es­cre­ve em ale­mão, que ape­sar de o rus­so ser a sua lín­gua ma­ter­na nes­te momento é o ale­mão que in­flu­en­cia o seu rus­so. “Po­der con­ti­nu­ar a ler literatura rus­sa no ori­gi­nal é um pri­vi­lé­gio tre­men­do. Mas is­so não in­flu­en­cia a mi­nha es­cri­ta. Mas es­tou cer­ta de que es­tar dis­tan­te da mi­nha lín­gua ma­ter­na me tor­na mais crí­ti­ca acer­ca das ou­tras lín­guas que fa­lo. Pa­ra um es­cri­tor, is­so é fan­tás­ti­co. Olho sem­pre pa­ra uma lín­gua a par­tir de uma pers­pec­ti­va de fo­ra, e a de­ci­são acer­ca de uma pa­la­vra ou da es­tru­tu­ra de uma fra­se re­sul­ta de um de­ba­te co­mi­go mes­ma. Tu­do pa­re­ce pos­sí­vel, mas na­da me é da­do co­mo cer­to. Is­so é mui­to es­ti­mu­lan­te”, afir­ma Sasha, que, no que res­pei­ta a na­ci­o­na­li­da­des, se de­fi­ne co­mo ju­dia de lín­gua rus­sa, com pas­sa­por­te ale-

Sasha Ma­ri­an­na Salz­mann, dra­ma­tur­ga, con­tis­ta, ale­mã de ori­gem rus­sa, fi­lha de uma fa­mí­lia ju­dia que fu­giu do so­ci­a­lis­mo so­vié­ti­co nos anos 1980

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.