A al­ma de um Lo­bo em Lis­boa

Publico - Ipsilon - - Sumário - Nu­no Pa­che­co

Des­cen­den­te de uma li­nha­gem his­tó­ri­ca de mú­si­cos, Bernardo Lo­bo gra­vou e lan­çou em Lis­boa, on­de ago­ra vi­ve, o quin­to dis­co da sua car­rei­ra. E C’al­ma cor­res­pon­de ao tí­tu­lo, por en­tre ci­ran­das, sam­bas e can­ções com um do­ce em­ba­lo de fe­li­ci­da­de.

Bernardo Lo­bo já tem seis dis­cos gra­va­dos, cin­co nas lo­jas e um ain­da à es­pe­ra de edi­ção. Mú­si­co nu­ma fa­mí­lia de mú­si­cos cé­le­bres, tem por avô o com­po­si­tor, jor­na­lis­ta e ra­di­a­lis­ta Fer­nan­do Lo­bo (1915-1996) e é fi­lho do can­tor, com­po­si­tor Edu Lo­bo e da can­to­ra Wan­da de Sá. Nas­ci­do no Rio de Ja­nei­ro, em 9 de Se­tem­bro de 1972, vi­ve há três anos em Lis­boa, on­de gra­vou o seu no­vo dis­co. No Bra­sil co­bra­vam-lhe a pa­ter­ni­da­de, diz ele ao Íp­si­lon. “As pes­so­as ain­da me vêem co­mo fi­lho de Edu e têm um cer­to pre­con­cei­to. ‘Ah, as­sim é mais fá­cil ser mú­si­co’; ou ‘A mú­si­ca de­le é mui­to pa­re­ci­da com a do pai’; ou ‘O pai é mui­to me­lhor que ele’. Aqui na Eu­ro­pa é o con­trá­rio: ‘Ca­ram­ba, o pai de­le é o Edu Lo­bo, que le­gal!’ ou ‘Ele tem o tra­ba­lho de­le, que não tem a ver com o pai!’.”

Mas não foi na mú­si­ca que Bernardo co­me­çou, foi no te­a­tro, em 1990. A mú­si­ca veio de­pois e com ela os dis­cos, de Na­da vir­tu­al (2000) até C’al­ma (2018), ago­ra nas lo­jas. E não é por aca­so que abre com um pe­que­na vi­nhe­ta de Zum zum, um te­ma de Fer­nan­do Lo­bo e Pau­lo So­le­da­de, te­ma es­se que Edu Lo­bo tam­bém gra­vou. “O meu pai é que lhe deu um an­da­men­to mais len­to, por­que era uma mar­cha car­na­va­les­ca, não era tão tris­te. Mas na ver­da­de é a his­tó­ria de um ca­ra que mor­reu.” A in­clu­são do te­ma tem uma ra­zão his­tó­ria, de afi­ni­da­de e per­ten­ça. “As pes­so­as fa­lam mui­to mais do meu pai, qua­se não fa­lam do meu avô nem da mi­nha mãe. En­tão o Pi­er­re [Ader­ne], que fez es­se tra­ba­lho co­mi­go, dis­se ‘va­mos fa­zer o Zum zum que é es­sa mú­si­ca é mui­to boa.’ E deu cer­to.”

O dis­co, que nas­ceu de crowd­fun­ding mas le­va o se­lo da Bis­co­to Fi­no, cor­res­pon­de à su­ges­tão do tí­tu­lo, en­vol­ven­do al­ma e cal­ma nu­ma mes­ma pa­la­vra. Se há (em Pla­nis­fé­rio do amor) uma par­ce­ria com Pi­er­re Ader­ne, ou­tro mú­si­co bra­si­lei­ro ra­di­ca­do em Lis­boa e que pro­du­ziu o dis­co, a mai­or par­te dos on­ze te­mas fo­ram fei­tos jun­ta­men­te com Mu Che­ba­bi ( Ci­ran­da da lá­gri­ma, Go­ta de sol, Ter­ra à vis­ta) e Moy­seis Mar­ques ( Amor de va­lor, Pá­ra por aê, A bar­ca dos co­ra­ções par­ti­dos). “Eu co­nhe­ci o Mu no Rio (de me en­con­trar com ele em sa­raus, pe­la vi­da), mas foi em Lis­boa que a gen­te se apro­xi­mou mais e co­me­çou a tra­ba­lhar jun­to.” Já Moy­seis Mar­ques me­re­ce de Bernardo Lo­bo (que até aqui tem as­si­na­do Be­na Lo­bo nos dis­cos) um ras­ga­do elo­gio: “Acho que é um dos mai­o­res com­po­si­to­res e can­to­res da mi­nha ge­ra­ção, é fan­tás­ti­co. Te­mos uma sin­to­nia mui­to fina.”

C’al­ma exa­la um do­ce em­ba­lo, on­de en­tram ain­da Pla­nis­fé­rio do amor (can­ta­do em unís­so­no com a por­tu­gue­sa Ma­ria Emí­lia), Es­sas noi­tes (par­ce­ria com a can­to­ra Joy­ce), Qu­e­re­rá (só voz e pi­a­no, com ou­tro bra­si­lei­ro ra­di­ca­do em Por­tu­gal, Pablo La­pi­du­sas, nas te­clas) e Me­ni­na das nu­vens, um te­ma de­di­ca­do à sua fi­lha Ma­ria, nu­ma par­ce­ria com o his­tó­ri­co bos­sa-no­vis­ta Marcos Val­le. “Eu co­me­cei a gra­var um dis­co lá no Bra­sil, em 2015. Um pro­du­tor de São Pau­lo me con­vi­dou pa­ra fa­zer um dis­co só com mú­si­cas de Marcos Val­le. “Eu não co­nhe­cia Marcos bem, só de o ver com o meu pai ou a mi­nha mãe, não ti­nha a me­nor pro­xi­mi­da­de. Mas por cau­sa des­se dis­co eu aca­bei por fi­car mais pró­xi­mo de­le.” Marcos vi­a­jou até Lis­boa, en­con­tra­ram-se, e Bernardo, no fi­nal de uma ma­ris­ca­da “com vi­nho pra ca­ram­ba” en­con­trou co­ra­gem pa­ra lhe mos­trar uma mú­si­ca que aca­ba­ra de es­cre­ver pa­ra a sua fi­lha re­cém-nas­ci­da. Gra­vou-a no te­le­mó­vel, só uma pri­mei­ra par­te. “En­tão dis­se pra ele: ‘Vo­cê fa­ria a se­gun­da par­te?’ E ele res­pon­deu: ‘Fa­ria. Me man­da.’ Vol­tou pa­ra ao Bra­sil e, uma se­ma­na de­pois, não só me man­dou a se­gun­da par­te, já no pi­a­no, co­mo fez a le­tra da pri­mei­ra. Só que a Ma­ria não ti­nha nas­ci­do ain­da. Quan­do ela nas­ceu, fi­ze­mos o res­to e gra­vei.”

O ape­lo de Lis­boa

Es­tá em Por­tu­gal há dois anos. “Já ve­nho a Por­tu­gal des­de me­ni­no, com o meu pai. De­pois fiz aqui uma pe­ça, Ca­pi­tães da Areia, on­de to­ca­va vi­o­lão. Nes­sa al­tu­ra eu ti­nha 20 anos. Em 2010, vim pa­ra fa­zer um con­cer­to com a Car­mi­nho em ho­me­na­gem ao Chi­co Bu­ar­que, no Ca­si­no do Es­to­ril. Fi­quei en­can­ta­do, foi óp­ti­mo, e a par­tir de Por­tu­gal já fiz ou­tros paí­ses da Eu­ro­pa.” Vol­tou pa­ra o Bra­sil, pas­sa­do um mês, “mui­to en­can­ta­do com a boa re­ac­ção de to­dos os lu­ga­res aon­de eu ti­nha ido, a Ale­ma­nha prin­ci­pal­men­te, mas tam­bém na Fran­ça, ao meu tra­ba­lho.” Em 2013 te­ve ou­tro con­vi­te. “Pen­sei: a Eu­ro­pa es­tá me cha­man­do mes­mo. Aí, já fiz uma tour­née bem mai­or. E quan­do vol­tei, o meu dis­co Va­len­tia es­ta­va a to­car no avião da TAP. Achei que era um si­nal. À che­ga­da ao Bra­sil, dis­se: qu­e­ro mo­rar na Eu­ro­pa, qu­e­ro viver es­sa ex­pe­ri­ên­cia. Não sa­bia ain­da que era aqui. O meu pai mo­rou fo­ra, a mi­nha mãe tam­bém, to­da a gen­te na mi­nha fa­mí­lia ti­nha mo­ra­do fo­ra, fal­ta­va eu.”

A par­ti­ci­pa­ção no fes­ti­val Co­ne­xão Lu­só­fo­na, po­rém, co­me­ça­ra a atraí-lo. “Fi­quei apai­xo­na­do por Lis­boa, mes­mo.” No Bra­sil, dis­se à mu­lher (fi­lha de por­tu­gue­ses): “Va­mos mo­rar em Lis­boa? E ela dis­se: va­mos.” Mas uma coi­sa ter­rí­vel se in­terpôs: a mãe de­la, que era dona de um res­tau­ran­te, foi as­sas­si­na­da no Rio de Ja­nei­ro, com um ti­ro na ca­be­ça. E o pe­so do drama le­vou-os à se­pa­ra­ção. Em 2014, Bernardo ru­mou a Lis­boa pa­ra fa­zer a di­vul­ga­ção do seu dis­co mais re­cen­te, mas já de­ci­di­do a fi­car. “Coi­sas do destino: co­nhe­ci uma ou­tra mo­ça, no Rio, eu só fa­la­va em vir pa­ra Por­tu­gal e ela um dia me diz que o pai de­la lhe propôs ir pa­ra Por­tu­gal cui­dar dos ne­gó­ci­os de­le. Vi­e­ram jun­tos. E se vi­e­ram co­mo ami­gos, ra­pi­da­men­te se tor­na­ram um ca­sal. E as­sim nas­ce­ram Be­a­triz e Ma­ria.

C’al­ma, o dis­co on­de Ma­ria ga­nhou es­ta­tu­to de can­ção, era pa­ra ser o sex­to dis­co de Bernardo. Mas co­mo o quin­to, só com can­ções de Marcos Val­le, ain­da aguar­da edi­ção, saiu es­te em quin­to lu­gar. Com al­ma e com cal­ma, du­plo sen­ti­do que o tí­tu­lo sin­te­ti­za e que na ver­da­de cor­res­pon­de àqui­lo que o mú­si­co sen­te ago­ra. “A cal­ma vem de Lis­boa, vem do pró­prio dis­co, com an­da­men­tos mais len­tos. E acre­di­to que a mú­si­ca vem da al­ma, fa­ço uma mú­si­ca com ver­da­de e mui­to in­tui­ti­va.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.