Tom Crui­se en­tre a ter­ra e o céu

Publico - Ipsilon - - Sumário -

O mais com­pen­sa­dor e mais di­ver­ti­do block­bus­ter do Ve­rão de 2018. Luís Miguel Oli­vei­ra

Mis­si­on Im­pos­si­ble: Fal­lout Mis­são Im­pos­sí­vel: Fal­lout de Ch­ris­topher McQu­ar­rie com Tom Crui­se, Henry Ca­vill, Re­bec­ca Mor­gan, Si­mon Pegg, Ving Rha­mes Vai lon­go o fran­chi­se da Mis­são Im­pos­sí­vel (o pri­mei­ro fil­me es­tre­ou há 22 anos), e sem­pre te­ve al­go de es­pe­ci­al no meio da pro­fu­são de fran­chi­ses, se­que­las e pre­que­las que mar­ca­ram o ci­ne­ma ame­ri­ca­no des­te pe­río­do (por exem­plo, o fac­to de ter co­me­ça­do por cha­mar re­a­li­za­do­res com re­pu­ta­ção de au­teurs: os dois to­mos ini­ci­ais fo­ram di­ri­gi­dos por Bri­an de Pal­ma e John Woo, já com Tom Crui­se a fa­zer o pro­ta­go­nis­ta Ethan Hunt). Ho­je, ao sex­to fil­me, e não des­cu­ran­do o pa­pel de JJ Abrams na pro­du­ção, Mis­são Im­pos­sí­vel éo re­creio de Crui­se e do seu com­pin­cha Ch­ris­topher

McQu­ar­rie, que vai no segundo fil­me se­gui­do a es­cre­ver o ar­gu­men­to e a re­a­li­zar. E tal co­mo há dois anos o epi­só­dio an­te­ri­or, Ro­gue Na­ti­on, foi o me­lhor block­bus­ter des­se Ve­rão, tam­bém Fal­lout, ape­sar de mais frá­gil (a du­ra­ção ex­ces­si­va dá a sen­sa­ção de lhe amo­le­cer o rit­mo), se­rá o me­lhor, mais com­pen­sa­dor e mais di­ver­ti­do block­bus­ter do Ve­rão de 2018.

A re­cei­ta é a mes­ma: co­me­ça-se por re­du­zir os qui­proquós nar­ra­ti­vos a uma sim­pli­ci­da­de dig­na de um mac­guf­fin (no ca­so, o tra­di­ci­o­nal ar­qui­vi­lão que se pre­pa­ra pa­ra in­fli­gir uma ca­tás­tro­fe à hu­ma­ni­da­de), e usar es­sa his­tó­ria es­que­lé­ti­ca co­mo fio con­du­tor pa­ra o ali­nha­men­to das sequên­ci­as de ac­ção, que são a car­ne do fil­me. É ne­las que se con­cen­tram a ima­gi­na­ção, a in­te­li­gên­cia e o ta­len­to dos au­to­res - em par­ti­cu­lar de McQu­ar­rie, que va­mos co­me­çan­do a ver co­mo um mi­ni-McTi­er­nan, dig­no subs­ti­tu­to (não é o mes­mo que di­zer “su­ces­sor”) do re­a­li­za­dor de Die Hard. Ca­da sequên­cia é cons­trui­da co­mo um pro­ble­ma es­pe­cí­fi­co a de­cor­rer num de­ter­mi­na­do es­pa­ço du­ran­te um de­ter­mi­na­do tem­po, e es­se prin­cí­pio im­pli­ca que o es­pec­ta­dor te­nha to­dos os da­dos es­sen­ci­ais so­bre o que vai acon­te­cer, que é ma­nei­ra de po­der apre­ci­ar a ten­são en­tre o que es­ta­va pre­vis­to e o que não cor­re co­mo pre­vis­to. De­pois, é co­mo um es­pec­tá­cu­lo de va­ri­e­da­des on­de em vez de nú­me­ros mu­si­cais há acro­ba­ci­as fí­si­cas: po­de ser uma ce­na de pan­ca­da­ria no es­pa­ço exí­guo de uma ca­sa de ba­nho pú­bli­ca, po­de ser o cen­tro de Pa­ris e uma mo­to em con­tra­mão pe­la ro­tun­da do Ar­co do Triun­fo, po­de ser - nu­ma sequên­cia que é es­pan­to­sa - um sal­to em que­da li­vre, em que se co­me­ça den­tro dum avião, atra­ves­sa-se nu­vens de tem­pes­ta­de de­pois das quais se re­ve­lam os pon­ti­nhos lu­mi­no­sos da noi­te pa­ri­si­en­se, e se vem por aí abai­xo, co­mo um zo­om no Go­o­gle Maps, até pou­sar no tec­to do Grand Pa­lais.

Cla­ro que nes­tes di­as não se po­de con­fi­ar nas ima­gens, há sem­pre a sus­pei­ta de que a pro­e­za fí­si­ca (a dos ac­to­res, mas tam­bém a da câ­ma­ra) es­te­ja in­qui­na­da de ba­to­ta digital. Cons­ci­en­te dis­so, McQu­ar­rie apon­ta a uma es­pé­cie de der­ra­dei­ra re­ser­va de ver­da­de: o cor­po e o ros­to dos ac­to­res, es­pe­ci­al­men­te Crui­se, em mo­vi­men­to. Co­mo se dis­ses­se que à vol­ta de­le até po­de ser tu­do uma al­dra­bi­ce mas es­te ti­po es­tá mes­mo a ca­val­gar uma mo­to, ou em­po­lei­ra­do num pe­nhas­co, ou pen­du­ra­do num he­li­cóp­te­ro: há aqui um ní­vel de bá­si­co de ac­ção que de­pen­de dis­to, da nos­sa cren­ça na au­ten­ti­ci­da­de da­que­les ges­tos, e que mu­ta­tis mu­tan­dis até tem qual­quer coi­sa de “pri­mi­ti­vo”, co­mo se qui­ses­se fa­zer de Crui­se um mi­ni-mi­ni-Bus­ter Ke­a­ton. De­pois, es­sa aten­ção a um ros­to em es­for­ço co­la às mil ma­ra­vi­lhas com o “au­to-retrato em so­fri­men­to” que o fil­me cons­ti­tui pa­ra Crui­se (e não du­vi­de­mos da sua res­pon­sa­bi­li­da­de “au­to­ral”). A aber­tu­ra faz-se com um pe­sa­de­lo de­le com a ex-mu­lher, e lo­go a se­guir põem-lhe nas mãos a Odis­seia. É tu­do o é que pre­ci­so sa­ber so­bre a per­so­na­gem: vi­ve afo­ga­da em cul­pa e re­mor­so, e é co­mo um Ulis­ses con­de­na­do à er­rân­cia sem es­pe­ran­ça de Íta­ca. Daí o la­do so­fre­dor e ma­so­quis­ta des­te Ethan Hunt, que nem tem, co­mo 007, di­rei­to a miú­das e cock­tails: pa­ra ele a ac­ção não é um pra­zer, é cas­ti­go e ex­pi­a­çao, e que­das cons­tan­tes, co­mo se tu­do se re­su­mis­se à pro­cu­ra de um lu­gar “as­sim na ter­ra co­mo no céu”. Cons­ta­ta­mos e re­la­ta­mos is­so com um sor­ri­so: na­da dis­to é pa­ra le­var a sé­rio. Mas não im­pe­de que, pa­ra Crui­se, a Mis­são Im­pos­sí­vel se­ja

Crui­se: Mis­são Im­pos­sí­vel é o lu­gar on­de tu­do, a co­me­çar por ele pró­prio, exis­te em jus­te­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.